Lembra-se de Eliseu, o pé-canhão de Angra do Heroísmo?

No “Lembra-se de?” desta semana, recordamos a carreira de Eliseu, futebolista que representou emblemas como Benfica, Belenenses, Málaga ou Lazio.

Eliseu Pereira dos Santos, conhecido no mundo do futebol apenas pelo seu primeiro nome, nasceu no dia 1 de outubro de 1983 em Angra do Heroísmo e foi justamente no clube da sua terra-natal, o SC Marítimo de Angra do Heroísmo, que começou o seu trajeto.

Em 2001, o canhoto foi contratado pelo Belenenses, clube no qual concluiu a sua formação e se estreou no futebol profissional em julho de 2002, numa partida da extinta Taça Intertoto. No entanto, o seu primeiro encontro numa competição doméstica acabou apenas por se realizar quase um ano depois, na última jornada do Campeonato de 2002/03, tendo apontado um golo.

Na época que se seguiu, o açoriano foi ganhando espaço em Belém, figurando em 27 dos 39 jogos da sua equipa, 15 dos quais na condição de titular, registando dois tentos. As suas prestações ajudaram o seu conjunto a alcançar as meias-finais da Taça de Portugal.

Porém, na temporada 2004/05, este foi muito pouco utilizado (11 partidas, quase todas vindo do banco) pelo novo treinador dos azuis do Restelo, Carlos Carvalhal. Assim, foi com naturalidade que o jovem de 21 anos foi emprestado ao Varzim SC, que, na altura, militava no segundo escalão. Neste ano, somou 18 encontros e contabilizou três remates certeiros.

Regressado a Belém, Eliseu trabalhou pela primeira vez com um técnico que viria a reencontrar mais adiante na sua carreira: Jorge Jesus. Sob a sua batuta, o Belenenses teve uma grande época, chegando à final da Taça de Portugal (perdida para o Sporting) e terminando em quinto lugar no Campeonato. Contudo, individualmente, o atleta teve pouco protagonismo, já que só foi titular em sete ocasiões (ao todo, atuou em 21 dos 36 jogos dos lisboetas) e anotou dois golos e uma assistência.

Foi neste contexto que, em 2007, o ala chegou a custo zero ao Málaga CF, que, então, disputava a segunda liga espanhola. Apesar de não ter sido um habitual titular, o português foi um elemento importante na sua equipa, figurando em quase todos os jogos e contribuindo com três golos para que os albicelestes terminassem em terceiro lugar e subissem para a La Liga.

Chegado à principal divisão do país vizinho, o esquerdino exibiu-se a um grande nível: pela primeira vez na sua carreira, foi titular indiscutível, fez as redes adversárias abanar sete vezes e assistiu os seus colegas em oito ocasiões ao longo de 38 partidas.

Estas atuações convenceram Carlos Queiroz e a Lazio dado que, no verão de 2009, o antigo selecionador nacional convocou pela primeira vez o jogador da ilha Terceira para defender a camisola das quinas e o emblema romano investiu 900 mil euros na sua contratação.

Todavia, a aventura do atleta de 25 anos em Itália não correu como, certamente, ambicionava. Embora tenha conquistado o primeiro troféu da sua carreira, a Supertaça Italiana, teve muito pouco tempo de jogo e, por isso, no mercado de inverno que se seguiu, foi emprestado ao Real Saragoça até ao final da época 2009/10, onde se impôs no onze inicial e, nos 21 jogos que disputou, acrescentou dois golos e uma assistência à sua conta pessoal.

Insatisfeita com o rendimento do jogador, a Lazio acabou por vender o seu passe por dois milhões de euros ao… Málaga! Apenas um ano após ter sido saído para os biancocelesti, este estava de regresso ao seu antigo clube por mais do dobro do valor que havia sido pago anteriormente.

Seguiu-se uma feliz estadia de quatro temporadas no sul de Espanha, na qual se destacaram o quarto lugar alcançado na La Liga em 2011/12 e a chegada aos quartos de final da Liga dos Campeões no ano seguinte, tendo o português sido uma peça chave da sua equipa nestas proezas históricas, apontando 17 golos e 18 assistências.

Foi assim que, a pedido de Jorge Jesus, em julho de 2014, aos 30 anos de idade, Eliseu chegou ao clube do seu coração, o SL Benfica, depois de, ao todo, ter envergado a camisola do Málaga em 213 jogos.

Ao longo do seu percurso profissional, o atleta atuou um pouco por todas as posições dos flancos, (principalmente no esquerdo) desde lateral a extremo. No entanto, ao serviço das águias, este foi utilizado exclusivamente como defesa esquerdo.

Nas suas duas primeiras épocas na Luz, o açoriano foi dono e senhor desta posição e os quatro tentos e cinco passes para golo que registou auxiliaram as águias a chegar aos quartos de final da liga milionária em 2015/16 e a conquistar dois Campeonatos, duas Taças da Liga e uma Supertaça.

Depois de se ter mudado para Lisboa, o defesa passou a ser frequentemente chamado por Fernando Santos para representar a seleção nacional (até então, só tinha quatro internacionalizações) e, por isso, a sua presença na lista dos 23 convocados para o Euro 2016 foi natural. Apesar de não ter sido uma das principais figuras desta histórica conquista, ainda fez dois jogos inteiros (Hungria e Polónia) na competição.

Porém, a partir deste momento, a carreira do jogador entrou em declínio. Devido ao aparecimento de Grimaldo, o seu tempo de jogo diminuiu substancialmente nas duas temporadas que se seguiram, apesar de, coletivamente, ter vencido mais um Campeonato, Taça de Portugal e Supertaça.

Assim, em 2018, o seu contrato com o Benfica chegou ao fim e, embora tenha, alegadamente, tido ofertas para continuar a jogar, acabou por pendurar as chuteiras aos 34 anos de idade.

Eliseu esteve longe de ser um grande jogador, sendo frequentemente criticado pela sua forma física ou debilidades defensivas. Todavia, este pertence ao estrito grupo de portugueses conquistadores de um Campeonato da Europa e os títulos conquistados, os estrondosos mísseis que disparava para o fundo das redes, a entrega máxima que sempre apresentou em campo ou até o célebre festejo do tetracampeonato com a lambreta são motivos para o ex-futebolista de Angra do Heroísmo merecer ser recordado.

 

Fontes das Imagens: Twitter @fav_player, @Ohnoffris, @Malaguistas12, @paneecalcio, @SLBenfica e @Benficastuff

Simão Vitorino

Nasci e cresci em Vila Franca de Xira e estou atualmente a tirar uma licenciatura em Ciências da Comunicação na faculdade NOVA FCSH com o objetivo de me tornar jornalista desportivo no futuro, profissão que une duas grandes paixões minhas - o futebol e a escrita.