Magia Portuguesa na vitória europeia do Manchester City

O conjunto Inglês venceu hoje os alemães do Borussia Mönchengladbach por duas bolas a zero, numa partida dominante onde Bernardo Silva e João Cancelo brilharam. A segunda mão será jogada no dia 16 de Março em Manchester.

O contraste entre as fortunas do Borussia Mönchengladbach e o Manchester City não podia ser maior.

De um lado, a equipa Alemã, que se tinha conseguido qualificar num dos grupos mais difíceis da Champions esta época – com clubes de renome como o Inter e o Real Madrid – mas que se encontra num período turbolento, com a confirmação da saída do treinador Marco Rose para o Borussia Dortmund – que, segundo rumores, causou um tumulto tão grande no balneário que levara o Gladbach a considerar despedir o treinador antes do fim da época.

Do outro lado, o Manchester City – que após um início abaixo do esperado na liga, conseguiu recuperar a sua qualidade imensa – liderando a Premier League enquanto praticam um futebol de extrema qualidade, muito ajudados pela renascença de jogadores como Gundogan e os Portugueses Bernardo Silva e João Cancelo.

Independentemente da forma, no entanto, ambas as equipas entraram no Puskás Aréna (os clubes tiveram de encontrar um estádio neutro – a meio do caminho entre Inglaterra e Alemanha – devido às restrições impostas pela pandemia) com o objetivo de ganharem.

A equipa “caseira” entrou em jogo com o seu clássico 4-3-3 mas com algumas mudanças no onze inicial – no lugar de Marcus Thuram, que estava em duvida para a partida, encontrava-se Jonas Hofmann, retirado do seu lugar habitual no miolo para fazer companhia a Lars Stindl e a Alassane Pléa.

Por sua vez, o Man City – a jogar “fora” – apresentou-se também com o seu conhecido 4-3-3, com Gundogan e Bernardo Silva a fazerem parceria com Rodri no meio campo e Gabriel Jesus a agir como “falso nove” para apoiar Raheem Sterling e Phil Foden.

Como seria de esperar, a equipa do Manchester City dominou a posse nos minutos iniciais, mas sem conseguir criar qualquer tipo de ameaça especial (fora um remate à entrada da área que Sommer defendeu facilmente). O Gladbach – não tão agressivo na pressão como em jogos anteriores – mostrou se confortável com uma abordagem conservadora, procurando defender os espaços de forma a impedir passes de penetração do conjunto Inglês e apostando nos contra-ataques rápidos e combinações como forma de ataque.

Um erro de distribuição de Sommer levou à entrada do City na área adversária, mas um excelente corte do lateral argelino Ramy Bensebaini impediu que o lance levasse um maior perigo à baliza do Gladbach. Do lado dos alemães, os movimentos interiores de Jonas Hofmann ameaçavam causar problemas para o conjunto Inglês, mas Laporte e Rúben Dias mostraram-se imperativos como sempre, bloqueando qualquer tentativa de atacar na profundidade.

O City, sempre no ataque, conseguiu explorara a ala esquerda da defesa do Gladbach. Sterling penetrou dentro da área aos 26 minutos, mas foi impedido por mais um excelente corte de Bensebaini – o Argelino tocou apenas ligeiramente na bola, mas fez o suficiente para ganhar o canto.

Pouco tempo depois, um passe erróneo de Christoph Kramer é intercetado por João Cancelo, que efetua um excelente cruzamento em arco, direto à cabeça de Bernardo Silva para o primeiro golo dos Ingleses. Conexão Portuguesa no 0-1 do Manchester City.

E assim ficou até ao intervalo. Domínio completo dos Citizens, claramente a melhor equipa em campo, mantendo a bola e criando ocasionais oportunidades, com muito pouco para fazer defensivamente frente a um Gladbach que parecia totalmente desmotivado e sem qualquer capacidade de ameaçar os adversários.

Do lado do Manchester City, de destacar o excelente trabalho ofensivo de Bernardo Silva e as partidas solidas de Kyle Walker e Cancelo.
Do lado do Gladbach, apesar da pobre forma ofensiva, tanto Florian Neuhaus como Ramy Bensebaini se destacaram pela qualidade defensiva, com 10 interceções repartidas entre ambos.

