Lembra-se de Ali Daei, o (ainda) recordista de golos por seleções?

Chegou a jogar na Europa, mas é no Irão que reúne maior admiração por parte dos adeptos, muito por culpa dos 109 golos marcados ao serviço da seleção. No “Lembra-se de?” desta semana recordamos Ali Daei, o melhor marcador de sempre por seleções.

Ali Daei nasceu a 21 de março de 1969 na cidade de Ardabil, no Irão. Foi no Bank Tejarat que começou a dar os primeiros toques com a bola e foi ao serviço deste clube, propriedade de um banco com o mesmo nome, que o ponta de lança se estreou pela seleção iraniana. No ano de 1993 marcou 7 golos com a camisola do Irão. No entanto, nos dois anos seguintes foi obrigado a cumprir serviço militar pelo que só realizou um jogo pela seleção. No fim do período, viu rejeitada uma transferência para o Júbilo Iwata, clube japonês.

Ansioso por voltar a representar a seleção, Ali Daei foi coagido a assinar pelo Persepolis, maior rival do Esteghlal, clube pelo qual a família torcia. A mudança revelou-se proveitosa e, aliado a uma boa época ao serviço do clube iraniano, o avançado destacou-se por bater o primeiro recorde da carreira: com 22 golos no ano civil de 1996, o avançado ultrapassou Gholam Hossein Mazloumi, tornando-se o melhor marcador de sempre ao serviço do Irão. Só nesse ano marcou, a títuolo de exemplo, quatro golos ao Nepal e à Coreia do Sul (estes em apenas 23 minutos) e cinco frente ao Sri Lanka.

As boas exibições e os muitos golos marcados chamaram à atenção do Al Saad, onde terminou a época 1996/1997 e, posteriormente, do Arminia Bielefeld que acolheu a primeira experiência de Ali Daei na Europa.

Ainda que tivesse bastantes limitações técnicas, o ponta de lança iraniano era um matador dentro de área e eficiente nas bolas aéreas. Ao serviço do clube alemão, Ali Daei encontrou as redes seis vezes, mas o ponto alto dessa temporada foi a qualificação para o mundial de 1998, realizado em França e ganho pelo país anfitrião. Foi a primeira vez em 20 anos que a “Seleção Melli” disputou a maior competição do mundo a nível de seleções e, apesar de não ter faturado, Ali Daei teve a oportunidade de jogar num dos maiores palcos do mundo.

Antes do Mundial, o iraniano já tinha, no entanto, assegurado uma transferência para o Bayern

Ali Daei ao serviço do Bayern de Munique

de Munique, clube que viria a representar por apenas uma época. A enorme competitividade levou à escassa utilização do avançado, que, todavia, conseguiu marcar sete golos e estrear-se na Liga dos Campeões, onde realizou quatro partidas, todas elas começadas no banco de suplentes.

Ansiando por mais minutos, Ali Daei mudou-se em 1999 para o Herta de Berlim, clube onde passou três épocas – o maior número de épocas consecutivas no mesmo clube durante toda a carreira. Foi na época de estreia no clube alemão que o iraniano se estreou a marcar na Liga dos Campeões: após um golo nas eliminatórias frente ao Anorthosis, Ali Daei bisou contra o Chelsea e marcou ainda um golo contra o Milan. Nas restantes épocas não disputou partidas nas competições europeias, mas chegou a capitanear o clube da cidade de Berlim.

Ali Daei ao serviço do Hertha de Berlim

Durante este período na capital alemã, o iraniano continuou a marcar golos pela seleção do Irão, que, no entanto, falhou o apuramento para o Mundial de 2002. 2002 foi também o ano que marcou o fim da passagem do iraniano pela Europa, após uma transferência para o Shabab Dubai, clube que atua nos Emirados Árabes Unidos.

Já com 34 anos, e no decorrer do ano de 2003 Ali Daei quebrou o recorde de maior goleador de sempre ao serviço da seleção, até à data detido por Puskas. Em novembro de 2003, o ponta de lança, que, entretanto, regressara ao país de origem e ao Persepolis, tinha 83 golos e estava a apenas um golo de distância do recorde do húngaro. Na Taça Asiática o Irão defrontava a Coreia do Norte e, já na segunda parte Ali Daei marcou um golo de penálti. A euforia nas bancadas foi tanta que um adepto lançou um foguete para campo, foguete esse que embateu num jogador norte-coreano. Solidários com o jogador, a equipa da Coreia do Norte recusou-se a continuar a partida e, como penalização pelo abandono do campo, o jogo terminou com a vitória do Irão por 3-0. O golo de Ali Daei foi assim removido, e a “colagem” a Puskas adiada. Este adiamento foi, no entanto curto, visto que na semana seguinte, no confronto contra o Líbano, o ponta de lança voltou a fazer o gosto ao pé, também da marca dos 11 metros. E dessa vez contou mesmo. Nos jogos seguintes, Ali Daei continuou com a veia goleadora e consumou a ultrapassagem, passando a deter o recorde de melhor marcador de sempre em relação aos jogos de seleções.

Ali Daei celebra o apuramento para o Mundial de 2006

Nos anos seguintes, capitaneando a seleção do Irão na qualificação para o Mundial de 2006, o iraniano chegou aos 100 golos pela seleção. O feito histórico foi alcançado numa partida de qualificação para o Mundial, contra a seleção de Laos. A fase de grupos do Mundial de 2006 marcou o fim da carreira internacional de Ali Daei. Já com 37 anos, o avançado estava longe dos níveis físicos necessários para uma competição de nível tão elevado, chegando mesmo a sentar-se no banco na partida contra Portugal. Na competição não faturou, pelo que o seu 109º e último golo ao serviço do Irão foi marcado num amigável contra a Costa Rica, cerca de três meses antes da fase final da competição que se realizou na Alemanha.

Após o mundial ainda completou uma época ao serviço do Saipa, e nos 27 jogos com a camisola do clube iraniano fez o gosto ao pé por dez vezes. O ano de 2007 marcou assim o pendurar de chuteiras de Ali Daei. Continuou ligado ao futebol como treinador, ainda que sem grande sucesso e atualmente encontra-se desempregado.

Em 2021 é provável que o recorde que Ali Daei ostenta seja batido por Cristiano Ronaldo. Esse feito pode mesmo ser consumado nas próximas semanas, em que Portugal defrontará Azerbaijão, Sérvia e Luxemburgo. O astro português tem 102 golos com a camisola das quinas e, sete golos nas próximas partidas são suficientes para Ronaldo igualar Ali Daei. Em relação à possibilidade de perda do recorde, Ali Daei já se mostrou honrado por ser ultrapassado por um dos melhores de sempre “Espero sinceramente que o Cristiano Ronaldo alcance o meu recorde de golos pela Seleção Nacional (…) seria uma verdadeira honra para mim se um jogador com a sua classe o pudesse fazer. O Cristiano Ronaldo é um dos melhores jogadores não só do seu tempo, mas de sempre. É um fenómeno absoluto.”.

Pode estar por dias a perda do estatuto de melhor marcador de sempre a nível das seleções. Porém, a dimensão que o fenómeno Ali Daei alcançou no Irão e a quantidade de golos que marcou ficarão para sempre guardados num dos muitos capítulos da história do futebol.

Fonte da imagem de capa: Twitter @Sportingbet_com

Fonte das imagens: Twitter @GuiaFutebolPlus @FIFAcom @teammellitretro