Crónica – Supertaça Alemã: As abelhas amarelas e o “papão”

Mais um jogo entre os dois maiores colossos da Alemanha, e mais uma vitória do Bayern Munique. Num ano atípico, por toda a situação que estamos a viver, a verdade é que os comandados de Hansi Flick não poderiam estar a viver melhores dias. Mais um troféu conquistado, desta vez foi a DFL Super Cup, mais conhecida como Supertaça da Alemanha. Foi um excelente jogo, com oportunidades para os dois lados, mas mais uma vez, a cara da moeda saiu em “sorte” do clube da Baviera.

Foi um jogo onde se destacaram vários interpretes de elevado gabarito. Podemos falar de Alphonso Davies, o miúdo canadiano que pegou de estaca como lateral esquerdo do todo poderoso Bayern, podemos referir Erling Haaland e o seu instinto matador, que veio mais uma vez ao de cima, mas importa referir, que no dia de hoje, quem mais se destacou (e não foi propriamente pela positiva) foi o treinador das “abelhas amarelas”, Lucien Favre. Este treinador suíço, que conta com passagens por clubes como o Hertha Berlim, Nice ou Borussia Mönchengladbach, é caracterizado por apostar num futebol de ataque. É um bom treinador e fez bons trabalhos ao longo da sua carreira, mas, no dia de hoje, não esteve nada feliz. Toda a gente sabe que a conquista da Bundesliga ou da Taça da Alemanha, são objetivos que o Borussia Dortmund tem ao longo da sua temporada, mas também se sabe que existe um rival que é mortífero na hora de “papar” títulos, época após época, e por isso o treinador suíço deveria levar mais em consideração a possibilidade de conquistar um troféu pelo seu clube atual, mesmo que seja uma Supertaça.

Num jogo que estava 2-2, após uma recuperação fantástica dos homens de amarelo, o que se pedia era continuidade na exibição, e Favre “matou” a equipa com as substituições que fez na segunda parte. Primeiro, e para espanto de todos, saiu o menino prodigioso na hora de marcar golos. O ponta de lança norueguês, estava a fazer uma grande exibição na segunda parte, com um golo e uma assistência, e de repente saiu de cena. Após a sua saída, veio o descalabre, com a saída de mais quatro jogadores muito importantes nas manobras da equipa. O Borussia, simplesmente deixou de existir após essas tomadas de decisão. Já não conseguiam atacar a profundidade, nem aproveitar os espaços que iam sendo deixados pela defesa do seu rival, mal passavam do meio campo após as substituições infelizes que foram efetuadas. Entrou muita juventude, e jogadores sem ritmo, e a partir dai, o Bayern tomou conta do jogo, outra vez, depois de já ter dominado a primeira parte. Com naturalidade, os bávaros chegaram ao terceiro golo, e o jogo deixou de ter o mesmo interesse.

Em relação ao Bayern, como já foi referido anteriormente, mais uma conquista e os bávaros procuram agora igualar o recorde do FC Barcelona como a equipa que mais títulos conquistou numa só época desportiva. Para isso, os alemães terão de vencer o Mundial de Clubes, que este ano, face a pandemia que está a assolar o mundo, só se irá disputar no início de 2021. O principal rival será, como até agora tem sido, a equipa sul-americana que vencer a edição deste ano da Copa Libertadores. Veremos se o Bayern confirma todo o favoritismo com que parte para esta competição, e se os homens de Flick são capazes de atingir um feito histórico para o clube, direção, jogadores, treinadores e todos os adeptos do clube alemão espalhados pelo mundo que poderão ter mais uma vitória para festejar.

Fabio Mikael

Sou um apaixonado pelo desporto rei. Além disso, gosto muito de escrever e faço isso com paixão. Poder aliar às duas coisas, é fantástico, e estamos aqui para fazer crescer este jornal online cada vez mais.