Man. City soma e segue na Premier League, desta vez graças à defesa

Costuma-se dizer que os ataques vencem jogos, as defesas campeonatos. Ora, Rúben Dias e John Stones provaram hoje que a expressão nem sempre deve ser levada à letra.

O Manchester City recebeu hoje o West Ham na partida de abertura da 26ª jornada da Premier League e o jogo terminou com uma vitória dos cityzens por 2-1, após um tento de cada um dos seus centrais, que foram determinantes para garantir que o golo de Antonio não fosse suficiente para pôr um fim à sua série de triunfos consecutivos no campeonato.

O Manchester City apresentou-se no Etihad Stadium no meio de uma série imparável de 13 vitórias consecutivas para o campeonato e ainda de 19 triunfos seguidos em todas as competições. Perante o imponente conjunto de Guardiola estava o West Ham, uma equipa que tem sido a grande sensação desta temporada em solo inglês, ocupando o quarto lugar da tabela classificativa e que procurava cimentar essa posição e ainda pôr um fim à invencibilidade dos homens da casa.

Do trio português da casa, apenas Rúben Dias foi titular diante dos hammers. A partida começou como seria de esperar, com o conjunto de Manchester a ter total domínio da posse de bola e a exercer uma alta pressão nos adversários quando a perdiam e, nesse prisma, foram encostando os visitantes à sua área, ainda que sem grandes ocasiões de perigo. A insistência ofensiva acabou por trazer resultados na marca da meia-hora de jogo mas não foi pelos pés de Agüero, Mahrez ou Ferrán Torres, mas sim pela cabeça de Rúben Dias. O central permaneceu na área após a cobrança de um canto e, com De Bruyne a armar novo cruzamento para a área, o português ganhou nas alturas a Issa Diop e inaugurou o marcador, estreando-se a marcar com a camisola dos cityzens.

Rúben Dias marcou o seu primeiro golo pelo Man. City

O golo pareceu ter feito acordar o West Ham, que passou a arriscar mais no ataque e Michail Antonio, que já tinha avisado com um remate ao poste de Ederson, conseguiu selar o empate muito perto do intervalo. Uma arrancada pelo lado esquerdo da área da casa deu lugar a um passe para Lingard, que se soltou da marcação para assistir o avançado hammer, que aproveitou a displicência de Stones e do atraso de Fernandinho para repôr a igualdade no marcador.

Na segunda parte, o cenário era idêntico. O Man. City tinha mais presença na área adversária mas o ataque não estava a carburar como o pretendido, com mérito também para a organização defensiva da turma de David Moyes, que não estava a deixar qualquer espaço disponível para que os dianteiros criassem perigo na sua baliza. A solução encontrada? Repetir a fórmula do primeiro golo, desta vez com protagonistas e métodos diferentes. Numa nova insistência após um canto, desta vez foi Mahrez que tratou de assistir de forma rasteira o central que se encontrava em posição favorável para marcar, caso de John Stones, que rematou de primeira com o seu pé direito e bateu Randolph, selando o 2-1 aos 68 minutos.

Stones fixou a 14ª vitória consecutiva do City para a Premier League

O West Ham ainda tentou arrancar o empate com algumas situações de bola parada, mas a defensiva cityzen não deu qualquer margem para erros, ficando a baliza de Ederson intacta em toda a segunda parte. Com o apito final do juiz, ficou selada a 20ª vitória em todas as competições para o Manchester City, que cimenta desta forma a sua liderança na Premier League por mais uma jornada e assume-se cada vez mais como o candidato indiscutível à conquista desta edição do campeonato inglês.

A turma de Guardiola e companhia passa assim a somar 62 pontos na tabela classificativa, com mais 13 pontos do que o Manchester United e o Leicester City que, ainda assim, têm o seu respetivo jogo da jornada 26 por disputar. Já o West Ham, com a derrota, passa a estar com o quarto lugar em risco, isto porque os seus 45 pontos poderão ser ultrapassados pelo Chelsea, caso a turma de Thomas Tuchel vença o jogo de amanhã frente aos red devils.

Fonte das imagens: Twitter @premierleague; @ManCity

Alexandre Dionisio

Desde pequeno fui levado ao mundo do futebol, inicialmente enquanto júnior no Ginásio Clube de Alcobaça, clube da minha cidade, e agora mais velho enquanto espetador assíduo do mágico desporto que tanto nos emociona. Com uma licenciatura em Ciências da Comunicação na bagagem e um mestrado em Jornalismo em curso, acompanho cada jogo com a máxima emoção. Que isso nunca mude.