Benfica derrotado pelo PAOK e falha Liga dos Campeões

Os encarnados foram derrotados por 2-1 pelo PAOK e falham acesso à Liga dos Campeões. Os golos foram apontados por Giannoulis (63), antigo benfiquista Andrija Zivkovic (75) e Rafa (94).

Começou esta quarta-feira, às 19:00, a terceira pré-eliminatória da Liga dos Campeões, que colocou frente a frente o Benfica e o PAOK em Salónica. Para além de ser a primeira partida oficial da temporada e da segunda passagem de Jorge Jesus pelos encarnados, esta era também uma partida de importância máxima para as águias visto que definiria a presença ou ausência da edição 2020/21 da liga milionária.

Jorge Jesus apresentou três reforços no seu onze titular: Vertonghen, Everton Cebolinha e Pedrinho. Vlachodimos figurou entre os postes, Grimaldo, Rúben Dias e André Almeida acompanharam o internacional belga na defesa, Weigl e Taraabt atuaram no miolo, os reforços brasileiros jogaram nas faixas e Pizzi alinhou nas costas de Seferovic.

Do outro lado, Abel Ferreira apostou no guarda redes Zivkovic, trio de centrais constituído por Michailidis, Fernando Varela e Ingason, Shcwab e El Kaddouri no centro do terreno, José Crespo e Giannoulis nas alas e Tzolis, Akpom e Pelkas no setor ofensivo.

Os primeiros 25 minutos de jogo tiveram muito pouca aproximação às balizas de parte a parte. Os lisboetas trocaram bem a bola, mas, por vezes, foram pouco objetivos e não conseguiram entrar no último terço devido ao compacto bloco defensivo dos gregos. Já a equipa da casa apostou no contra-ataque e na exploração das costas da defensiva encarnada, embora com pouco sucesso. Neste período, a única oportunidade surgiu de bola parada, através de um cabeceamento de Michailidis para encaixe de Vlachodimos após livre lateral no minuto 16.

Impossibilitados de entrarem na área adversária, os jogadores do Benfica tiveram de apostar na meia-distância: Taraabt (25) e Pedrinho (42) remataram para boas intervenções de Zivkovic e, de livre direto, Pizzi atirou ao poste (30). Pelo meio, Seferovic, de posição privilegiada, desperdiçou um dos raros cruzamentos bem sucedidos, neste caso, de Everton, atirando ao lado (27).

A primeira parte acabou, assim, sem qualquer golo. Apesar de não terem feito uma grande exibição, os visitantes foram superiores nos primeiros 45 minutos, criando algumas oportunidades para inaugurar o marcador. Já os pupilos de Abel Ferreira tiveram pouco caudal ofensivo, contrastando com a sua excelente organização defensiva.

À semelhança do que havia acontecido no primeiro tempo, os primeiros minutos desta metade também tiveram poucas ocasiões de perigo. Contudo, contrariamente à outra parte, os encarnados não controlavam o jogo e esta tendência manteve-se até ao apito final.

O primeiro lance digno de registo foi protagonizado por Cebolinha que, à passagem do minuto 57 e após assistência de Taraabt, entrou na área e obrigou o guardião sérvio a nova defesa de bom nível.

No entanto, tal como se costuma dizer, “quem não marca, sofre” e foi exatamente isso que aconteceu ao minuto 63. Num dos poucos lances ofensivos organizados do PAOK, Giannoulis adiantou a bola para Akpom, que, já dentro da área e quase na linha final, devolveu para o seu colega, a meias com Vertonghen, bater Vlachodimos.

No 75º minuto, os gregos duplicaram a sua vantagem. Giannoulis recuperou a bola em zona defensiva e subiu como quis pelo terreno antes de entregar a Zivkovic (o ex-Benfica entrou aos 67 para o lugar de Pelkas), que cortou para dentro e fez as redes abanar. Poucos minutos depois, Tzolis passou por André Almeida e esteve perto de aumentar ainda mais a diferença no marcador, rematando à malha lateral. Nesta fase do jogo todos os ataques do PAOK levaram perigo.

Até ao final da partida, JJ ainda lançou Vinícius, Darwin e Rafa, mas de pouco serviu, já que havia muita desorganização no ataque. Das duas chances criadas após o primeiro tento dos oponentes, uma delas entrou: no minuto 94, André Almeida cruzou pela direita para Rafa cabecear para o fundo das redes, porém, era já tarde demais para resgatar o resultado. Antes disso, à passagem do minuto 80, em resposta a cruzamento rasteiro de Cebolinha, Grimaldo disparou para mais uma grande parada de Zivkovic, um dos melhores em campo.

O marcador ficou, assim, fixado no 2-1, resultado que castiga a falta de eficácia e a queda de rendimento do Benfica na segunda parte e premeia a teia montada por Abel Ferreira no setor defensivo, bem como a paciência e critério no ataque.

 

Fonte da Imagem: Twitter @PAOK_FC

Simão Vitorino

Nasci e cresci em Vila Franca de Xira e estou atualmente a tirar uma licenciatura em Ciências da Comunicação na faculdade NOVA FCSH com o objetivo de me tornar jornalista desportivo no futuro, profissão que une duas grandes paixões minhas - o futebol e a escrita.