Crónica: Suécia x Portugal: uma página dourada numa noite cinzenta

Portugal permanece na liderança do grupo C da Liga das Nações graças à vitória, por 0-2, sobre uma seleção sueca de pouca vertente ofensiva e sem grande controlo no meio-campo.

Apesar de uma exibição menos exuberante em comparação com o último jogo, os comandados de Fernando Santos mantiveram o controlo do ritmo de jogo durante largos períodos de tempo, ainda que sem grandes rasgos de criatividade.

No entanto, a primeiro grande oportunidade de golo foi da autoria da seleção nórdica, com o cabeceamento de Berg a passar perto da baliza defendida por Anthony Lopes.

A equipa das quinas apresentou algumas dificuldades notórias em conseguir passar do conjunto defensivo adversário durante os primeiros 45 minutos, tendo apenas em Bernardo Silva, que viria a ser substituído por Gonçalo Guedes devido a lesão, e em Cristiano Ronaldo, que viu dois disparos potentes serem travados pelo guarda-redes Olsen, as chances mais claras para inaugurar o marcador.

Perto do intervalo, o capitão português fez finalmente o gosto ao pé. Livre em ângulo privilegiado e Ronaldo, mais uma vez, a indicar o caminho da vitória com o seu 100.º golo pela Seleção Nacional.

Na sequência da falta que viria a resultar no golo do avançado da Juventus, Portugal viu-se a jogar contra dez unidades, visto que Svensson foi expulso, deixando os suecos numa posição ainda mais complicada à entrada para o segundo tempo.

Portugal obrigou os adversários a correr atrás da bola, criando com mais facilidade situações de perigo. Bruno Fernandes acertou na trave, na cara do guarda-redes, e João Félix e Moutinho estiveram revelaram pouca eficácia frente a uma defesa passiva.

A Seleção só conseguiu selar o triunfo em solo nórdico graças a mais um grande golo de Ronaldo. Na quina da área, o “cinco vezes melhor jogador do mundo” executou uma finalização soberba para dar maior segurança a Fernando Santos e companhia.

Registo cem por cento vitorioso nesta competição para o atual detentor do título, num encontro em que CR7 reduziu para oito golos a distância para o recorde de golos do iraniano Ali Daei.

Fonte da imagem: Portugal Twitter/@selecaoportugal