Manchester United 1-1 AC Milan: empate ao cair do pano com Diallo em destaque

Com este resultado, os Rossoneri levam o resultado empatado para a segunda mão em San Siro, com a vantagem de um golo marcado fora.

11 anos depois, o Manchester United e o AC Milan encontraram-se de novo numa competição europeia. Depois de, em 2009/2010, os ingleses terem eliminado os italianos nos oitavos-de-final da Liga dos Campeões, as duas equipas voltaram a encontrar-se nos “oitavos”, mas desta vez na Liga Europa.

Este jogo foi marcado pelas lesões: enquanto que Solskjaer não pode contar com Rashford, Cavani, Pogba e Van de Beek, Stefano Pioli não tinha nomes como Ibrahimovic, Çalhanoglu, Rebic ou Theo Hernandéz na ficha de jogo. A partida contou com três portugueses: Bruno Fernandes jogou pelos Red Devils, pelos Rossoneri figuraram Rafael Leão e Diogo Dalot.

A primeira parte foi dividida, apesar duma ligeira superioridade do Manchester United na posse de bola. Rafael Leão marcou logo no início, mas o golo foi anulado por fora de jogo do avançado português. Aos 13 minutos, Kessié recebeu a bola à entrada da área e chutou com força e colocado para a baliza de Dean Henderson, inaugurando o marcador. No entanto, após análise do VAR, o golo foi anulado pois o médio costa-marfinense recebeu a bola com o braço.
Aos 39 minutos surgiu a maior oportunidade do primeiro tempo- Num canto, o Maguire, ao segundo poste e quase em cima da linha, atirou ao poste, com a bola a sair pela linha final. Assim, as equipas chegaram ao intervalo com um nulo no resultado.

Ao intervalo, Solskjaer substituiu Martial pelo jovem Amad Diallo, numa aposta que não poderia ter dado mais resultado. Aos 50 minutos, Bruno Fernandes, com um passe teleguiado, colocou a bola para a desmarcação do jovem de apenas 18 anos. De costas para a baliza, com uma execução perfeita, Diallo cabeceou por cima de Donnarumma, abrindo assim o resultado para 1-0 para os da casa.

Depois do golo, o Milan pressionou atrás do resultado. Aos 65 minutos, Krunic respondeu ao cruzamento de Calabria, mas cabeceou perto da baliza do Man United. Logo a seguir, Kessié recuperou a bola e atacou pela esquerda, servindo Saelemaekers, mas a finalização foi fraca por parte do belga.
Os Red Devils responderam com a oportunidade mais flagrante da partida, quando, ao minuto 72, Greenwood serviu Daniel James para a entrada da baliza, mas o extremo rematou para fora, desperdiçando a hipótese de ampliar a vantagem.

Após este momento, Solskjaer colocou Fred, Brandon Williams e Luke Shaw, dando a iniciativa de jogo à turma de Pioli. O momento mais controverso foi aos 82 minutos, quando McTominay, já amarelado, fez falta sobre Kessié, que podia ter dado a expulsão ao médio escocês.

O jogo, que parecia estar fechado, teve um final emocionante. Aos 92 minutos, após canto batido pela esquerda por Krunic, Simon Kjaer livrou-se da marcação de Matic e cabeceou com precisão. Uma execução perfeita que deu o empate ao AC Milan mesmo ao cair do pano.

Num jogo relativamente equilibrado, o controlo do Manchester United foi, ainda assim, evidente, uma vez que a equipa inglesa conseguiu  controlar o ritmo de jogo consoante as suas necessidades. O destaque maior vai para Diallo: o jovem ex-Atalanta entrou quando a equipa necessitou mais e deu o que faltava na primeira parte aos Diabos Vermelhos: velocidade, criatividade e irreverência. Coroou a sua exibição com um golo de execução difícil.
Do lado do Milan, é de destacar a perseverança coletiva, uma vez que a equipa nunca baixou os braços na procura pelo golo, mesmo num momento em que o jogo estava mais lento e caminhava para o final. Individualmente, o maior destaque vai para Franck Kessié, pela sua importância no meio campo quer no capítulo defensivo, quer no capítulo ofensivo, muitas vezes sendo o responsável pelo transporte de bola ofensivo.

A segunda mão será disputada em San Siro na próxima quinta-feira, dia 18 de março.

 

Fonte da imagem: Twitter da Liga Europa – @EuropaLeague