Benfica apanha susto, mas vence Portimonense e continua na perseguição ao líder

As águias derrotaram os alvinegros por 2-1 com golos de Darwin, Rafa e Gilberto (AG).

Começou esta terça-feira, às 18:00, no Estádio da Luz, a partida entre o SL Benfica e o Portimonense SC, a contar para a 11ª jornada da Primeira Liga. Os encarnados haviam perdido a Supertaça para o Porto na sua última partida e os algarvios vinham de um empate a zeros frente ao Famalicão.

O onze inicial de Jorge Jesus foi Vlachodimos na baliza, Grimaldo, Otamendi, Vertonghen e Gilberto no setor mais recuado, Weigl e Taarabt no miolo, Everton e Rafa nas alas e Waldschmidt e Darwin no ataque.

Por sua vez, Paulo Sérgio escolheu Samuel entre os postes, Anzai, Maurício, Possignolo e Moufi na linha defensiva, Willyan, Dener e Luquinha no meio campo, Fali Candé e Aylton Boa Morte nos flancos e Fabrício a ponta de lança.

Os anfitriões entraram bem na partida e, logo a abrir, Waldschmidt aqueceu as luvas de Samuel com uma tentativa à figura do mesmo.

À passagem do 13º minuto, na primeira real ocasião de perigo, os lisboetas adiantaram-se mesmo no marcador. Taarabt adiantou para Rafa que tabelou com Waldschmidt antes de assistir para Darwin, que só teve de encostar para concluir com sucesso uma bela jogada coletiva.

Cinco minutos depois, o atacante alemão voltou a tentar a sua sorte, mas, apesar de estar em melhor posição, o resultado foi o mesmo, ou seja, Samuel agarrou o esférico.

Logo de seguida, Luquinha fez o primeiro remate dos visitantes, atirando de longe para defesa confortável de Vlachodimos.

Aos 23 minutos, Rafa, Waldschmidt e Darwin voltaram a combinar bem, mas o lance foi cortado. No entanto, o alívio de Fali Candé foi defeituoso e o extremo português aproveitou as sobras na área, tirou um adversário do caminho e fez as redes abanar para o 2-0.

Pouco depois, Taarabt progrediu pelo terreno e, à entrada da área, disparou com força, tendo a bola saído  ligeiramente por cima da trave.

A última chance das águias no primeiro tempo foi protagonizada por Grimaldo, através de um livre direto que só não deu em golo porque Samuel respondeu com uma grande defesa. Na recarga, Gilberto atirou desenquadrado.

A melhor oportunidade do Portimonense na primeira metade também surgiu sob a forma de um livre. A escassos minutos do intervalo, Luquinha tocou para Fabrício, que ajeitou o couro para Possignolo rematar um pouco ao lado.

Assim, assistiu-se a uma bela primeira parte de futebol com diversas ocasiões de perigo, tendo a maior parte destas pertencido aos encarnados que, por isso, mereciam a vantagem no marcador.

No segundo tempo, a intensidade de jogo diminuiu e houve menos aproximações relevantes às balizas. A primeira destas aconteceu no minuto 56, quando, finalizando outro bom lance coletivo, Darwin, de excelente posição, acertou no poste.

A próxima jogada digna de registo só apareceu 15 minutos depois: Anzai cruzou pela esquerda, Moufi ganhou nas alturas e deu para Luquinha, que rematou a rasar o poste.

Já nos últimos dez minutos, na cobrança de um canto, Otamendi foi mais forte que os defesas e cabeceou muito próximo da baliza.

A última tentativa da equipa da casa para matar o jogo teve origem nos pés de Nuno Tavares, (entrou para o lugar de Grimaldo no minuto 79) que, de ângulo apertado, obrigou Samuel a aplicar-se novamente e, na ressaca, acertou muito mal na bola.

No minuto 92, Weigl perdeu a bola à entrada da área e foi punido por este erro. Moufi cruzou pela direita e Beto, (substituiu Fabrício ao intervalo) a meias com Gilberto, cabeceou para o fundo das redes, com o golo a ser atribuído ao lateral brasileiro.

Os lisboetas não souberam acabar definitivamente com o jogo e, por isso, sofreram nos instantes finais. Contudo, a pressão dos algarvios não foi suficiente para chegar ao empate e o Benfica garantiu os três pontos, resultado que se ajusta ao que se viu em campo, já que estes foram quase sempre superiores aos visitantes.

 

Fonte da Imagem: Twitter @ligaportugal

Simão Vitorino

Nasci e cresci em Vila Franca de Xira e estou atualmente a tirar uma licenciatura em Ciências da Comunicação na faculdade NOVA FCSH com o objetivo de me tornar jornalista desportivo no futuro, profissão que une duas grandes paixões minhas - o futebol e a escrita.