Golo madrugador torna Arsenal na 13ª vítima do imparável Man. City

O líder Manchester City deslocou-se até ao Emirates Stadium para enfrentar o Arsenal numa partida relativa à 25ª jornada da Premier League. O cityzens venceram a partida por 0-1, com um golo madrugador de Raheem Sterling a ser suficiente para que a turma de Guardiola voltasse a consolidar a sua liderança e adicionasse mais uma vítima à sua série de triunfos consecutivos no campeonato.

O Man. City, com o trio português de Rúben Dias, João Cancelo e Bernardo Silva a titulares, apresentou-se em campo no meio de uma série imparável de 12 jogos consecutivos a vencer para o campeonato, perante um Arsenal à procura de consistência nos seus resultados, com dois triunfos, um empate e duas derrotas nos seus últimos embates. A turma de Guardiola não perdeu qualquer tempo a mostrar para o que vinha e, aos dois minutos, já se encontrava a vencer. Mahrez lançou um cruzamento e Sterling apareceu entre Héctor Bellerín e Rob Holding para cabecear em direção ao lado esquerdo da baliza de Bernd Leno, que nada pôde fazer para impedir o tento madrugador do extremo inglês.

Golo madrugador chegou pela cabeça de Raheem Sterling

Como seria de esperar, o City ficou dono e senhor do esférico e demonstrava paciência nos seus processos, procurando encontrar espaços entre a defensiva gunner para dilatar a sua vantagem, enquanto que a turma de Mikel Arteta tentava servir-se da rapidez de Saka e Aubameyang para criar perigo, apesar da solidez defensiva dos cityzens não permitir grandes margens para isso. Após o golo inaugural, as tentativas de ambos os conjuntos não passaram disso mesmo, devido à competência das duplas de centrais Marí-Holding, auxiliados por Xhaka e Elneny e Dias-Stones, com o apoio de Fernandinho, que travaram uma dura batalha com os adversários mais ofensivos e ganharam sempre as disputas, ficando ambas as balizas livres de perigo no primeiro tempo.

No segundo tempo, o mote do jogo manteve-se, com o City a demonstrar mais vontade de partir para cima do Arsenal. Gündoğan esteve perto de bater o compatriota Leno com um remate à entrada da área, mas o guardião levou a melhor, defendendo o esférico para fora, aos 56´. O Man. City, que tinha começado o jogo sem um ponta de lança fixo (Bernardo Silva, Sterling e Mahrez eram a frente móvel do ataque) viu entrar Gabriel Jesus para o lugar de De Bruyne na passagem da hora de jogo, numa clara jogada de quem pretendia uma vantagem mais confortável no marcador. Do lado gunner, Arteta lançou Lacazette e Smith Rowe para os lugares de Pépé e Ødegaard em busca de mais criatividade e presença ofensiva, aspetos que se eram poucos, já tinham desaparecido por completo da sua equipa desde o intervalo.

Rúben Dias esteve intransponível diante do Arsenal

A dez minutos do fim, o City esteve a uma “unha negra” de ampliar a sua vantagem, com toque luso. Cancelo iniciou uma caraterística arrancada, passando por Holding (que ficou muito maltratado e acabou por ter de ser substituído por David Luiz) e combinando com Gabriel Jesus e recebeu o esférico dentro da grande área. O remate do português, com a parte exterior do pé, passou a rasar o poste direito de Leno, numa tentativa que esteve à beira de consolidar o domínio dos visitantes. Até ao final, o Arsenal nunca se mostrou capaz de criar perigo junto de defensiva de Guardiola e os cityzens, quiçá a pensarem já no confronto da Liga dos Campeões da próxima semana, fizeram gestão de esforço e estiveram em completo controlo do jogo até ao final dos noventa minutos.

O Manchester City somou desta forma a 13ª vitória consecutiva para a Premier League e voltou a consolidar a sua liderança isolada na tabela. A turma de Guardiola passa a somar 59 pontos, mais dez do que o segundo e terceiro classificados, o Manchester United e o Leicester City. O Arsenal somou o seu quarto jogo sem vencer nos últimos cinco jogos para a Liga e mantém-se no décimo posto da tabela classificativa com 34 pontos, a nove de distância dos lugares europeus.

Fonte das imagens: Twitter @premierleague; @Arsenal; @CuriosidadesPRL

 

 

Alexandre Dionisio

Desde pequeno fui levado ao mundo do futebol, inicialmente enquanto júnior no Ginásio Clube de Alcobaça, clube da minha cidade, e agora mais velho enquanto espetador assíduo do mágico desporto que tanto nos emociona. Com uma licenciatura em Ciências da Comunicação na bagagem e um mestrado em Jornalismo em curso, acompanho cada jogo com a máxima emoção. Que isso nunca mude.