Crónica: FC Porto vs SL Benfica – Clássico com equilíbrio, polémica e falta de eficácia

Num jogo fundamental para as aspirações de ambas as equipas no campeonato, acabou por ser o espectador leonino a sair a sorrir do clássico disputado no Estádio do Dragão, fruto do empate entre os dois rivais de longa data.

Os minutos iniciais foram marcados pela entrada mais forte da equipa da casa. Mbemba logo aos 3 minutos falhou o remate na área por duas vezes no seguimento de um livre e quatro minutos depois Uribe rematou de fora da área para defesa de Vlachodimos.

A resposta do Benfica surgiu logo no minuto seguinte por meio Seferovic, procurando desviar para a baliza o cruzamento de Darwin. Aos 15 minutos os “encarnados” acabariam por chegar à vantagem numa jogada de alta qualidade finalizada por Grimaldo na cara de Marchesín.

O Benfica conseguia a espaços controlar a posse de bola mas seriam os “dragões” a empatar oito minutos depois por Taremi, aproveitando a assistência de Corona.

A primeira parte foi sobretudo de golpe e contragolpe. Luis Díaz esteve perto de festejar aos 36 minutos, mas o adversário voltou a crescer e teve duas ocasiões flagrantes de Darwin  para ir para o descanso na frente do marcador, aos 29 e aos 43 minutos.

Equilíbrio no marcador e na estatística que se manteve na segunda parte. Inicialmente houve poucas oportunidades, em comparação com os desentendimentos que se alastravam .

Pizzi e Pepe viram o cartão amarelo no seguimento de uma picardia; o team manager do Porto foi expulso por protestos e Taremi viria a ser expulso após entrada duríssima sobre Otamendi.

Até aí tinha havido um jogo marcado pelo equilíbrio, com oportunidades de parte a parte ( no Benfica, Rafa viu Marchesín evitar o segundo, enquanto que Marega cabeceou para defesa complicada de Vlachodimos ).

Depois da expulsão, e de uma perda incrível de Marega em frente à baliza encarnada, os últimos 15/20 minutos resumiram-se a um Porto a tentar aguentar a pressão das “águias” e um Benfica demasiado incerto no último terço do terreno.

Excluindo o cabeceamento de Vertonghen para defesa do guarda-redes portista e o remate por cima de Everton, a partida terminou acessa mas sem mais oportunidades claras de golo.

Com este resultado, o Sporting mantém a distância de quatro pontos para os dois adversários diretos.

Conceição não se tornou no primeiro técnico a vencer por cinco vezes consecutivas o rival. Já Jorge Jesus, apesar da perda de pontos, pode elogiar uma das melhores exibições da sua equipa recentemente.

Fonte da imagem:  SL Benfica Twitter/@SLBenfica