Lembra-se de: Robbie Keane, o orgulho da Irlanda?

No “Lembra-se de” desta semana, relembramos Robbie Keane, o ex-avançado do Tottenham que apesar de ter passado quase uma década no clube londrino, apenas conseguiu a vitória do seu primeiro campeonato quando mudou de continente, ao serviço do LA Galaxy. Com as cores da Irlanda, foi capitão durante vários anos e é, até aos dias de hoje, o máximo goleador da nação verde e branca.

Corria o ano de 1980 quando nasceu em Dublin aquele que viria a ser um dos jogadores mais conceituados do país. Robert David Keane começou o seu percurso futebolístico no Wolverhampton, clube pelo qual estreou-se como sénior na época 1997/98 com apenas 17 anos e pelo qual até bisou na sua primeira partida profissional de sempre. Os “lobos” eram, na altura, uma equipa que militava no segundo escalão do futebol inglês e tiveram uma época agridoce, terminando no oitavo posto da classificação, fora dos lugares que dão acesso aos playoffs e, por outro lado, fazendo uma notável prestação na FA Cup que culminou na chegada às meias-finais da competição. Keane impôs-se de imediato no Wolves apesar da sua tenra idade, participando em 47 partidas e apontando 11 golos.

Fonte da imagem: wolves.co.uk

O irlandês prosseguiu durante mais duas épocas no clube, tendo voltado a ser opção regular nas escolhas do seu técnico em 1998, ano em que foi, inclusive, o melhor marcador da sua equipa. Ainda teve uma passagem frutífera pelo Coventry City (34 jogos, 12 golos) antes de assinar por um gigante europeu, o Inter de Milão, em 2000. Partilhou balneário com nomes como Seedorf, Pirlo, Recoba e um tal de Ronaldo, mas a concorrência era demasiado forte para Keane, que apenas acumulou 16 partidas e quatro golos na sua passagem pelo clube nerazzurri. No ano seguinte voltou a Inglaterra, tendo sido emprestado ao Leeds United que, em 2001, era um gigante do futebol inglês que participava na Champions League. Em 20 jogos marcou nove golos, um registo que foi suficiente para convencer o clube de Elland Road a adquirir o seu passe. No entanto, a época seguinte também viu o irlandês ficar aquém das expetativas num clube com grandes aspirações, o que resultou numa nova mudança para Keane (na altura tinha apenas 22 anos), desta vez para o Tottenham Hotspur.

O ano de 2002 foi mesmo o primeiro dos muitos anos que Robbie Keane passaria no clube londrino. O jovem já contava com muitas mudanças para uma altura tão precoce da sua carreira e foi em White Hart Lane que encontrou a estabilidade necessária para progredir enquanto jogador. Na sua primeira temporada apontou 13 golos em 32 jogos, um registo que haveria, aos poucos, de ser melhorado ano após ano. Os spurs não eram na altura um emblema que ambicionava qualificações para as competições europeias e até por lutas pela Premier League, mas sim um clube que acabava regularmente em posições de meia tabela (em 2002 terminaram em décimo na Premier League). O irlandês permaneceu até 2007 no Tottenham, ajudando o emblema a atingir o quinto lugar no campeonato inglês em duas temporadas consecutivas (2005/06 e 2006/07). Em 2007/08, a última época da sua primeira passagem pelo clube londrino, Keane apontou o seu melhor registo individual de sempre, registando 23 golos em 54 jogos ao serviço dos spurs e conquistando a Taça da Liga desse ano.

Fonte da imagem: fourfourtwo.com

Robbie Keane decidiu mudar de ares no verão de 2008, transferindo-se para o Liverpool, mas aventura não lhe correu bem. Após apenas sete tentos em 28 jogos, voltou “a casa”, retornando ao Tottenham ao fim de seis meses, tendo sido nomeado um dos capitães do clube. No entanto, as suas prestações não estavam a ser as mesmas da primeira passagem por Londres, tendo sido decidido em janeiro de 2010 que o irlandês deveria ser emprestado ao Celtic de forma a tentar recuperar a forma que já tinha demonstrado ao serviço do clube. Decisão essa que beneficiou e de que forma o avançado de 29 anos, que apontou 16 golos em 19 jogos, um registo de grande qualidade mas que foi insuficiente para ajudar o clube a ganhar o campeonato escocês, que acabou por terminar nas mãos do Rangers, com seis pontos de diferença.

