Uma final emocionante e à leão no Jamor

Na rubrica “Históricos” desta semana recordamos uma final daquelas que o Jamor merece ver todos os anos. Com a Taça de Portugal ainda fresca, decidimos lembrar a final que pôs frente a frente leões e guerreiros. Lembra-se da final do Jamor de 2014/2015?

Tudo apontava para um grande jogo, e dos dois lados estavam duas equipas com vontade de ganhar uma final e levar o troféu para casa, como deve ser. Na altura Sérgio Conceição era o treinador do SC Braga e Marco Silva o treinador da turma verde e branca.

Nas duas partes haviam jogadores que durante a época tinham dado que falar. No lado do Sporting tínhamos o meio-campo que foi durante muito tempo falado, até apontado como o melhor em Portugal naquele ano, de William, Adrien e João Mário. No lado do Braga, Éder e Rafa estavam a mostrar o seu valor que mais tarde trouxe muitos frutos.

Os leões deram o pontapé de saída e o jogo começou. A verdade é que a turma verde e branca não entrou em campo com o pé direito. Logo aos 14 minutos Cedric Soares cometeu grande penalidade e é expulso da partida. Éder, na altura capitão dos bracarenses, não desperdiçou e fez o 1-0. Com menos um e em 15 minutos a perder por uma bola a zero, a vida dos leões não estava no melhor sentido.

Passados sensivelmente dez minutos o terror voltou para o lado do Sporting CP. Rúben Micael aliviou a bola sem pensar e Rafa com uma grande velocidade aproveitou o derrame da defesa dos leões e na cara de Rui Patrício fez o 2-0. Na primeira parte o Braga tinha o jogo praticamente feito.

Chegava a segunda parte e o tempo ia passando e passando, com os leões cada vez mais longe do objetivo. Até que, aos 83 minutos, Slimani ainda deu a esperança aos adeptos dos leões. Depois de um ressalto o avançado trabalhou bem sobre dois defesas do Braga e fora de área rematou para o fundo das redes.

Faltavam pouco minutos para acabar o jogo e o SC Braga só tinha de aguentar o jogo. Estávamos nos minutos de desconto e era o tudo ou nada. Até que um milagre aconteceu. Uma bola é despejada na área do Braga e Freddy Montero, que tinha saltado do banco aos 74 minutos, aproveitou a falha da defesa do SC Braga e, com sorte à mistura, fez o 2-2.

O jogo seguiu para prolongamento, mas nada aconteceu. Aliás o Braga também ficou a jogar com 10 jogadores, mas a decisão teve de ser feita nas grandes penalidades. A verdade é que não interessa como se começa mas sim como se acaba. O Braga acabou por apenas marcar o primeiro penalti e falhou os três seguintes dando a Taça à equipa de Alvalade.

 

Fonte da imagem: Site Oficial FPF

João Marques

Nasci nos Açores, mais propriamente na Ilha Terceira. Actualmente estou a estudar Ciências da Comunicação na NOVA FCSH. O desporto nasceu comigo e a paixão pelas letras já vem desde tenra idade.