Históricos: Leicester City, a surpresa do século

Nos “Históricos” desta semana, relembramos um acontecimento relativamente recente, do qual toda a gente que acompanha futebol se deve recordar: a lendária campanha do Leicester City na época 15/16.

O Leicester City é um clube inglês fundado em 1884, na cidade de mesmo nome. Provavelmente a maioria das pessoas fora de Inglaterra desconheciam o clube das Midlands, e ninguém é censurado por isso. O clube não chega nem perto dos gigantes ingleses, tendo apenas ganho três taças da liga e uma supertaça. Sempre que o clube ingressava na Premier League, era automaticamente considerado um candidato à descida. E tal não foi exceção na época de 2015/2016; as casas de apostas inglesas consideravam que a possibilidade do Leicester City ser campeão era de 5000 para um. Resumindo e concluindo: o clube nadou contra a maré, contrariando todas as expectativas e todas as “odds” das casas de apostas inglesas e proporcionou-nos uma das maiores surpresas da história do futebol inglês (e mundial).

O plantel do Leicester era desconhecido para quase todos. Ninguém conhecia Jamie Vardy, Riyad Mahrez, N’golo Kanté, etc… O único elemento reconhecível era o guarda-redes, Kasper Schmeichel, por ser o filho de um dos melhores guarda-redes de todos os tempos, Peter Schmeichel. Mahrez era jogador do Le Havre, da segunda divisão francesa; Vardy jogava em escalões inferiores de Inglaterra e chegou a trabalhar numa fábrica apenas uns anos antes de ganhar o campeonato inglês; Kanté jogava no modesto SM Caen, de França, antes de ser contratado pelo Leicester. No comando técnico estava Claudio Ranieri, treinador italiano de algum renome (treinou equipas como Chelsea, Roma, Juventus, Inter, Valência, Atlético de Madrid). Na teoria, Ranieri contaria com uma equipa modesta que lutaria pela sobrevivência na Premier League.

O Leicester entrou forte na liga, com vitórias contra o Sunderland e o West Ham. Seguiram-se dois empates contra o Tottenham e Bournemouth. Nos primeiros jogos, começou logo a evidenciar-se o estilo de jogo do Leicester: uma equipa com um contra-ataque rápido normalmente conduzido por Vardy, Mahrez e Albrighton, com uma defesa sólida constituída pelos “gigantes” Huth, Morgan e Schmeichel e com um meio campo capaz de construir (Danny Drinkwater) e destruir (Kanté). O Leicester foi tornando-se, jogo a jogo, numa equipa perigosa e respeitada. E ficou ainda mais notória quando um certo avançado inglês marcou a equipas como Bournemouth, Aston Villa, Stoke City, Arsenal, Norwich, Southampton, Crystal Palace, West Bromwich Albion, Watford, Newscastle e Manchester United. Dito assim, não parece nada de especial, mas Jamie Vardy marcou contra estas equipas de forma consecutiva, nesta ordem. O avançado marcou em 11 jogos consecutivos na melhor liga do mundo, batendo assim o recorde de Rudd Van Nistelrooy. Com Vardy a marcar consistentemente, com Mahrez a espalhar magia e com Kanté a destruir jogo como ninguém, o Leicester começou a subir na tabela e estava sem vontade de largar os lugares cimeiros da liga. Somou vitórias sob o Chelsea, Liverpool, Tottenham e Manchester City, virando assim um “tomba-gigantes” e, acima de tudo, um sério candidato ao título.

E foi então que, na antepenúltima jornada do campeonato, o Leicester se tornou mesmo campeão de Inglaterra. O Tottenham era a outra equipa que discutia o título com as “Foxes” e ia jogar um dérbi londrino crucial com o Leicester. Caso não vencessem, os Spurs perderiam todas as chances de se tornarem campeões. Foi um jogo intensamente disputado, com os Spurs por cima até ao minuto 83. Hazard, que realizava provavelmente a pior época da sua carreira, disferiu um remate que só parou no canto superior direito da baliza. Estava feito o 2-2, que seria mesmo o resultado final. Tornava-se realidade o sonho de uma cidade que nem sequer pensava que a Liga Europa era uma possibilidade. Parecia uma história de um conto de fadas, mas aconteceu mesmo. A cidade das Midlands ficou em êxtase e os adeptos do Leicester viviam a melhor altura das suas vidas.

No futebol, nada é impossível, nada é irrealista. Tive a sorte de vivenciar e acompanhar a campanha mais histórica da primeira divisão inglesa, de ver uma equipa desconhecida a jogar um futebol positivo e atrativo e a tornar-se campeão da Premier League. O Leicester City foi o merecido vencedor e Mahrez foi o merecido vencedor do prémio de jogador do ano. Foi um ano absolutamente inesquecível para todos os adeptos de futebol que acompanharam de perto a ascensão do Leicester e a época de 15/16 ficará para sempre marcada na história.

 

Fonte da imagem: BBC.co.uk