Adel Taarabt: Quem te viu e quem te vê!

Tottenham Hotspur (Facebook)

Natural de Marrocos, formado em França, revelado em Inglaterra e reafirmado em Portugal. A carreira de Adel Taarabt pode ser descrita como uma autêntica montanha russa, sendo tantos os altos e baixos por que o atleta atravessou. Chegou a ser visto como um dos maiores flops do Benfica, para recentemente se revelar como uma peça importante do plantel encarnado. Olhemos então com mais detalhe para o percurso do médio africano.

Nasceu em Fès, a segunda maior cidade de Marrocos, mas rapidamente se mudaria para a Europa, mais concretamente para a pequena vila francesa de Lens. Foi no clube local, o Racing Club de Lens, que terminaria a sua formação enquanto jogador de futebol, estreando-se na equipa principal do emblema gaulês, em 2006/07.

Taarabt acabaria por somar apenas dois minutos com o Lens, já que, nesse mesmo ano, seria emprestado ao Tottenham, mudando-se mesmo a título definitivo na época seguinte. Durante o empréstimo ainda apareceu em dois jogos da Premier League.

QPR FC (Facebook)

Nos Spurs, o médio centro apenas foi chamado em 10 jogos, pelo que os londrinos acharam por bem emprestá-lo. Assim, em 2008/09, Taarabt chegou aos Queens Park Rangers. Apesar dos poucos jogos a que teve direito (sete, no total), o atleta convenceu os QPR a mais um ano de empréstimo, e foi aí, em 2009/10, que o marroquino começou a mostrar todo o potencial que lhe vinha sendo associado.

A jogar no Championship, Taarabt foi titular absoluto dos Hoops, somando 44 partidas e marcando ainda 7 golos. O melhor, no entanto, estava ainda para vir, já que na época seguinte, com os mesmos jogos, quase que triplicou o número de golos, fazendo abanar as redes adversárias por 19 vezes, números absolutamente abismais para um médio centro. Foi nesse mesmo ano que também se começou a cimentar  de vez na seleção nacional de Marrocos.

Fulham FC Official (Facebook)

Criativo com os pés, rápido no drible e letal na finalização. Taarabt parecia ter tudo o que um treinador podia desejar “e mais um par de botas”. Restava apenas saber se a época 2010/11 fora o início de uma estrela ou apenas um raro momento de inspiração…e a segunda mostrar-se-ia acertada, pois a verdade é que o marroquino nunca mais conseguiu replicar tais números até então, nem de perto de nem longe.

A queda nas estatísticas de Taarabt não impediu, ainda assim, que o jogador continuasse com bons desempenhos. Simplesmente, com a subida à Premier League, em 2011/12, a exigência aumentou também, pelo que o atleta tinha agora pela frente adversários com um poderio muito maior.

Na segunda época no topo do futebol inglês, o médio tirou bom proveito do novo treinador (Mark Hughes), conseguindo mais tempo dentro de campo (33 jogos) e subindo a contagem de golos em relação ao ano anterior (cinco, mais três que na época transata). Uma temporada melhor a nível individual, mas o mesmo não se pode dizer do coletivo, com os QPR a ver consumada a descida ao Championship.

Fédération Royale Marocaine de Football (Facebook)

Regressados ao segundo escalão, o clube tornou a arrumar a casa, contratando novo treinador, desta vez Harry Redknapp. A mudança provou-se drástica para Taarabt, acabando como dispensável aos olhos do técnico e terminando, com isto, emprestado. O destino, curiosamente, foi o Fulham, emblema, à data, na Premier League.

O marroquino conseguiu, com isto, mais meia época sob os holofotes da 1ª Divisão inglesa, jogando 16 partidas e marcando um golo pelos Cottagers. Meia época literalmente, uma vez que ver-se-ia emprestado ao Milan no mercado de inverno. Em Itália, por sua vez, assumiu a titularidade, estreando-se também nas competições europeias, e logo na Liga dos Campeões, numa eliminatória que, de resto, viria a ser de má memória para os italianos (perderam nos oitavos de final diante do Atlético de Madrid).

Voltando aos Rangers, a época 2014/15 marcou o início do declínio da forma de Taarabt. Com os QPR de novo na Premier League, e ainda com Redknapp ao “leme”, o jogador não foi além de sete jogos com a camisola dos londrinos, apenas três dos quais a titular. Assim, e com o contrato a terminar, não foi de espantar que tenha visto com bons olhos a chegada de uma proposta do Benfica, onde ambicionava vir a somar mais minutos e, quem sabe, recuperar pelo menos um pouco da forma que outrora atingira.

AC Milan (Facebook)

A contratação foi mesmo avante e o marroquino, ainda com 26 anos, chegou à Luz a custo zero e com grandes espectativas, sobretudo por parte dos adeptos encarnados, que não tinham esquecido o Taarabt de 2011. O que se antevia como o renascer de uma estrela acabou, no entanto, por ser o consumar de um pesadelo, já que, na época de estreia, e com Rui Vitória no comando técnico, o marroquino não só não somou um único minuto pela equipa principal encarnada, como acabou a trabalhar…com a equipa B, nem aí se conseguindo mostrar, jogando apenas sete jogos e marcando um único golo, estatísticas absolutamente residuais para um atleta habituado a grandes palcos.

Taarabt ainda conseguiu um empréstimo de dois anos ao Genoa, em Itália, onde até se desempenhou bem, sobretudo no segundo ano (23 jogos e dois golos), mas nem isso impediu que o regresso ao Benfica continuasse a ser uma autêntica travessia no deserto, acabando por permanecer ao serviço do plantel secundário, no Seixal.

Genoa CFC (Facebook)

Estávamos a meio da temporada 2018/19 e tudo indicava que Taarabt seria, para sempre, uma causa perdida, pelo menos no Benfica. Parecia que só um milagre poria o jogador a somar minutos em Lisboa…mas esse milagre chegou mesmo. O seu nome: Bruno Lage.

Aproveitando a crise de resultados, o ex-treinador dos “bês” encarnados acabou promovido ao cargo de treinador principal e, com ele, subiu também Taarabt à equipa A, onde, ao fim de três anos, começou finalmente a somar minutos pelo clube. Nessa época atuou em sete partidas e, com o passar dos jogos, a diferença (para melhor) na sua forma era já abismal.

Se 2019 marcou o “renascer” do marroquino, 2019/20 foi o consolidar deste reaparecimento. Com Lage, Tarrabt manteve a boa forma e rapidamente agarrou a titularidade no plantel benfiquista. A época assinalou também o regresso do jogador à Liga dos Campeões, palco que não pisava há cinco anos.

Agora, com Jorge Jesus, o atleta tem-se mantido como aposta principal do técnico, não tendo jogado nas últimas partidas apenas por lesão. Estará o médio, agora com 31 anos, capaz de manter o andamento que demonstrou na época passada?

UEFA Europa League (Facebook)

 

 

Imagem: UEFA Europa League (Facebook)

Duarte Rosa

"Alfacinha" de gema, sportinguista de coração. Desde o clube à seleção nacional, o amor pela bola está presente desde cedo. A licenciar-se em Ciências da Comunicação, na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, esta paixão pela escrita e pelo futebol forma uma dupla interessante, que espera vir a agradar aos seus leitores.