Exibição cinzenta em Moreira de Cónegos resulta em novo empate do Benfica

Face a uma equipa extremamente organizada defensivamente, as águias foram incapazes de aproveitar o deslize do Porto e pode ainda ver o Sporting distanciar-se na tabela.

Em relação ao jogo da Taça de Portugal, Jorge Jesus promoveu o regresso das habituais duplas de meio-campo e de ataque com Weigl, Taarabt e Seferovic de volta a um onze onde Helton Leite e Diogo Gonçalves se mantiveram, respetivamente, por opção e por causa da fadiga muscular de Gilberto que o retirou desta partida.

Para tentar roubar pontos pela primeira vez em 11 jogos aos encarnados, Vasco Seabra apostou no mesmo onze que bateu o Farense na última jornada, à exceção de Ferraresi que substituiu Steven Vitória, num sistema híbrido de 5-4-1 em bloco baixo, no processo defensivo, que variava para um 3-4-3 em transição ofensiva, com destaque para a alta rotação de D´Alberto e de Abdu Conté que ao longo do jogo fizeram com distinção tarefas defensivas e ofensivas.

A boa organização e disposição tática da equipa axadrezada fez com que o Benfica nos primeiros 20 minutos de jogo tivesse dificuldade em criar jogadas de real perigo, devido a um bloco baixo da equipa da casa  que impedia jogadores como Rafa ou Everton de explorar possíveis espaços entre linhas, obrigando Darwin e Seferovic a vir receber na ala para compensar a timidez inicial de Grimaldo e Diogo Gonçalves

A primeira jogada de perigo aconteceu ao minuto 21 quando Otamendi se aventurou no meio-campo adversário e fez um passe de rutura para Rafa que atirou ligeiramente ao lado da baliza de Matheus Pasinato. A chave da evolução ofensiva dos lisboetas ao longo do jogo foi o posicionamento do extremo português mais ao meio, podendo assim aproveitar o espaço que Abdu Conté deixava quando incorporava em ações ofensivas de onde saíam as principais ocasiões do Moreirense na primeira parte. Desta forma, Diogo Gonçalves tinha mais espaço para subir e fazer cruzamentos para a área onde Darwin e Seferovic poderiam receber bolas em melhores condições para finalizar, algo que anão acabou por se verificar.

É através desta premissa que surge o primeiro golo da partida, quando aos 25 minutos de jogo, Taarabt coloca a bola jogável no solo após um pontapé de baliza de Pasinato, roda sobre um adversário e coloca em profundidade para Seferovic desferir um remate rasteiro cruzado que só parou nas redes da equipa da casa, fazendo o seu oitavo golo nesta edição da Liga. Este golo deu maior motivação aos encarnados ,nos quinze minutos seguintes, onde dominaram o jogo a seu belo prazer registando-se um remate de Darwin que passou perto da baliza do Moreirense, estando mais perto de ampliar a vantagem do que sofrer o empate.

Contudo, aos 38 minutos, contra a corrente do jogo, um passe longo de Fábio Pacheco colocou Walterson numa zona perigosa e o avançado brasileiro depois de ultrapassar Grimaldo em grande estilo, é carregado nas costas, sendo assinalada uma grande penalidade  que  Yan Matheus não desperdiçou, restabelecendo o empate que se iria manter até ao intervalo.

Nos primeiros 15 minutos da segunda parte, assistiu-se a um ritmo de jogo mais lento, causado por duas paragens para assistir Rosic e Yan , sendo que este último teve mesmo de ser substituído por Rafael Martins, um avançado mais fixo e possante. Á exceção de vários remates sem  perigo de parte a parte, os dois ataques registaram uma maior desinspiração e confusão no último terço do campo.

Entre os 55 e os 65 minutos registaram-se dois lances polémicos na área do Moreirense: primeiro, Vertonghen foi atingido no rosto por Rosic numa jogada em que Manuel Oliveira deixou seguir e segundo, ao 62 minutos, Weigl caiu na área depois de um choque com Felipe Soares onde foi marcado penalty, posteriormente revertido após consulta no VAR. Na consequencia desse lance, o médio alemão receberia amarelo por simulação, sendo de seguida substituído por Pizzi , numa alteração que partiu completamente os setores da equipa deixando Taarabt sozinho para conter os contra ataques adversários.

A partir dos 70 minutos, o jogo entrou numa fase mais dividida com oportunidades para ambos os lados, com destaque para um cabeceamento de Darwin ao minuto 79 que foi defendido de forma espetacular por Pasinato, depois de um cruzamento sublime do recém-entrado Waldschmidt. Quanto á equipa de Moreira de Cónegos, a entrada do avançado Derick agitou o ataque que nos últimos 10 minutos de jogo teve 3 oportunidades para dar a volta ao jogo que não foram concretizadas.

Pizzi ainda rematou ao lado, antes do final da partida que consumou o quinto empate do Benfica desde o inicio de 2021,estando em 4º lugar, com dois pontos de desvantagem para o Sporting de Braga, 3 para o Porto, podendo  ver o Sporting distanciar-se ainda mais na liderança.

 

Fonte da imagem: Manuel Fernando Araújo/Lusa