Sporting CP e FC Porto empatam com golo ao cair do pano

Leões e dragões empataram a duas bolas com golos de Nuno Santos, Uribe, Corona e Vietto num clássico bem disputado, com polémica e emoção até ao último minuto.

O clássico do futebol português entre Sporting CP e FC Porto, a contar para a quarta jornada do Campeonato, teve o seu pontapé de saída, em Alvalade, às 20:30 deste sábado. Até agora, os leões somavam duas vitórias em dois jogos na Primeira Liga, (a partida inaugural frente ao Gil Vicente foi adiada) enquanto que os dragões vinham de uma derrota no terreno do Marítimo depois de terem vencido os dois primeiros encontros.

No onze inicial, Rúben Amorim lançou Adán entre os postes, Feddal, Coates e Luís Neto no trio de centrais, Nuno Mendes e Porro nas alas, Palhinha, Matheus Nunes e Pedro Gonçalves no meio campo e Jovane e Nuno Santos no setor ofensivo.

Por sua vez, Sérgio Conceição apostou em Marchesín na baliza, Zaidu, Pepe, Mbemba e Manafá na linha defensiva, Uribe, Sérgio Oliveira e Otávio no bloco intermédio, Luis Díaz e Corona nos flancos e Marega no centro do ataque.

A partida começou a todo o gás, com boas oportunidades para os dois conjuntos. Escassos segundos após o apito inicial, Sérgio Oliveira obrigou Adán a boa defesa com um livre lateral traiçoeiro. A resposta da equipa da casa surgiu aos oito minutos, quando Matheus Nunes apareceu isolado na área e viu o seu golo ser negado por uma grande intervenção de Marchesín.

No minuto seguinte, os verdes e brancos adiantaram-se no marcador. Porro efetuou um cruzamento para a área e Mbemba aliviou para o segundo poste, onde, de rompante, Nuno Santos enviou um autêntico míssil para o fundo da baliza.

Todavia, os visitantes reagiram bem à desvantagem e, depois de Uribe (cabeceamento para fora aos 13 minutos) e Luis Díaz (iniciativa individual defendida por Adán no minuto 22) terem deixado avisos ligeiros, chegaram mesmo à igualdade à passagem do minuto 26. Em resposta a cruzamento antecipado de Zaidu para o coração da área, o médio colombiano dos dragões finalizou de pé esquerdo e fez as redes abanar.

A partida continuou recheada de ação nas duas balizas: Luis Díaz voltou a fazer um grande lance individual, no entanto, a sua tentativa saiu fraca (33); Pedro Gonçalves apareceu em excelente posição, mas Zaidu e Marchesín impediram que este rematasse (38); o antigo jogador do Famalicão disparou cruzado na área, porém, viu o guardião argentino desviar a bola pela linha final (44).

No canto que se seguiu a este lance, o resultado voltou a alterar-se… a favor dos nortenhos. Luis Díaz conduziu o contra-ataque de uma área até à outra, Corona aproveitou as sobras do esforço do seu companheiro, tirou Feddal do caminho e, com um remate picado cheio de classe, deu a volta ao marcador.

Os instantes finais da primeira parte foram repletos de polémica. Inicialmente, Luís Godinho assinalou penalti e expulsou Zaidu devido a alegada falta sob Pedro Gonçalves. Contudo, após analisar o lance de novo no ecrã do VAR, anulou o castigo máximo e o cartão vermelho, acabando por expulsar Rúben Amorim devido a protestos.

Assim, assistiu-se a um belo espetáculo de futebol na primeira parte, com intensidade, emoção, oportunidades, golos e equilíbrio entre as duas equipas. Infelizmente, o segundo tempo foi praticamente o contrário da primeira metade.

Apesar de a partida se ter mantido bem disputada, com os dois conjuntos em busca do golo, o jogo esteve muito bloqueado e houve pouca aproximação às balizas. A primeira ocasião digna de registo surgiu apenas no minuto 75, através de uma bola disparada por Porro a passar muito perto do poste.

Depois da ameaça, veio mesmo o golo do empate no 87º minuto. Pedro Gonçalves cruzou rasteiro, Sporar (substituiu Porro) desviou de calcanhar ao primeiro poste para defesa incompleta de Marchesín e, na recarga, Vietto (entrou para o lugar de Jovane) atirou a contar.

Até ao final da partida, ainda se poderia ter assistido a mais um tento. O recém entrado Taremi (rendeu Otávio) rematou à entrada da área e o couro saiu a rasar o poste.

Em suma, acabou por ser um bom clássico e o resultado é justo tendo em conta o equilíbrio e o número de chances criadas por cada conjunto. Com este resultado, o Sporting perde os primeiros dois pontos na Liga e o Porto soma agora cinco pontos desperdiçados.

 

Fonte da Imagem: Twitter @FCPorto

Simão Vitorino

Nasci e cresci em Vila Franca de Xira e estou atualmente a tirar uma licenciatura em Ciências da Comunicação na faculdade NOVA FCSH com o objetivo de me tornar jornalista desportivo no futuro, profissão que une duas grandes paixões minhas - o futebol e a escrita.