Mendy fere resistência dos “Orobici”

Na primeira mão dos oitavos-de-final da Liga dos Campeões, em Itália, o Real Madrid venceu por uma bola a zero a equipa do Atalanta de Bergamo, com um golo de Mendy.

Fique com os onzes iniciais:

Antes do jogo propriamente dito é importante analisar ambos os onzes. A Atalanta de Gasperini começou o jogo com um 1-2 na sua frente de ataque, ao invés de um 2-1, isto muito provavelmente para aproveitar os espaços entre os centrais e os laterais do Real, pois Mendy e, sobretudo, Lucas Vázquez têm algumas fragilidades defensivas; também é importante destacar a presença de Gosens e Maehle, dois alas goleadores. No Real, o maior destaque vai para Isco, que foi usado como uma espécie de falso nove, onde teve mais tarefas na construção de jogo do que propriamente na concretização das jogadas.

O árbitro alemão Tobias Stieler e o primeiros minutos da partida foram relativamente tranquilos. As duas equipas não criavam muito perigo, sendo que a formação da casa estava ligeiramente melhor na partida. Contudo, uma expulsão aos 17 minutos para os visitados (Freuler derrubou Mendy à entrada da área) mudou o rumo do jogo. Como seria expectável, os Los Blancos assumiram o controlo do jogo e, para além de equilibrarem a partida, conseguiram ser mais dominantes que o adversário.

Apesar de estar a jogar com menos um, a Atalanta, mesmo que recuando linhas e procurando não sofrer, manteve alguns dos seus princípios e, quando atacava, procurava explorar os flancos e as subidas dos seus laterais. No entanto, com o desenrolar da partida, a equipa de Madrid foi sendo mais asfixiante e, no fim da primeira parte, surgiu a ocasião mais perigosa até então, após um desvio numa bola parada, os reflexos de Gollini foram postos à prova.

Após o intervalo, nos primeiros minutos da segunda parte, a supremacia do Real acabou por ser cada vez mais evidente e as ocasiões perdidas foram-se sucedendo com mais frequência. Contudo, a Atalanta soube sofrer e, depois do sufoco inicial, conseguiu respirar melhor e, com o seu bloco mais baixo assumido, reduziu espaços e permitiu menos oportunidades de golo à formação de Zidane.

O Real suspirava por alguém que fosse alvo de vários cruzamentos e que os finalizasse (Benzema, que estava indisponível). Ainda assim, como diz o ditado, “água mole em pedra dura, tanto bate até que fura”. A 5 minutos do final, após um pontapé de canto, a bola sobrou para Mendy que, com o pé direito e de fora de área, atirou para o fundo das redes italianas. Num rasgo individual, a equipa espanhola chegou à vantagem.

O resultado não se alterou e o Real, mesmo não apresentando uma grande qualidade de jogo, venceu. Vantagem importante, mas que mantém o sonho Orobici bem vivo. Tudo em aberto para o jogo da segunda mão!

Fonte das imagens: Twitter da @Confidenceqwaku e @brfootball.

Alexandre Ribeiro

Nascido e criado na ilha Terceira, nascido e criado para o futebol. Desde cedo aprendi, vivi e vibrei com o desporto rei. A licenciar-me em Ciências da Comunicação na FCSH da Universidade Nova de Lisboa. Com o futebol e a escrita espero proporcionar um espectáculo fora das 4 linhas para todos aqueles que partilhem o gosto pela bola e pelos seus artistas.