Jovem Promessa: Jens Petter Hauge, mais um diamante bruto da Escandinávia

A Noruega está a assistir ao surgimento de uma “geração de ouro”, dispondo de um ataque que é, sem margem para dúvidas, um dos mais promissores entre todas as nações mundiais. No “Jovem Promessa” desta semana, as atenções estão postas em Hauge, um jovem extremo que convenceu o AC Milan a avançar para a sua contratação com uma exibição de encher o olho frente aos seus próprios homens.

Jens Petter Hauge nasceu em 17 de outubro de 1999 na cidade de Bodø, na Noruega. Deu os seus primeiros passos no futebol na academia do clube da sua cidade, o FK Bodø/Glimt, emblema pelo qual assinou o seu primeiro contrato profissional com apenas 16 anos de idade. A sua estreia no clube nem nos seus sonhos poderia ter corrido melhor, uma vez que após ter entrado na segunda parte num encontro do seu clube a contar para a Taça da Noruega e com menos de meia-hora de jogo pela frente, Hauge apontou um hat-trick diante do IF Fløya, num jogo que terminou com uma categórica goleada da sua equipa por seis a zero. O seu primeiro jogo de sempre no campeonato norueguês veio logo de seguida e, por outro lado, já não correu de feição num ponto de vista coletivo, isto porque o Bodø/Glimt foi derrotado pelo Strømsgodset por dois a zero.

Fonte da imagem: https://alchetron.com/Jens-Petter-Hauge

A primeira época profissional terá sido mesmo um período agridoce para o adolescente. Se por um lado, Jens participou em 20 jogos e inseriu o seu nome nos livros da história do seu clube ao ter-se tornado no mais jovem jogador de sempre a marcar pelo Bodø, por outro, o extremo assistiu à descida de divisão da sua equipa para o segundo escalão em 2016. Na época seguinte, Hauge foi preponderante no reerguer do Bodø/Glimt até à primeira divisão, afirmando-se como um titular indiscutível do conjunto norueguês e contribuindo com dois golos e 13 assistências em 28 jogos. No retorno ao topo do futebol nacional em 2018, Hauge voltou a encontrar adversidades claras na sua afirmação, acumulando apenas 11 aparições e não conseguindo apontar qualquer tento até janeiro. Desta forma, o emblema decidiu retornar o jovem ao segundo escalão até ao final da temporada, emprestando-o ao Aalesund, uma experiência que também não será de boa memória para o jogador, que apenas participou em seis partidas.

Na época 2018/19, chegou finalmente a afirmação de Jens Petter Hauge no Bodø/Glimt. O extremo participou em 28 jogos, marcou sete golos e apontou duas assistências pelo seu clube, que protagonizou uma excelente campanha no campeonato, terminando no segundo posto, a 14 pontos de distância do campeão Molde. A temporada de 2020 conseguiu apesar de tudo ser ainda melhor, podendo mesmo ser descrita como uma época de sonho para tanto Hauge como para o emblema da sua terra. Em pouco mais de 20 jogos, Hauge marcou 19 golos e apontou nove assistências pelo Bodø/Glimt, que acabaria por se sagrar vencedor do campeonato pela nona vez da sua história. Se estes números por si só já seriam mais do que suficientes para resultar num salto para um patamar superior, o jovem faria ainda questão de, com uma mera exibição, pôr o seu nome no topo das prioridades de um certo gigante europeu.

Fonte da imagem: nettavisen.no

O destino ditou que o Bodø/Glimt encontrasse o AC Milan como adversário na segunda pré-eliminatória de acesso à fase de grupos da Liga Europa e, no dia 24 de setembro de 2020, Jens Petter Hauge colocou o seu nome de forma oficial na lista dos vários olheiros dos gigantes do futebol. Apesar de a sua equipa ter sido eliminada da possibilidade de competir nas competições europeias pelos milaneses, após terem sido derrotados por dois a três em casa, Hauge fez uma exibição de luxo diante dos rossoneri. Primeiro, contribuiu para que o Bodø inaugurasse o marcador na partida, ao ganhar um lance contra Kessiê e cruzar para a finalização de Junker, seu companheiro de equipa. Já depois de os italianos terem apontado três golos, Hauge ainda foi a tempo de trazer uma mão cheia de esperança para a sua turma, armando uma autêntica “bomba” à entrada da área adversária que não deu qualquer tipo de hipóteses de defesa a Donnaruma. Uma exibição monumental que, apesar do desaire da sua equipa, acabaria por resultar numa transferência- relâmpago.

Fonte da imagem: sempremilan.com

Uma semana depois de ter defrontado o conjunto de San Siro, Hauge passou de adversário a companheiro de equipa. O AC Milan terá ficado maravilhado com a qualidade demonstrada pelo extremo diante da sua própria equipa e avançou para a compra do escandinavo, tendo pago uma módica quantia de quatro milhões de euros pelos seus serviços. O necessário salto de exigência para a sua carreira sucedeu e logo para um dos maiores clubes do mundo. Desde a sua chegada à capital transalpina, Hauge já participou em 11 encontros e apontou quatro golos na presente temporada, com a sua estreia a marcar pelo gigante milanês a ter acontecido diante do Celtic na fase de grupos da Liga Europa e, no campeonato, o seu primeiro tento ter chegado frente ao Nápoles, na oitava jornada da Serie A.

A nível de seleções, a história de Hauge não poderia ser mais curta, mas engane-se quem pensa que ficará por aqui. O jovem tem apenas um jogo pela sua nação, se é que isso se poderá chamar, uma vez que esteve em campo apenas cinco minutos no encontro da Noruega frente à Roménia na Liga das Nações. Apesar de curtos, o jovem certamente recordará os meros cinco minutos em campo como sendo ainda menores, tal terá sido a honra de representar a sua pátria numa competição internacional. Tudo aponta para que o seu nome figure, tirando a eventualidade de um azar clínico, nas próximas convocatórias da nação escandinava, que terá certamente o sonho de apuramento para o Mundial 2022 nas suas ambições futuras.

Fonte da imagem: aftenbladet.no

Tudo aponta também para que Jens seja, juntamente com Haaland e Ødegaard, um dos grandes nomes escandinavos a ser falado na próxima década. Hauge, atualmente com 21 anos, apresenta-se como um extremo esquerdo de 1,85m que privilegia o seu pé direito, apesar de também se sentir confortável a jogar com o pé menos dominante. Desfruta de um talento soberbo no drible e na progressão com a bola colada ao pé, fruto da sua elevada habilidade técnica e, apesar da sua altura, é dotado de uma grande rapidez. Atua como extremo, mas também costuma penetrar frequentemente terrenos mais interiores, de onde tenta armar remates à entrada da área ou assistir colegas de equipa que estejam bem posicionados, demonstrando uma visão de jogo bastante evoluída para a sua tenra idade. Não deixa de ser, no entanto, um diamante que necessita ainda de muito polimento, estando num clube e cenário ideal (partilha balneário com uma lenda incontornável do futebol, que ainda por cima também é escandinava, Zlatan Ibrahimović) para se afirmar no gigante da capital italiana. Talento para isso, já o jovem extremo o demonstrou ter.

Fonte da imagem de capa: Twitter @iF2is

Alexandre Dionisio

Desde pequeno fui levado ao mundo do futebol, inicialmente enquanto júnior no Ginásio Clube de Alcobaça, clube da minha cidade, e agora mais velho enquanto espetador assíduo do mágico desporto que tanto nos emociona. Com uma licenciatura em Ciências da Comunicação na bagagem e um mestrado em Jornalismo em curso, acompanho cada jogo com a máxima emoção. Que isso nunca mude.