“Big Picture” do Liverpool e do Man. United gera controvérsia em Inglaterra

Um tema que tem abalado o futebol e não só nas terras de Nossa Majestade. Os donos do Liverpool e do Manchester United apresentaram uma proposta polémica, denominada “Big Picture“, que tem gerado discórdia entre a EFL e a Premier League e até com o próprio governo britânico.

Os donos de ambos clubes, John Henry e Joel Glazer, tornaram públicas várias mudanças que pretendem implementar no futebol inglês. Entre as quais incluem-se a redução de duas equipas na Premier League; a extinção da Supertaça Inglesa e da Taça da Liga; o pagamento de 25 por cento das receitas televisivas dos clubes do primeiro escalão inglês para as equipas que militam nas três divisões inferiores; a eliminação do atual sistema de play-off que existe entre os seis primeiros classificados do Championship, passando apenas a existir um jogo entre o antepenúltimo da Premier League e o terceiro classificado da segunda divisão inglesa; o pagamento de 260 milhões de euros às equipas do Championship, da League One e da League Two, de forma a minimizar os prejuízos causados pela pandemia da Covid-19; um limite de 23 euros para o preço dos bilhetes dos adeptos visitantes; o começo das competições oficiais iniciar-se no final do mês de agosto; a fundação de uma Premier League para o futebol feminino ou, em alternativa, de uma Federação específica para o mesmo.

Fonte da imagem: Twitter @MillieTurner_

Junto destas medidas incluiu-se outra que foi a que mais tinta fez correr dentro dos organismos que regem o futebol inglês. Foi proposto que as equipas pertencentes ao top-six, ou seja, Liverpool, Manchester United, Manchester City, Tottenham, Arsenal e Chelsea e ainda mais três clubes que participam há mais tempo na Premier League (Everton, West Ham e Southampton) passem a beneficiar de um estatuto especial nas decisões tomadas relativamente ao futebol inglês, ao contrário do que sucede atualmente, em que todos os participantes no principal escalão têm direito a um voto de igual peso.

A controversa proposta foi aprovada pelo presidente da English Football League, Rick Parry, o que levou a críticas da Premier League: “O futebol inglês é o mais visto do mundo e tem um sistema de ligas competitivas, dinâmicas e vibrantes que interessam a todos. Para manter isto temos de trabalhar todos juntos. Do ponto de vista da Premier League, estas propostas poderiam ter um impacto negativo no futebol e é decepcionante que Ricky Parry, presidente da EFL, tenha dado o seu apoio”, expressou o órgão que rege o principal escalão de futebol inglês em comunicado.

Fonte da imagem: Twitter @premierleague

Quem também já exprimiu o seu ceticismo acerca da Big Picture foi o Secretário da Cultura, Oliver Dowden: “Estou muito cético. Acho que estes acordos feitos assim têm outros objetivos e nós vamos ter de estar atentos. Existe muito dinheiro no desporto, eles acabaram de gastar mil milhões no mercado, de certeza que existe outras formas de se ajudarem”, referiu, afirmando ainda que o governo irá tomar medidas caso a proposta vá em frente.

Atualmente, aguarda-se para descobrir quais as posições dos restantes clubes da Premier League acerca do assunto, sendo necessários 14 votos a favor para que a proposta seja aprovada. É espectado que os restantes clubes que não serão incluídos nos que ganhariam o tal estatuto privilegiado nas decisões respeitantes à Premier League votem contra a mesma. Isto porque os nove clubes acima referidos, dentro do panorama da Big Picture e segundo a legislação da EFL, passariam a poder aprovar e vetar decisões relativas a negócios de direitos televisivos e mudanças com vista a controlo de despesas, assim como a implementar mudanças na distribuição dos direitos de transmissão dos jogos, sem direito a participação dos restantes clubes da Premier League, ao contrário do que acontece de momento.

Fonte da imagem de capa: Twitter @kwesikyeregh

Alexandre Dionisio

Desde pequeno fui levado ao mundo do futebol, inicialmente enquanto júnior no Ginásio Clube de Alcobaça, clube da minha cidade, e agora mais velho enquanto espetador assíduo do mágico desporto que tanto nos emociona. Com uma licenciatura em Ciências da Comunicação na bagagem e um mestrado em Jornalismo em curso, acompanho cada jogo com a máxima emoção. Que isso nunca mude.