Eliminado da Liga Europa, André Horta aponta o dedo ao campeonato português

O SC Braga e o Benfica despediram-se ontem ambos da Liga Europa, tendo sido eliminados por AS Roma e Arsenal, respetivamente. André Horta, médio bracarense, não tem dúvidas em apontar o dedo às razões de Portugal ter ficado sem representantes na competição: a falta de qualidade e a mentalidade do campeonato português.

“Temos de trabalhar muito, passa tudo por termos mais ritmo de jogo. No campeonato português as equipas não querem jogar, há muito jogo parado. Isso tem sido recorrente ao longo dos anos e sentimos diferença quando temos estes jogos com equipas com mais andamento. Vê-se a dificuldade quando jogamos com o Leicester ou com a Roma. Enquanto não mudarmos a mentalidade em Portugal será difícil cá fora”, desabafou o médio de 24 anos.

Horta, no entanto, considera que a prestação global do SC Braga na Liga Europa pode ser considerada como positiva. “Fica um desempenho  positivo, uma fase de grupos muito positiva, só com uma derrota em casa do adversário mais difícil, o Leicester. Esta eliminatória deixa um amargo de boca, podíamos ter feito melhor, fizemos dois bons jogos, mas se calhar respeitámos um bocadinho de mais ao adversário”, assumiu, acrescentando ainda que o aspeto que ditou a eliminação da sua equipa na segunda mão foi o cinismo da turma romana.

Com as atenções viradas para o campeonato e a Taça de Portugal, André Horta mostrou-se confiante para o que resta dos objetivos dos Gverreiros do Minho. “Vamos de cabeça a todas, temos agora um jogo com o Nacional para cimentarmos a nossa posição. Queremos continuar a fazer um excelente campeonato. Depois vamos pensar na segunda mão da Taça de Portugal, um grande objetivo do clube”, prometeu o minhoto.

Fonte da imagem de capa: Twitter @SCBragaOficial

Alexandre Dionisio

Desde pequeno fui levado ao mundo do futebol, inicialmente enquanto júnior no Ginásio Clube de Alcobaça, clube da minha cidade, e agora mais velho enquanto espetador assíduo do mágico desporto que tanto nos emociona. Com uma licenciatura em Ciências da Comunicação na bagagem e um mestrado em Jornalismo em curso, acompanho cada jogo com a máxima emoção. Que isso nunca mude.