SC Braga, com jogador expulso, vence FC Porto e está na final da Taça de Portugal

Arsenalistas bateram dragões por 2-3 com golos de Abel Ruiz (2), Lucas Piazón, Otávio e Marega. Cristian Borja viu cartão vermelho aos 34 minutos.

A segunda mão do embate entre FC Porto e SC Braga, a contar para as meias-finais da Taça de Portugal, teve o seu apito inicial às 20:15 desta quarta-feira no Estádio do Dragão. De recordar que o resultado do primeiro jogo havia sido 1-1 e, por isso, os azuis e brancos estavam em ligeira vantagem.

Sérgio Conceição lançou, no onze inicial, Diogo Costa na baliza, Sarr, Pepe, Mbemba e Manafá no quarteto defensivo, Uribe, Grujic e Otávio no meio-campo, Luis Díaz e Corona nas alas e Marega no ataque.

Por sua vez, Carlos Carvalhal apostou em Matheus entre os postes, Borja, Raúl Silva, Tormena e Ricardo Esgaio no bloco mais recuado, Al Musrati, Fransérgio e Lucas Piazón no setor intermédio e Galeno, Abel Ruiz e Ricardo Horta no tridente ofensivo.

A partida começou a todo o gás, com Luis Díaz a abrir as hostilidades através de um remate transviado, seguido de uma tentativa de Ricardo Horta à figura de Diogo Costa.

As duas ocasiões que se sucederam resultaram em golos. Aos nove minutos, Raúl Silva passou longo para Esgaio, este adiantou para Piazón que, já dentro da grande área, cruzou rasteiro para Abel Ruiz atirar para o fundo das redes, tendo o esférico ainda desviado em Mbemba. Jogada simples dos arsenalistas a dar frutos.

Cinco minutos depois, a pressão asfixiante dos gverreiros resultou numa perda de bola de Sarr em zona proibida e Piazón, Al Musrati, Ricardo Horta e Abel Ruiz desenharam uma bela jogada ofensiva concluída com uma assistência de calcanhar do português para um golo de classe do espanhol.

Corona ainda tentou acordar a sua equipa, mas o seu disparo foi facilmente resolvido por Matheus e acabaram por ser, novamente, os minhotos a criar verdadeiro perigo aquando da cavalgada de Abel Ruiz ao longo de metade do campo, finalizada com um tiro à barra.

Numa tentativa de aproximar os campeões nacionais do último terço adversário, Sérgio Conceição substituiu Grujic e Mbemba (este por lesão) por Taremi e Zaidu.

No entanto, à passagem dos 28 minutos, o Braga chegou ao 3-0. Depois de estar envolvido nos dois primeiros tentos, Lucas Piazón inscreveu o seu nome na lista de marcadores com um golaço de livre direto, enviado ao ângulo da baliza.

Todavia, passados escassos dois minutos, os anfitriões reduziram a desvantagem. Grande passe de Corona para Otávio que, já na grande área e num belo gesto técnico, dominou a bola com o peito e, sem a deixar cair, bateu Matheus.

Aos 34 minutos, Borja derrubou Marega, que seguia isolado em direção à baliza, e Artur Soares Dias, auxiliado pelo VAR, expulsou o colombiano. A partir deste instante, o jogo mudou totalmente, já que os visitantes, que até então estavam por cima, praticamente limitaram-se apenas a defender até ao apito final.

Deste modo, foi com naturalidade que o Porto passou a criar muito mais ocasiões. Provas disso foram os cabeceamentos de Taremi e Uribe à beira do intervalo, tendo estes saído por cima e à figura, respetivamente.

O final da primeira parte fez adivinhar o que viria a ser a segunda, ou seja, que esta foi de sentido único, virada para a baliza do Braga, excetuando um remate de Fransérgio para as mãos de Diogo Costa.

Dos inúmeros ataques que os dragões fizeram, aqueles que constituíram verdadeiras ameaças foram duas tentativas de ângulo reduzido de Marega, um cruzamento/remate de Taremi, todas estas resolvidas por boas intervenções de Matheus, e ainda um livre direto de Sérgio Oliveira (substituiu Uribe) um pouco por cima do alvo.

Após muita insistência, os azuis e brancos chegaram ao segundo golo no minuto 75. Otávio cruzou para a área e, numa tentativa de aliviar a bola com os punhos, o guardião brasileiro acabou por oferecê-la a Marega, que fez as redes abanar.

Até ao final do jogo, o vencedor da última edição da prova-rainha continuou a pressionar para tentar evitar a sua eliminação: Evanilson (rendeu Sarr) cabeceou ligeiramente por cima, Luis Díaz forçou Matheus a enorme defesa e Sérgio Oliveira teve dois dispares potentes próximos da baliza.

Contudo, o resultado não mais se alterou e o SC Braga é a primeira equipa apurada para a final da Taça de Portugal, graças a uma excelente primeira parte e a uma boa exibição defensiva, aliada à ineficácia portista. Amanhã, Benfica e Estoril vão lutar para decidir quem enfrentará os minhotos no Jamor.

 

Fonte da Imagem: Twitter @FCPorto

Simão Vitorino

Nasci e cresci em Vila Franca de Xira e estou atualmente a tirar uma licenciatura em Ciências da Comunicação na faculdade NOVA FCSH com o objetivo de me tornar jornalista desportivo no futuro, profissão que une duas grandes paixões minhas - o futebol e a escrita.