Históricos: Final Taça UEFA 2001 Liverpool vs Alavés – uma montanha-russa de emoções

Espanha e Inglaterra têm apresentado desde o início do novo milénio uma rivalidade sem precedentes em relação à qualidade das suas principais ligas.

Tanto a La Liga, como a Premier League são das competições mais vistas de todo o mundo, com exceção da Liga dos Campeões. São inúmeras as equipas de ambos os países que se imortalizaram no palco europeu, numa constante procura pelo clube mais dominador da Europa.

Real Madrid, Barcelona, Manchester United e Chelsea são alguns dos clubes mais titulados do mundo, com um palmarés repleto de conquistas nacionais e, sobretudo, internacionais. Mas, em 2001, tivemos aquele que seria o primeiro de um conjunto vasto de jogos icónicos entre equipas pertencentes às duas maiores ligas do mundo.

Na edição desta semana dos Históricos, relembramos uma das maiores finais europeias de sempre, um jogo icónico em que um dos clubes mais lendários do futebol por pouco não foi superado pelo maior dos “underdogs” na segunda maior competição europeia de clubes.

O Liverpool qualificou-se para a Taça UEFA ao terminar em quarto lugar na FA Premier League de 1999-2000. Depois de passarem sem grandes dificuldades por Rapid București e Slovan Liberec nas rondas a eliminar inaugurais, os “reds” enfrentaram equipas de grande dimensão mundial e com uma tradição de alto nível nas provas europeias.

O Olympiacos da Grécia foi o seu adversário na terceira eliminatória. A primeira mão foi disputada na casa do Olympiacos, o Estádio Karaiskakis. O Liverpool estava perto de uma vitória por 2–1 graças aos gols de Barmby e Steven Gerrard, até que o Olympiacos empatou no último minuto para conseguir um empate por 2–2.  A segunda mão em Anfield foi vencida por 2–0 pelo Liverpool, com um gol marcado em cada metade por Barmby e Heskey, respetivamente. A vitória garantiu que o Liverpool vencesse a eliminatória por 4-2 no total para avançar para a quarta ronda.

O Liverpool enfrentou os italianos da Roma na quarta ronda. Os ingleses demonstraram uma grande mentalidade vencedora, qualificando-se com um agregado de 2-1, muito graças à excelente exibição no Stadio Olímpico.

Em seguida, o adversário nos quartos de final foi o FC Porto. A primeira mão em Portugal terminou 0-0.  O Liverpool venceu a segunda mão em Anfield por 2-0, com Danny Murphy e Owen a marcarem no primeiro tempo para avançar para as meias-finais graças a uma vitória por 2 a 0 no total.

Por fim, o último adversário antes da grande final foi o colosso Barcelona. O Liverpool defendeu incansavelmente durante a primeira mão no campo do Barcelona, ​​o Camp Nou, para sair com um empate por 0-0.  A segunda mão em Anfield foi igualmente disputada, até aos 44 minutos, altura em que o Liverpool teve um penálti a seu favor. Gary McAllister marcou o penálti subsequente para colocar o Liverpool em vantagem por 1–0 na partida e na eliminatória.

Um percurso impressionante dos ingleses que eram vistos como os favoritos à conquista do troféu. Mas o adversário na finalíssima veio a revelar-se o obstáculo mais desafiante até então.

O Alavés qualificou-se para a Taça UEFA ao terminar em sexto durante a La Liga de 1999-2000. É seguro dizer que todo o percurso da equipa espanhola foi um turbilhão de emoções. 

4–3; 5–3; 4–2; 5–3; 4–2 e 9–2! Estes foram os números das eliminatórias do modesto Alavés, que inclusive venceu o Inter de Milão, três vezes campeão da competição. Embora os adversários não fossem todos do calibre que os “reds” tiveram de enfrentar, não deixa de ser uma fantasia tornada realidade o percurso dos espanhóis até à final.

A 16 de maio de 2001, perante 48 mil adeptos no estádio Westfalenstadion, em Dortmund, o mundo do futebol iria assistir a um espetáculo sem paralelos. De um lado, o Liverpool, com jogadores como Owen, Gerard e Fowler, a participar na sua terceira final da competição (venceu em 1973 e 1976). Do outro, um Alavés repleto de jogadores desconhecidos  na sua primeira aparição numa final europeia, coincidindo com a sua primeira participação numa competição internacional.

Naquela que foi, para muitos, a melhor final da Taça UEFA, só na primeira parte houveram 4 golos. Babbel, Gerard e McAllister colocaram os ingleses em vantagem face ao golo solitário de Alonso. Mas, na segunda parte, os espectadores tiveram direito a uma recuperação de sonho.

Moreno aos 47 e 49 minutos restabeleceu a igualdade. Fowler, aos 72 minutos, voltou a dar vantagem ao Liverpool, apenas para Jordi Cruyff levar o jogo para prolongamento com uma cabeçada aos 88 minutos.

No prolongamento, só o autogolo de Geli aos 116 minutos permitiu ao Liverpool levantar a Taça e completar uma época de sucesso em que já tinha conquistado a Taça da Liga e a Taça de Inglaterra.

Vencer a Taça UEFA deu ao Liverpool a oportunidade de competir na Supertaça Europeia de 2001 contra o Bayern de Munique, vencedor da Liga dos Campeões. O Liverpool venceu a partida por 3-2 para garantir sua segunda vitória na Supertaça.  Após a final, Alavés teve quatro partidas restantes na La Liga 2000-01. Eles perderam todas as quatro partidas e terminaram a temporada em 10º lugar, fora das vagas de qualificação para as competições europeias.

Fonte da imagem: https://www.liverpoolfc.com/news/features/395255-robbie-fowler-on-liverpool-5-4-alaves-lifting-the-uefa-cup-was-incredible