No ano seguinte fez meia época no Tottenham e foi emprestado de novo, desta vez para o West Ham. A passagem do irlandês pelos hammers foi desanimadora para o jogador que apenas marcou presença em dez encontros e apontou dois golos. De volta ao clube londrino no verão de 2011, Robbie Keane (na altura com 30 anos) ainda não tinha conseguido arrecadar a conquista de qualquer campeonato, ambição que o terá motivado a despedir-se de vez dos spurs, após nove épocas, 238 jogos e 91 golos, números de um legado que estará certamente na memória dos adeptos do Tottenham.

Fonte da imagem: theguardian.com

Seguiu-se uma mudança de continente para o experiente avançado. O LA Galaxy acolheu o jogador e, tirando a sua primeira época em que foi emprestado ao Aston Villa, contou sempre com este para ser a maior ameaça do seu ataque, confiança que o irlandês retribuiu com o fantástico registo de 83 golos em 125 partidas disputadas no total de seis épocas que esteve no clube norte-americano. Pelo caminho, ainda arrecadou finalmente a conquista de um campeonato, a MLS, tendo sido campeão em 2011, 2012 e 2014 com o emblema de Los Angeles. O último campeonato que experimentou foi o indiano, na época 2017/18, com 37 anos antes de ter decidido pendurar as botas.

Ao serviço da seleção irlandesa, Robbie Keane teve oportunidade de marcar presença em três torneios internacionais, o Mundial de  2002 e os Europeus de 2012 e 2016. Em 2002, foi a grande estrela da sua nação no Campeonato do Mundo que teve lugar na Coreia e no Japão, isto porque marcou três golos em quatro aparições, numa memorável prestação irlandesa na fase de grupos (ficaram em segundo lugar no seu grupo, com cinco pontos, atrás da Alemanha e à frente dos Camarões e da Arábia Saudita). Um desses golos foi particularmente decisivo, com Keane a ter convertido com sucesso uma grande penalidade ao minuto noventa no encontro dos oitavos de final frente à Espanha. O tento de Keane originou um empate a uma bola que se manteria até à altura das grandes penalidades, momento em que a seleção irlandesa falharia três penáltis (Keane converteu o seu) e seria eliminada do torneio pela turma espanhola.

Fonte da imagem: thesun.ie

Com a camisola da Irlanda, Robbie Keane apontou um total de 68 golos em 146 jogos disputados, uma marca que lhe confere os títulos, até aos dias de hoje, de jogador com mais jogos feitos e com mais golos marcados de sempre pelos “Boys in Green”. Atualmente retirado e com 40 anos, o avançado é considerado por muitos como o segundo melhor jogador que a Irlanda já produziu, apenas atrás do imortal Roy Keane (sem parentesco). Ao nível clubístico, foi um avançado que marcou os primeiros anos da década de 2000 no Tottenham e que estará ainda bem presente na memória dos seus adeptos. Ao serviço da Irlanda, foi capitão durante vários anos e fez parte da chamada “geração de ouro” que a Irlanda tinha ao seu dispôr no final dos anos noventa/início dos anos 2000 ( o Mundial 2002 foi um grande exemplo disso). A grande cara da seleção verde e branca durante mais de uma de uma década, é esta a história de Robbie Keane.

Fonte da imagem de capa: irishtimes.com

Alexandre Dionisio

Desde pequeno fui levado ao mundo do futebol, inicialmente enquanto júnior no Ginásio Clube de Alcobaça, clube da minha cidade, e agora mais velho enquanto espetador assíduo do mágico desporto que tanto nos emociona. Com uma licenciatura em Ciências da Comunicação na bagagem e um mestrado em Jornalismo em curso, acompanho cada jogo com a máxima emoção. Que isso nunca mude.