“Quem te viu e quem te vê…”: Jeffrén Suarez

Na rubrica “Quem te viu e quem te vê…” desta semana iremos recordar um jogador que chegou a Alvalade com grandes espectativas, mas que acabou por não vingar. Falamos de Jeffrén Suarez. Lembra-se do espanhol? 

Nasceu na Venezuela, mas é naturalizado espanhol e foi no nosso país vizinho que começou a dar os primeiros toques na bola e a destacar-se desde cedo. Em 2003/2004 jogava no Tenerife , mas o Barcelona foi rápido a descobrir o jogador e o potencial que tinha. No ano seguinte, Jeffrén representava as cores do Barcelona. Desde daí fez o resto da sua formação no clube da Catalunha.

É importante destacar que, ao longo deste anos, Jeffrén foi representando a seleção de Espanha e venceu inclusive o campeonato da europa sub-19 em 2006, e o europeu sub-21, em 2009, quando já representava a equipa A do Barcelona.

Foi em 2006 que se estreou pela equipa principal, mas o jovem não fazia parte das contas da comitiva e apenas jogava na equipa B. Até que em 2009/2010 começou a jogar e mostrava a sua qualidade. Era um jogador de rotação, mas quando era preciso estava pronto para o que viesse. Um ano se passou e a história continuou. O extremo não passava de um jogador de rotação. Contudo, fez nessas duas temporadas 30 jogos e três golos pelo Barcelona, inclusive marcou no histórico 5-0 frente ao Real Madrid.

Até que o Sporting CP anunciou a contratação de Jeffrén Suarez, e toda a gente tinha grandes expectativas porque não era só um bom jogador, mas vinha de um clube grande como o Barcelona. Segundo o site especialista em valores de mercado Transfermarkt, Jeffrén era avaliado num valor de cinco milhões de euros. Contudo, os cofres dos leões desembolsaram 3.75 milhões para trazer o jogador, na altura de 24 anos, para Alvalade, com uma cláusula de 30 milhões de euros. Tinha tudo para vingar, mas não passou de um flop. Com grandes expectativas em cima do extremo, Jeffrén não acrescentou muita qualidade ao jogo do Sporting, apesar do talento estar lá. Ainda era novo, e vinha de um clube grande, por isso tinha quase a “obrigação” de, pelo menos nos próximos anos, se afirmar no Sporting. Contudo as lesões e as poucas contribuições aos leões mostraram o contrário. A sua viagem na turma verde e branca foi muito curta e apenas durou duas temporadas. No total fez 39 jogos e apontou cinco golos.

Na temporada de 2013/2014 voltou a Espanha, mas para representar o Valladolid. Passou de um grande potencial para um jogador que foi transferido a custo zero. É verdade, Jeffrén saiu de Alvalade a custo zero. Nessa temporada apenas fez 11 jogos na equipa espanhola. Contudo, no ano seguinte cresceu e apontou três golos em 31 jogos. Aqui esperava-se que o espanhol desse um salto na carreira, mas a escolha de Jeffrén foi rumar a equipa da segunda divisão belga.

Foi para a Bélgica para representar o Eupen, num negócio de novo a custo zero. Com grande experiência noutros campeonatos, Jeffrén acabou por apontar cinco golos em 47 jogos, em duas temporadas. Estamos agora em 2017/2018 e o Grasshopper, da Suíça, anuncia a contratação do extremo. Jeffrén, na alutra com 30 anos, apontou cinco golos em 31 jogos. Na temporada seguinte apenas fez metade da temporada na Suíça, e no mercado de inverno transferiu-se para o AEK Larnaca do Chipre onde apenas fez 11 jogos.

Hoje com 32 anos o ex-internacional das camadas jovens de Espanha representa o Slaven, da primeira divisão da Croácia. O clube contratou-o na temporada passada também a custo zero, até porque depois da temporada no Chipre, Jeffrén ficou sem clube.

E a carreira de Jeffrén resume-se a isto. Um jogador com grande potencial que acabou por não vingar enquanto tinha idade para isso. Agora com 32 anos já é tarde para que o espanhol tente voltar a ter um novo rumo na carreira.

Fonte das imagens: fairplay.pt, pt.uefa.com, maisfutebol.iol.pt

João Marques

Nasci nos Açores, mais propriamente na Ilha Terceira. Actualmente estou a estudar Ciências da Comunicação na NOVA FCSH. O desporto nasceu comigo e a paixão pelas letras já vem desde tenra idade.