Benfica sai dos Arcos com uma vitória confortável por três a zero

O Rio Ave recebeu o Benfica nos Arcos, num encontro a contar para a quarta jornada da Liga NOS. O encontro terminou com uma vitória encarnada por três bolas a zero, com Waldschmidt a bisar e Gabriel a selar o tento final do triunfo do clube da Luz.

Os vilacondenses foram a jogo com Kieszek dentro dos postes, Ivo Pinto, Borevkovic, Aderlan Santos e Nélson Monte no quarteto defensivo, Tarantini e Filipe Augusto a fazer dupla no meio campo defensivo, com Carlos Mané, Lucas Piazon e Francisco Geraldes à sua frente, ficando Bruno Moreira encarregue da posição nove.

Do lado benfiquista, Jorge Jesus alinhou um onze com Vlachodimos na baliza e Vertonghen junto de Otamendi como dupla de centrais, com ainda André Almeida e Grimaldo nas alas. Gabriel e Pizzi formaram a dupla de médios encarregue do meio campo, com Everton e Rafa Silva a desempenhar as posições de extremos. Darwin Núñez e Luka Waldschmidt foram a dupla de ataque escolhida.

O Benfica entrou pressionante e com vontade de comandar a partida, algo que aconteceu bem cedo, aos seis minutos de jogo, altura em que um passe mal medido de Aderllan levou a um cruzamento rápido de Rafa Silva na direção de Darwin, que direcionou a bola para os pés de Everton. O brasileiro, com um toque de grande classe, enganou Kieszek e colocou a bola nos pés de Waldschmidt, que chutou com toda a potência para uma baliza desprotegida e inaugurou o marcador para as águias.

Um pouco antes do quarto de hora de jogo, André Almeida saiu lesionado após uma disputa de bola com Carlos Mané, obrigando Jesus a colocar Gilberto para o seu lugar. O Rio Ave continuava a sofrer dificuldades perante a pressão encarnada e aos 20 minutos, Aderllan Santos voltou a facilitar, perdendo a bola para Waldschmidt, que entregou o esférico a Darwin que colocou a bola dentro das redes dos homens da casa. O lance, no entanto, foi anulado pelo VAR devido a posição irregular do internacional uruguaio. Rafa também ameaçou a baliza adversária aos 25 minutos com um remate à entrada da área, mas ao qual Kiezsek estava atento e defendeu para fora.

Na passagem da meia hora de jogo, mais um lance de golo anulado para a turma de Jesus. A pressão alta nos centrais deu frutos de novo, com Darwin a ganhar mais uma disputa com Aderllan Santos, que não estava a ter uma partida nada agradável frente aos encarnados. O uruguaio ainda lançou Waldschmidt para mais um lance que terminaria com a bola dentro das redes de Kieszek, mas que foi mais uma vez anulado por fora de jogo pelo VAR. O Rio Ave apresentava muitas dificuldades na construção a partir dos centrais, com o Benfica sempre na procura incessante de recuperar a bola.

Mário Silva mostrava sinais de preocupação no banco do Rio Ave perante o desconforto da sua equipa e com razão. Mesmo antes do apito para o intervalo, Pizzi lançou uma bola longa na direção de Darwin, que ganhou em físico a Ivo Pinto e, com três jogadores encarnados em posição regular, serviu Waldschmidt que não desperdiçou e completou o seu quarto golo na liga ao serviço do clube da Luz, desta vez em posição regular.

Após o arranque da segunda parte, o jogo passou por um período de ritmo mais baixo, com ambos os setores defensivos a controlar as ténues investidas atacantes de cada equipa. Um livre batido por Grimaldo que foi direto à figura de Kieszek foi a ocasião de maior destaque até à marca da hora de jogo. Mário Silva procurou refrescar as dinâmicas da sua equipa, promovendo três substituições de uma só assentada. Geraldes, Bruno Moreira e Tarantini saíram, dando lugar a Ronan, Pelé e Gelson Dala.

Ivo Pinto foi protagonista aos 63 minutos, ao fazer um corte decisivo que impediu Everton de ampliar a vantagem benfiquista, no seguimento de uma transição rápida que se iniciou ainda nas mãos de Vlachodimos. Após o lance, o extremo brasileiro foi substituído, dando lugar a Julian Weigl, passando Waldschmidt para a faixa lateral. Ao minuto 68´, Darwin é derrubado na grande área vilacondense por Aderllan mas é assinalado um fora de jogo anterior ao lance, não sendo marcada a grande penalidade.

O Benfica continuava a gerir a partida a seu belo prazer, com a ofensiva do Rio Ave, mesmo após as alterações promovidas pelo técnico, a ser ineficaz em incomodar o guardião encarnado. Mário Silva pôs todas as fichas no assador aos 75 minutos, ao esgotar as substituições, tirando Mané e Piazon e levando Gabrielzinho e Diego Lopes a jogo. Dois minutos depois, Gelson Dala ainda assustou as águias, ao aparecer isolado no flanco esquerdo do ataque após um passe de Ronan e rematar à baliza, mas Gilberto apareceu mesmo no momento certo para desviar o remate do angolano para fora.

Aos 80 minutos, Grimaldo saiu para dar lugar a Nuno Tavares e Darwin deu o lugar a Seferovic após mais uma partida em que, apesar de ter efetuado uma exibição bem conseguida com mais uma assistência a registar, voltou a não conseguir estrear-se a marcar com a camisola dos encarnados. Três minutos depois, Pizzi cruzou para a pequena área, com Seferovic a dar de cabeça para os pés de Gabriel, que pôs a bola dentro das redes de Vila do Conde. Estava feito o terceiro golo do Benfica, com o médio a marcar o seu primeiro tento desta época com a camisola encarnada.

Até ao final não houve mais ocasiões de perigo, com o Benfica a somar um triunfo confortável por três bolas. Com este resultado, a turma de Jorge Jesus mantém-se na liderança da Liga NOS, com 12 pontos somados, mais cinco que Porto, Sporting (tem um jogo a menos) e Santa Clara. O Rio Ave, por sua vez, ocupa o 15º lugar da tabela classificativa, com apenas três pontos acumulados. O próximo encontro das águias será na próxima quinta-feira, com os encarnados a viajarem à Polónia para enfrentar o Lech Poznan na jornada inaugural da fase de grupos da Liga Europa.

Fonte da imagem de capa: Twitter @DTransferencias

Alexandre Dionisio

Desde pequeno fui levado ao mundo do futebol, inicialmente enquanto júnior no Ginásio Clube de Alcobaça, clube da minha cidade, e agora mais velho enquanto espetador assíduo do mágico desporto que tanto nos emociona. Com uma licenciatura em Ciências da Comunicação na bagagem e um mestrado em Jornalismo em curso, acompanho cada jogo com a máxima emoção. Que isso nunca mude.