Vitória sem espinhas frente ao Rio Ave deixa FC Porto à espera do dérbi

O FC Porto recebeu o Rio Ave no Estádio do Dragão, numa partida a contar para a 16ª jornada do campeonato. O jogo terminou com uma vitória portista por dois a zero, com golos de Luis Díaz e Evanilson, num jogo onde o domínio dos homens de Conceição foi uma constante ao longo dos 90 minutos, perante um Rio Ave inofensivo no ataque e que nunca conseguiu pôr o resultado em questão.

Sérgio Conceição levou a jogo um onze com Agustín Marchesín entre os postes; Pepe e Mbemba no centro da defesa; Wilson Manafá e Zaidu nas laterais; Sérgio Oliveira e Uribe no meio campo; Jesús Corona e Luis Díaz como extremos e Moussa Marega e Mehdi Taremi como dupla atacante.

Miguel Cardoso, em estreia na sua segunda passagem pelo Rio Ave, apresentou um onze com Kieszek na baliza; Toni Borevković e Aderlan Santos como dupla de centrais; Ivo Pinto e Fábio Coentrão como laterais; Pelé, Filipe Augusto e Tarantini no meio campo; Gelson Dala e Carlos Mané como extremos e Ronan como ponta de lança.

O FC Porto entrou na partida de uma forma dominante e esteve muito perto de inaugurar o marcador pouco depois do apito inicial. Aos três minutos de jogo, Marega recebeu a bola na ala direita, arrancou em direção à área e serviu Luis Díaz, que em posição favorável a um golo, chutou um remate que passou por cima da barra. Um aviso de uma turma azul e branca que mostrava-se determinada em chegar ao golo o quanto antes. Seis minutos depois, novo aviso. Manafá, em situação de contra-ataque após um canto cobrado pelo Rio Ave, fez um passe longo até ao outro flanco, que encontrou Corona. O mexicano serviu de seguida Marega, que em posição perigosa dentro da área adversária, fez um remate desajustado com a baliza que acabou por sair ao lado do poste direito de Kieszek.

Num início de jogo que se apresentou como muito físico, o conjunto portista estava mais competente no meio-campo e mostrava-se extremamente rápido nas suas transições ofensivas, perante uma turma vilacondense que estava a falhar muitos passes enquanto tentava fazer uso da elevada rapidez dos extremos Mané e Dala, sem sucesso. Esse cenário manteve-se até marca dos 26 minutos de jogo, altura em que Sérgio Oliveira fez um grande passe teleguiado até aos pés de Díaz que recebeu a bola nas costas dos centrais e, isolado frente a Kieszek, fez um remate para o lado direito que foi defendido com grande qualidade pelo guardião polaco.

Fonte da imagem: Twitter @LigaPTinEN

A presença ofensiva dos dragões continuava num ritmo elevadíssimo, apesar de os avançados não estarem a mostrar o melhor faro diante do golo. Já o Rio Ave chegava aos últimos dez minutos da primeira parte completamente inofensivo no capítulo atacante, sem qualquer remate efetuado à baliza de Marchesín. A um minuto da marca dos 45´, um golo para os dragões que apenas se poderá qualificar como justo. Zaidu recebeu um alívio de Ivo Pinto na ala esquerda, cruzou para o coração da área, onde Luis Díaz recebeu de peito, com a bola a ir parar  aos pés de Taremi, que chutou em esforço para defesa incompleta de Kieszek. O colombiano, que tinha acompanhado o iraniano após a receção, ainda foi a tempo de aproveitar o ressalto da defesa para dar um toque que inseriu a bola dentro das redes vilacondeses, inaugurando o marcador para a equipa portista, que bem o merecia após uma primeira parte de exclusivo domínio portista.

Fonte da imagem: Twitter @_Goalpoint

Após o apito para o segundo tempo, a matriz do jogo não se alterou. A equipa de Sérgio Conceição continuava destemida, com presença no meio campo adversário e cheia de vontade de dilatar a vantagem no marcador. O Rio Ave quase esteve perto de sorrir aos 56 minutos, mas não por mérito próprio. Ronan recebeu cruzamento, cabeceou e a bola embateu nos pés de Mbemba, enganando Marchesín e quase entrando na baliza. Por sorte portista, o esférico acabou por sair ao lado do poste direito do guardião da casa. Aos 66´, o técnico portista tirou Marega de campo e levou a jogo Evanilson, de forma a refrescar um ataque que, no que toca apenas ao maliano, foi bastante displicente e pouco entrocado com os restantes companheiros de equipa. A segunda parte mostrava-se muito mais pobre em termos de ocasiões de perigo, embora os poucos lances que sucederam também tivessem pertencido à equipa da casa, à imagem do primeiro tempo.

O recém-entrado brasileiro não demorou muito tempo a ter impacto no jogo. Aos 74´e a partir de um lance de contra-ataque após uma investida sem perigo do Rio Ave, Manafá inicou o lance, deu a bola a Taremi, que irrompeu pelo flanco esquerdo até chegar à grande área e frente-a-frente com Kieszek. O iraniano teve bom olho e tomou a melhor decisão possível, assistindo de forma rasteira Evanilson, que se encontrava no coração da área e em boa posição. O avançado beneficiou da passividade dos centrais adversários e chutou de primeira, marcando o segundo tento dos dragões (e o quarto da sua conta pessoal pelo FC Porto), o que não foi uma ocasião de estranhar tendo em conta todo o rumo da partida.

Fonte da imagem: Twitter @playmaker_PT

A dez minutos do final e com o encontro completamente sob controlo, Conceição promoveu três substituições de uma só assentada, de forma a promover descanso aos jogadores que demonstravam mais cansaço. Saíram então Taremi, Manafá e Corona para a entrada de Fábio Vieira, Nanú e Marko Grujić. Do lado do Rio Ave, Miguel Cardoso bem tentou mudar a postura da sua equipa (tirando um desinspiradíssimo Carlos Mané ao intervalo e levando a jogo nomes como Francisco Geraldes, Guga ou Meshino) mas nem por isso os vilacondenses se mostraram perigosos, muito graças também à competência dos centrais e da dupla Oliveira-Uribe, que não abriram quaisquer brechas para os homens do Arco poderem causar situações de ataque. Até ao final do encontro, os dragões nunca estiveram com o triunfo em questão e chegaram até ao fim dos 90´sem qualquer calafrio na sua área.

Após o triunfo sem espinhas por dois a zero, o FC Porto mantém-se isolado no segundo posto com 38 pontos e fica a aguardar o resultado do dérbi entre Benfica e Sporting para saber se terminará a jornada mais perto do líder. Já o Rio Ave situa-se no 12º lugar com os mesmos 15 pontos, estando apenas com mais um ponto que o primeiro lugar da zona vermelha do campeonato, onde se situa o Boavista.

Fonte da imagem de capa: Twitter @FCPorto

Alexandre Dionisio

Desde pequeno fui levado ao mundo do futebol, inicialmente enquanto júnior no Ginásio Clube de Alcobaça, clube da minha cidade, e agora mais velho enquanto espetador assíduo do mágico desporto que tanto nos emociona. Com uma licenciatura em Ciências da Comunicação na bagagem e um mestrado em Jornalismo em curso, acompanho cada jogo com a máxima emoção. Que isso nunca mude.