Lembra-se de Marco Van Basten, o matador holandês?

Seja contemporâneo dele ou não, certamente já ouviu falar de Marco Van Basten, o mítico ponta-de-lança que ganhou quase tudo o que um jogador profissional pode ganhar. Seja pelas conquistas individuais e coletivas ou pelos golos impossíveis que marcava, o holandês é amplamente considerado um dos melhores ponta-de-lança de todos os tempos.

Nascido em Utrecht no dia 31 de outubro de 1964, o avançado juntou-se desde cedo às camadas jovens do Ajax, estreando-se pela equipa principal do gigante holandês em 1982, substituindo o seu grande ídolo, Johan Cruijff. Ao serviço do clube, Van Basten ganhou 3 campeonatos, 3 taças e 1 Taça das Taças, entre outras conquistas individuais, nomeadamente o prémio de jogador holandês do ano em 1985 e o prémio de melhor marcador da Eredivisie por quatro anos consecutivos.

Tais conquistas ditaram a sua saída para o AC Milan, onde viveu os melhores anos da sua carreira. Formou um dos maiores trios de todos os tempos com os compatriotas Ruud Gullit e Frank Rijkaard, vencendo a Champions League por duas vezes e o campeonato italiano por três vezes. Tal glória a nível coletivo não passou despercebida e o astro holandês venceu a Ballon d’Or em 1988, 1989 e 1992.

Notavelmente, pertenceu também à seleção holandesa de 1988, vencendo a final Europeu de 1988 contra a União Soviética, jogo que ficou 2-0. Van Basten marcou nesse jogo aos 54 minutos, sentenciando o jogo e dando à Holanda o primeiro e único título.

Dotado de uma técnica acima da média e de um instinto goleador absolutamente letal, Marco só não conquistou mais títulos coletivos e individuais devido à sua fragilidade física. O jogador tinha umas pernas bastante frágeis e isso fez com que as lesões nos joelhos e nos tornozelos se tornassem recorrentes. Essas mesmas lesões iriam levá-lo a abandonar os relvados aos 28 anos, idade bastante prematura para “aposentar as botas”. Até aos 30 anos, Van Basten ainda tentou recuperar-se e voltar a jogar, mas o estado dos seus tornozelos não permitiu tal coisa.

A verdade é que Marco Van Basten fica para a história como um dos melhores jogadores de todos os tempos. É assustador pensar no que ele poderia ter alcançado se não fosse as constantes lesões. É um dos meus jogadores favoritos devido aos seus golos fantásticos e gostava muito de o ter visto jogar. Era um avançado que tinha tudo o que era preciso para vingar em qualquer competição. É a definição de ponta-de-lança no sentido literal da palavra.

 

Fonte da imagem: site da UEFA