Old Firm Derby: Uma rivalidade que ultrapassa o futebol

Todos os apaixonados por futebol gostam de uma boa rivalidade: duas equipas a lutar até ao fim dentro de campo, empurradas por adeptos fanáticos a apoiar na bancada. Normalmente, são jogos que “valem mais que três pontos”. Em certas rivalidades, até valem mais que campeonatos.

Esse é o caso do dérbi de Glasgow, também conhecido como Old Firm Derby, que envolve as duas maiores equipas da Escócia: Celtic e Rangers. As duas equipas são as mais bem-sucedidas da Escócia, partilhando 105 campeonatos entre si (54 para o Rangers e 51 para o Celtic). É uma partida mundialmente conhecida pela intensidade e pelo desprezo mútuo que as duas equipas têm. No entanto, o conflito entre as duas equipas de Glasgow vai além de aspetos meramente desportivos. Aliás, as principais razões que tornam este jogo tão aceso são de cariz político e religioso.

O Celtic é um clube tradicionalmente católico, com ligações próximas à República da Irlanda (note-se que a Irlanda não faz parte do Reino Unido e é um país maioritariamente católico), enquanto que o Rangers é do lado protestante, rejeitando a doutrina tradicionalmente católica, e identifica-se com os ideais do Reino Unido.

Além disso, os problemas políticos que se viveram na Irlanda do Norte no final do século 19 resultaram em mais uma divergência entre os dois clubes: o Celtic apoiava o republicanismo e o nacionalismo irlandês, que defendiam a saída da Irlanda do Norte do Reino Unido e a formação de uma só Irlanda; por outro lado, o Rangers apoiava o unionismo irlandês, que defende a continuação da união entre a Irlanda do Norte e o Reino Unido.

Vale a pena acrescentar que o Celtic é maioritariamente socialista enquanto que o Rangers apresenta visões bem mais conservadoras. A lista de desigualdades entre os dois clubes de Glasgow é imensa e ajuda bastante a perceber o porquê de esta rivalidade ser tão intensa. Costuma-se dizer que os ideais de cada um deveriam ficar à parte do futebol, mas quando estes são tão divergentes, o resultado é um ódio que se enraizou desde o primeiro jogo entre as duas equipas, realizado em 1888.

Os jogos, sejam no Celtic Park ou no Ibrox Stadium, são acompanhados por uma das atmosferas mais intensas do futebol. Qualquer estádio que receba um Old Firm Derby acaba sempre por lotar, mesmo quando um dos clubes atravessa uma fase pior em termos financeiros ou em termos de resultados.

Exemplo disso foi a bancarrota que atingiu o Rangers em 2012. O clube foi obrigado a jogar na terceira divisão escocesa e demorou quatro anos a voltar à elite do futebol escocês. Foi a primeira vez em mais de 100 anos onde não houve qualquer jogo entre Celtic e Rangers a contar para o campeonato. Durante estes fatídicos quatro anos, eram raras as vezes em que haviam dérbis, sendo apenas possível haver esta disputa a contar para a taça.

Por fim, na época 16/17, o Rangers chegou novamente à primeira divisão. O Celtic dominou o campeonato desde a altura em que o Rangers enfrentou o colapso financeiro e esse domínio estende-se até ao dia de hoje. No entanto, o Rangers pretende acabar com tamanho domínio e está passo a passo a aproximar-se do calibre dos rivais, destacando-se a contratação de Steven Gerrard para o comando técnico da equipa, em 2018.

A verdade é que as condições em que as duas equipas se encontram não importam nada para os adeptos. Um Old Firm é um Old Firm e assim vai continuar, sendo eternamente uma das maiores rivalidades do futebol mundial.

 

Fonte da imagem: Daily Mail UK