Benfica oficializa Cebolinha com a cláusula de rescisão mais alta da história em Portugal

O Benfica oficializou esta sexta-feira à tarde as contratações de Everton Cebolinha, Jan Vetonghen e Luca Waldschmidt e no caso do extremo brasileiro, este ficou com a cláusula de rescisão mais alta da história da Liga NOS.

As águias comunicaram esta sexta-feira à CMVM a compra do passe do extremo brasileiro Everton Cebolinha por 20 milhões de euros junto do Grémio, acrescentando ainda que a duração vínculo que ligará as duas partes será de cinco anos, até junho de 2025.

Além disso, o avançado canarinho fica com uma cláusula de rescisão fixada nos 150 milhões de euros, um recorde em Portugal que até então pertencia a Fábio Silva, jovem avançado do FC Porto que na última renovação de contrato com os dragões havia ficado com uma cláusula de 125 milhões de euros.

No mesmo comunicado, os encarnados informam ainda que o antigo clube de Cebolinha, o Grémio, fica com direito a 20% de uma futura transferência do jogador brasileiro.

Comunicado do Benfica à CMVM na integra:

A Sport Lisboa e Benfica – Futebol, SAD informa, nos termos e para o efeito do disposto no artigo 248.º-A do Código dos Valores Mobiliários, que adquiriu a totalidade dos direitos do jogador Everton Sousa Soares pelo montante de € 20.000.000 (vinte milhões de euros) ao Grêmio Foot-Ball Porto Alegrense. Mais se informa que o Grêmio terá ainda direito a receber 20% do valor de uma mais-valia obtida numa futura transferência do referido jogador. Por último, foi celebrado um contrato de trabalho desportivo com o referido jogador por 5 (cinco) épocas desportivas, ou seja, até 30 de junho de 2025, o qual inclui uma cláusula de rescisão no valor de € 150.000.000 (cento e cinquenta milhões de euros).

 

Fonte da Imagem: Twitter Benfica Transfer

Francisco Carvalho

Desde tenra idade que duas paixões me cativaram, desporto e a escrita, sendo a sua união o cenário ideal. Cedo percebi que com esforço e dedicação poderia juntar uma paixão a uma profissão, sendo o jornalismo a resposta. Numa geração onde a banalização e a desvalorização da informação são recorrentes, quero mostrar a relevância do mundo jornalístico em toda esta sociedade cativante que nos rodeia.