Históricos: o primeiro jogo de futebol com público em Portugal

Nascido em Inglaterra, quando o futebol (ou “foot-ball”, como inicialmente era designado) chegou a Portugal, há muito que o desporto era o favorito dos britânicos. Sem surpresas, foi precisamente um inglês quem introduziu os portugueses ao jogo, com os primeiros relatos, oriundos da freguesia da Camacha, na Madeira, a datar de 1875, quando Harry Hinton, então residente na ilha, trouxe uma bola de Londres para jogar com os amigos.

Primeiro ensaio, em Cascais

Os primeiros testemunhos do jogo da bola em Portugal Continental, por sua vez, surgiriam apenas 13 anos mais tarde, quando dois irmãos portugueses, estudantes em Inglaterra, seguiram o exemplo de Harry, trazendo uma velha bola de couro para ensinar os amigos lisboetas a jogar. Assim, num domingo à tarde, na Parada de Cascais, Eduardo e Frederico Pinto Basto realizaram uma espécie de treino, então denominado “ensaio”, naquela que se diz ser a primeira exibição pública de futebol em Portugal. Estávamos em outubro de 1888.

O ensaio, bem sucedido, fez crescer em Guilherme a vontade de organizar um evento em maior escala. Assim, cerca de três meses mais tarde, estava agendada aquela que viria a ser a primeira partida pública de futebol no nosso país. O jogo colocaria os melhores do dito ensaio frente a um conjunto de britânicos, empregados do Cabo Submarino, oriundos de várias casas inglesas instaladas em Lisboa. Um jogo de portugueses contra ingleses, pelo que, além do primeiro de sempre, viria também a ser o primeiro encontro internacional em Portugal.

A partida realizou-se a 22 de janeiro de 1889, no local onde se encontra agora a conhecida Praça de Touros do Campo Pequeno (edificada 13 anos depois). A cidade de Lisboa vivia tempos prósperos, com uma vida cultural muito ativa, pelo que, embora não haja números oficiais, houve uma enorme afluência de gente para assistir àquele “jogo com vinte e dois homens aos pontapés a uma bola”, como descreveu o Jornal do Comércio no dia seguinte.

Equipa inglesa
Equipa portuguesa

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O entusiasmo dos lisboetas foi enorme, apesar de o jogo em si pouco ou nada ter tido a ver com o futebol jogado atualmente. Não havia posições fixas, tirando o guarda-redes, nem sistemas táticos. Além disso, não eram impostas quaisquer restrições no que toca aos equipamentos, pelo que as habituais chuteiras podiam dar lugar a outro calçado à escolha do atleta.

“Uma quantidade enorme de pessoas foi hoje ao Campo Pequeno assistir ao desafio, entre ingleses e portugueses, de futebol. Grande número de carruagens com elegantes senhoras, entre as quais se destacavam mademoiselle Ida Blanc, governando galhardamente, ao lado de sua mãe, uma soberba parelha de cavalos pretos. O resultado do jogo foi muito lisonjeiro para os nossos compatriotas que conseguiram ganhar. Não faltaram os trambolhões e os rebolões do próprio jogo, mostrando todos os fortes mancebos, que nele tomaram parte, quão exímios são no “manejo” do pontapé, como disse uma elegante que, por casualidade, ficou ao pé de nós.”, descreveu o Jornal do Comércio.

A partida foi o autêntico “pontapé de saída” para que o futebol se espalhasse por todo o país, sobretudo pelas elites, numa fase inicial. O próprio rei D. Carlos viria a tornar-se num confesso adepto do desporto.

Como referiu o artigo do diário lisboeta, o resultado viria a sorrir aos portugueses (2-1), mas para a história fica o jogo que catapultou o futebol em Portugal, tornando-se rapidamente no desporto de eleição dos portugueses.

Duarte Rosa

"Alfacinha" de gema, sportinguista de coração. Desde o clube à seleção nacional, o amor pela bola está presente desde cedo. A licenciar-se em Ciências da Comunicação, na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, esta paixão pela escrita e pelo futebol forma uma dupla interessante, que espera vir a agradar aos seus leitores.