Crise em Valência deixa o treinador à beira da rutura

O Valência encontra-se num dos períodos mais difíceis da sua história recente. O clube che está imerso em dificuldades financeiras e diretivas, com o treinador Javi García a ser o mais recente porta-voz do descontentamento com a direção de Peter Lim.

O treinador reuniu-se na terça-feira com a direção do clube de Mestalla para discutir a falta de ataque ao mercado. Recorde-se que o Valência viu grandes estrelas despedirem-se, tais como o seu capitão Dani Parejo que saiu a custo zero para o Villarreal, o mesmo destino de Coquelín, que foi transferido a troco de oito milhões de euros. Também Rodrigo abandonou o clube, após o Leeds United ter desembolsado cerca de 30 milhões pelo seu passe.

Fonte da imagem: Twitter @DaniParejo

Nomes como Diogo Leite e Adrien Silva foram apontados ao Valência, mas não passaram de rumores. O clube, que foi alvo de notícias em Espanha que apontavam à falta de liquidez para pagar os salários dos seus jogadores, terminou o mercado de verão sem nenhuma compra efetuada e com um plantel desfalcado para a nova época.

A situação tornou-se crítica no início desta semana, quando os orgãos de comunicação espanhóis referiam que a saída do treinador Javi Garcia seria o próximo capítulo negro desta saga. O técnico não hesitou em exprimir o seu descontentamento com o estado que o clube de Gonçalo de Guedes e Thierry Correia atravessa: “O plantel está enfraquecido, toda a gente pode constatar. Cinco jogadores importantes saíram e, antes de eu ser contratado, garantiram-me que os substitutos chegariam. Mas a época está a começar e ainda nenhum deles cá está. Estou desiludido, não sei se será por razões financeiras ou outra coisa qualquer. Ainda há tempo mas é triste que um clube como o Valencia não possa chegar ao nível a que devia”.

Fonte da imagem: desporto.sapo.pt

Garcia esteve mesmo à beira da porta de saída mas esta quinta-feira assumiu, num comunicado à Agência EFE, que um incentivo por parte dos jogadores, adeptos e do staff levaram a que mudasse a decisão de pôr o seu lugar à disposição: “Fiz isso (pedido de demissão) por honestidade profissional (…). Nunca imaginei que saíssem tantos jogadores e só entrassem os emprestados”, revelou.

O Valência ocupa atualmente a oitava posição na LaLiga, após duas vitórias e um empate nas três jornadas inaugurais da nova temporada.

Fonte da imagem de capa: Twitter @valenciacf

 

 

Alexandre Dionisio

Desde pequeno fui levado ao mundo do futebol, inicialmente enquanto júnior no Ginásio Clube de Alcobaça, clube da minha cidade, e agora mais velho enquanto espetador assíduo do mágico desporto que tanto nos emociona. Com uma licenciatura em Ciências da Comunicação na bagagem e um mestrado em Jornalismo em curso, acompanho cada jogo com a máxima emoção. Que isso nunca mude.