Jovem Promessa: Alessandro Bastoni – A promessa defensiva do Inter

Alessandro Bastoni, ou “Cerveja” como foi caridosamente apelidado, nasceu dia 13 de abril de 1999 na Lombardia. O jovem defesa mostra muito potencial, vinculado ao Inter e pode vir a ser um dos grandes defensivos na Europa.

Antes de ingressar definitivamente nos nerazzurri em 2017/2018, Bastoni começou a aparecer na Atalanta, onde realizou nove jogos. Contudo, na época em que foi transferido para o Inter, foi emprestado ao Parma, onde realizou 24 partidas, apontou um golo e viu duas cartolinas amarelas. O jovem central, já faz parte da Squadra Azzurra desde os 14 anos, realizou sete jogos pelos sub-15, oito pelos sub-16, 17 pelos sub-17, três pelos sub-18, nove pelos sub-19 e oito pela equipa sub-21.

Ainda no Palma, Alessandro destacou-se dentro dos jogadores sub-20 da época 18/19 da Série A, por ser o segundo com mais interceções (22) e o primeiro em cortes (89), sendo que o segundo fez apenas 17. Este jovem tem um grande potencial e prova disso mesmo é que o italiano consegue construir jogo. No Parma demonstrou isso mesmo, dando início a contra ataques perigosos e, apesar dos seu 1.90m este mostrou ter uma boa velocidade para sua altura.

Regressou ao Inter depois da passagem pelo Parma e já vem segurando o seu lugar dentro da equipa. Diante da Sampdória o central mostrou, desde cedo que trazia segurança à parte mais recuada da equipa de Milão, foi ainda considerado melhor defesa da partida.

Com o jovem central a vingar na equipa principal, o Inter parece ter um prodígio na defesa, com grandes capacidades de evolução, mas também com grandes nomes para o ajudar a evoluir como De Vrij, Skriniar e Godin. Contudo, António Conte pode ser também uma peça fulcral no desenvolvimento do jovem italiano, pois já se encontra à espreita da titularidade, caso Godin pendure as botas. A seleção Italiana encontra-se também atenta ao desenvolvimento do jogador e este já começa a constar da lista de convocados.

Fonte da imagem: Twitter Kieron

Emanuel Brasil

Nasci na cidade mais alta de Portugal e foi aqui que comecei a dar os primeiros toques no mundo da bola e a acompanhar os mesmos com a escrita que dá brilho ao jogo fora das quatro linhas. Com a bola de um lado e a caneta do outro, acabei por me licenciar em Ciências da Comunicação na UBI e onde tiro agora, o mestrado em jornalismo.