No início da segunda parte, o Manchester City pareceu recuar um pouco o tempo, permitindo alguma posse de bola ao conjunto Alemão. Mesmo assim, o Gladbach teve dificuldade em conseguir partir para o ataque em profundidade, não conseguindo encontrar passes de qualidade (muito por causa das partidas deficientes de Matthias Ginter e Christoph Kramer). Quando conseguiam bater o meio campo dos Citizens, era quase sempre por ações de individuais de jogadores como Denis Zakaria ou Florian Neuhaus.

Perto dos 53 minutos Ramy Bensebaini cometeu um erro e deu a posse a Gabriel Jesus. O avançado Brasileiro seguiu com a bola até se encontrar cara a cara com Sommer e permitiu a Elvedi recuperar a tempo de fazer um corte de excelente qualidade, impedindo o quase certo 0-2.

A melhor chance do Gladbach veio quando um cruzamento da ala esquerda foi tocado por Alassane Pléa. O extremo Frances conseguiu chegar à bola com a parte de trás do calcanhar, e o desvio passou pertíssimo do poste da baliza comandada por Ederson.

No entanto, no lance seguinte, um excelente passe de Cancelo encontrou de novo a cabeça de Bernardo Silva, que posicionou a redondinha à frente de Gabriel Jesus. Apenas com o guarda-redes para bater, o jovem Brasileiro não fez o mesmo erro duas vezes, e antecipou-se rapidamente a Matthias Ginter para finalizar. 0-2 Manchester City.

Depois do segundo golo dos Citizens, o jogo abrandou ainda mais de ritmo – sem grandes chances para ambos os lados, a mais perigosa sendo um volley de Phil Foden que passou por cima da barra da baliza adversária.

Após um bom contra ataque da equipa Alemã, Jonas Hofmann encontrou-se numa situação de um para um com Cancelo e é derrubado ao cortar para dentro. O árbitro Artur Soares Dias não considerou penalty e o VAR confirmou a decisão do árbitro Português.

Na última jogada da partida, um mau passe para trás de Rodri é intercetado por Hannes Wolf, que domina de uma excelente forma e remata com força apesar de desequilibrado – mas uma excelente defesa de Éderson manteve o conjunto Alemão a zeros.

Nem as substituições de Marcus Thuram, Valentino Lazaro e Breel Embolo conseguiram animar o ataque do conjunto Alemão e o resultado ficou inalterado. Uma partida dominante do Manchester City, cuja vitória com dois golos “fora” deve ser o suficiente para segurar a passagem aos quartos de final da Liga dos Campeões.

A segunda mão será realizada no dia 16 de Março, às 20h, no City of Manchester Stadium.

Gabriel Jesus celebra o segundo golo dos “Citizens”

Melhor Jogador (Borussia Monchengladbach): Apesar de uma partida muito desapontante do ponto de vista ofensivo, a defesa do Gladbach mostrou-se bem ao impedir um resultado ainda mais desnivelado. Ramy Bensebaini e Nico Elvedi (apesar do erro no primeiro golo) demonstraram a sua qualidade, mas o jogador que mais se destacou foi Florian Neuhaus – esteve envolvido na criação dos poucos lances ofensivos de qualidade do clube Alemão e com 7 duelos ganhos, 2 interceções e 7 cortes, mostrou-se o jogador mais solido defensivamente.

Florian Neuhaus foi o jogador que mais se destacou no conjunto Alemão
Florian Neuhaus foi o jogador que mais se destacou no conjunto Alemão

Melhor Jogador (Manchester City): Ambos os alas (Kyle Walker e João Cancelo) e Ilkay Gundogan mantiveram a excelente forma que tem carregado o Manchester City mas o destaque tem de ser dado a Bernardo Silva – o mago Português, jogando na posição de médio ofensivo mas com uma liberdade total de movimentos no último terço, apareceu duas vezes no 2º poste – uma para marcar e outra para assistir. Esteve envolvido em quase todos os lances de perigo dos Citizens e protagonizou mais uma partida de qualidade, demonstrando cada vez mais o porquê de ser uma peça crucial na equipa de Guardiola.

Bernardo Silva realizou mais uma excelente exibição, marcada por um golo e uma assistência

Fontes das Imagens: Twitter @ChampionsLeague, Getty Images, BBC

Nuno Tavares

No dia 15 de Março de 2012 tive o prazer de ver o Sporting a eliminar o Manchester City e pensei "isto do futebol é giro, gosto". A partir daí nunca mais consegui parar. Sportinguista (e Borusse) de nascença. Fã de Futebol Alemão e Espanhol. Licenciatura em Ciências da Comunicação no ISMAI.