Opinião: Mais quatro anos de Vieira, para preparar Rui Costa

As eleições do Benfica realizadas no dia 28 de outubro, voltaram a eleger Luís Filipe Vieira por mais quatro anos na presidência do clube encarnado.

Na corrida com o recém reeleito presidente, estavam João Noronha Lopes e ainda Rui Lopes da Silva, que tentavam tirar o trono a Vieira, no qual ele já se senta há seis mandatos. Destas eleições podemos retirar várias conclusões, com as mais variadas opiniões, mas ponto assente é que o Benfica acordou.

E acordou como? Acordou porque mais que nunca houve uma afluência enorme nas votações. Nunca tantos sócios tinham votado, 38.102 votantes exerceram o seu direito ao voto, o anterior “record” de adesão às urnas era de 22.676, relativo a 2012.

O Benfica acordou e mexeu, pois a concorrência era dura para Vieira, sobretudo no que toca a Noronha Lopes, viu-se aqui, que há quem manifeste vontade de mudar e que as ideias apresentadas eram boas e existe vontade de levar o nome do clube ainda mais longe. Por outro lado vê-mos que há também um grande agradecimento e voto de confiança naquele que salvou o clube.

Vieira viu nestas eleições que os sócios também têm voz e que a sua vitória nestas eleições foi a mais curta de todos os atos eleitorais, o eleito acabou com 62,59% , Noronha Lopes com 34,71% e Rui Gomes da Silva terminou com  1,64%.

Contudo, Vieira tem mais quatro anos para preparar e por em prática o “sonho europeu” de que tanto tem falado, isto se não fugir dele como fugiu dos debates. Outra possibilidade é preparar outro projeto, desta vez mais coeso e esperemos que se dedique inteiramente a ele, tornar Rui Costa um aluno e fazer dele o próximo presidente do Benfica. Não me parece de todo descabido, pensem que com velocidade a que o Rui Costa fuma cigarros, depressa se voltava a fumar no Estádio da Luz.

 

 

Fonte da imagem: Twitter Luis Filipe Vieira 2020

Emanuel Brasil

Nasci na cidade mais alta de Portugal e foi aqui que comecei a dar os primeiros toques no mundo da bola e a acompanhar os mesmos com a escrita que dá brilho ao jogo fora das quatro linhas. Com a bola de um lado e a caneta do outro, acabei por me licenciar em Ciências da Comunicação na UBI e onde tiro agora, o mestrado em jornalismo.