Crónica Taça de Portugal: Estoril vs SL Benfica – águia tremeu mas no final prevaleceu

Depois da vitória convincente contra o Famalicão a contar para o campeonato, o SL Benfica deslocou-se ao terreno do Estoril à procura de deixar bem encaminhada a passagem à final da prova rainha.

Frente à grande surpresa da competição, Jorge Jesus apostou em Diogo Gonçalves e Pedrinho a titulares, colocando na baliza Helton Leite. De resto, tudo igual na equipa que, tal como no jogo passado, entrou com uma grande intensidade, empurrando o adversário muito para lá da sua linha do meio-campo.

Este Benfica pressionante logo a abrir teve em Rafa o seu principal desequilibrado. O extremo português passou por toda a gente e rematou cruzado a rasar o poste aos 14 minutos e apenas dois minutos depois, acertou com o esférico na trave, mesmo na cara do guarda-redes.

Adivinhava-se o golo dos “encarnados”, mas foi o Estoril a inaugurar o marcador.  Aos 24 minutos, André Vidigal aproveitou a desconcentração da defesa benfiquista e concluiu à boca da baliza o passe de Murilo.

Face a este contra-tempo, os comandados de Jorge Jesus continuaram a pressionar em busca da igualdade.  Pizzi rematou de fora da área, com a bola a passar perto do travessão e Darwin de cabeça obrigou Thiago Rodrigues a uma grande defesa.

Foi no canto resultante desta última jogada que o Benfica chegou ao empate, já em cima do intervalo. Cruzamento de Pedrinho, desvio de Gabriel junto ao primeiro poste e cabeceamento de Darwin para o 1-1.

À saída para os balneários, previa-se um segundo tempo prometedor, dominado pelo Benfica. E, efetivamente, foi isso que aconteceu, embora não com a mesma intensidade dos primeiros 45 minutos.

Aos 63 minutos, Seferovic ganha um ressalto, passa pelo guardião adversário e, com a baliza aberta, atirou ao ferro. Perdida escandalosa do suíço que viria a ser compensada seis minutos mais à frente.

Everton pica para a área, Rafa combina com Darwin e remata, mas a bola é intercetada, sobrando para Seferovic que finaliza forte e colocado.

Reviravolta consumada, sendo que o marcador  ficaria defendido aos 78 minutos em mais um golo de Darwin.

Até final destaca-se ainda as duas intervenções de alto nível de Helton Leite a remate de Crespo, o jogador mais inconformado dos “canarinhos”,  juntamente com André Vidigal.

Vitória justa das “águias” face a um adversário combativo e que vai de cabeça levantada ao Estádio da Luz na esperança de um milagre.

Fonte da imagem: MaisFutebol Twitter/@maisfutebol