Dragão tranquilo e confiante vence e convence na Grécia

A deslocação à Grécia findou a participação na fase de grupos dos dragões. Já com a passagem assegurada para os oitavos de final da prova milionária, os portistas venceram confortavelmente o Olympiacos por duas bolas a zero.

De início, Sérgio Conceição utilizou Diogo Costa na baliza, uma defesa a quatro composta por Nanu, Diogo Leite, Mbemba e Nanu, no miolo, Grujic, Romário Baró e Otávio e, na frente de ataque, o trio Toni Martinez, Felipe Anderson e João Mário.

Pela equipa da casa, o português Pedro Martins alinhou com José Sá, Rafinha, Rúben Semedo, Cissé e Holebas, meio campo a três com M’Vila, Bouchalakis e Camara e, encarregues por abanar as redes do dragão, Vrousai, Masouras e El-Arabi.

Bem cedo na partida, foi assinalada uma grande penalidade a favor da equipa de Sérgio Conceição. Canto cobrado e Mbemba desvia de cabeça contra o braço do adversário e, após consultar o VAR, o árbitro Felix Brych apontou para a marca dos 11 metros, onde Otávio, capitão dos dragões nesta noite, fez o 1-o e adiantou o Porto no marcador.

Durante todo o resto da primeira parte o Porto continuou irrequieto, confiante e atento, sem dar espaço aos gregos e, apesar de não criar perigo constantemente, os azuis e brancos conseguiram controlar tranquilamente o jogo, mesmo com várias alterações no onze.

Após o intervalo, o Olympiacos aparecia melhor, mais subido no terreno, com mais bola e com um par de ocasiões que estiveram perto de causar calafrios à defesa portista. No entanto, quem não marca sofre e foi o que acabou por acontecer; após um canto dos gregos, Diogo Costa bateu um pontapé de baliza longo para o recém entrado Luis Díaz, que, após uma brilhante jogada individual, cruzou para a área e, apesar de lá a bola não encontrar destinatário, sobrou para a entrada da área, onde estava Uribe, que fuzilou as redes gregas e ampliou o resultado para 2-0.

Pouco tempo depois, Rúben Semedo entrou fora de tempo sobre Luis Díaz e viu o segundo cartão amarelo e o consequente vermelho. Com o adversário reduzido a 10, Sérgio Conceição fechou a loja e meteu mais um defesa, passando assim a alinhar com uma defesa a 5 e pondo um ponto final na história deste jogo.

A equipa azul e branca mostrou-se bastante confortável e confiante e foi à Grécia apresentar um bom futebol, apesar das mudanças no onze inicial. Apenas um destaque para o impressionante recorde defensivo dos dragões, em seis partidas desta fase de grupos, os comandados de Sérgio Conceição apenas sofreram golos num jogo. Segundo lugar, 13 pontos e uma fase de grupos extremamente bem conseguida pelo Futebol Clube do Porto, que serão, certamente, um osso duro de roer para a equipa que o sorteio ditar na fase a eliminar.

Fonte das imagens: Twitter do Futebol Clube do Porto e da UEFA Champions League.

Alexandre Ribeiro

Nascido e criado na ilha Terceira, nascido e criado para o futebol. Desde cedo aprendi, vivi e vibrei com o desporto rei. A licenciar-me em Ciências da Comunicação na FCSH da Universidade Nova de Lisboa. Com o futebol e a escrita espero proporcionar um espectáculo fora das 4 linhas para todos aqueles que partilhem o gosto pela bola e pelos seus artistas.