Lembra-se de: Anderson Polga, o primeiro campeão do mundo em Portugal

Na rubrica “Lembra-se de” desta semana iremos recordar o primeiro jogador que depois de se consagrar campeão do mundo foi jogar para Portugal, Anderson Polga. Lembra-se do defesa central brasileiro?

Nasceu no dia nove de fevereiro de 1979, em Santiago no Brasil. A vida de Polga não era a melhor, e o sucesso que vinha pela frente não era de todo espectável. Anderson Polga aos setes anos trabalhava como ajudante de limpezas na empresa do seu tio. Mal se sabia que aquele menino viria a tornar-se campeão do mundo de futebol.

Começou a jogar a médio defensivo e aos 17 anos começou a dar nas vistas no Cruzeiro. Nessa altura foi o melhor marcador da Copa Santiago juntamente com outro jogador que todos nós conhecemos, Ronaldinho. No entanto, mudou-se para o Grêmio e chegada de Tite como treinador foi muito importante, porque foi com Tite que Anderson Polga começou a jogar a defesa central. Em 1999 começou a sua carreira na equipa principal com 20 anos, onde fez 10 jogos.

Seguiram-se quatro anos de espetáculo. Polga mostrou ser um dos melhores defesa centrais do brasil. Na temporada de 2001 fez 64 jogos pelo Grêmio, mostrando grande disponibilidade ao longo da temporada, e apontou 6 golos. O jogador brasileiro estava numa grande forma que acabou por ser convocado para o mundial de 2002. Depois de alguns amigáveis, Scolari depositou confiança e levou mesmo Polga ao mundial. Apesar de apenas ter feito dois jogos pela seleção canarinha no Mundial, a verdade é que Anderson Polga faz parte da equipa campeã do mundo de 2002. Contudo, o internacional apenas jogou pela seleção do Brasil entre 2002 e 2003. Depois disso nunca mais voltou a representar o seu país.

Pouco tempo depois de se tornar campeão do mundo, o central assinou pelo Sporting CP. Foram 171 jogos ao serviço do Grêmio. Ao longo das cinco temporadas ao serviço do clube brasileiro apontou 11 golos. Acabou por rumar a Portugal onde seguiram-se nove anos de leão ao peito.

Anderson Polga chegou a Alvalade com grande responsabilidade e com grandes expectativas, visto que era campeão mundial. Destacou-se pela sua disponibilidade e tranquilidade na linha defensiva. Anderson Polga era muito certo e cometia muitas poucas faltas. Na sua temporada de estreia na turma verde e branca, assumiu a titularidade e fez logo 35 jogos. Nas temporadas que seguiram fez 307 jogos de leão ao peito. Sem dúvida um número incrível. Contudo, ao longo desses nove anos apenas apontou quatro golos. De leão ao peito conquistou duas Taças de Portugal e duas Supertaças. Por outro lado, o momento mais negativo em Alvalade foi sem dúvida a Taça UEFA perdida para o CSKA, onde o internacional brasileiro ficou no banco de José Peseiro durante o jogo todo.

Em 2012, já com 33 anos, acabou por voltar ao Brasil e reencontrou-se com Tite no Corinthians. Apesar de apenas ter feito três jogos, consagrou-se também campeão do mundo de clubes. Passado um ano, ainda tentou negociar o seu retorno ao Grêmio, mas como não foi possível Anderson Polga preferiu pendurar as botas e encerrar a sua carreira.

Fonte das imagens: leonino.pt, uefa.com, torcedores.com

João Marques

Nasci nos Açores, mais propriamente na Ilha Terceira. Actualmente estou a estudar Ciências da Comunicação na NOVA FCSH. O desporto nasceu comigo e a paixão pelas letras já vem desde tenra idade.