Vitoria sobre Inglaterra abre caminho à passagem aos quartos de final do Europeu sub-21

Após uma segunda parte de luxo Portugal venceu Inglaterra por 2-0 e só precisa de um empate para garantir o 1º lugar no grupo e a passagem aos quartos de final do Euro sub-21.

Portugal apresentou-se na partida contra a Inglaterra com apenas duas alterações em relação ao último jogo contra a Croácia: Trincão e Tiago Tomás deram lugar a Fábio Vieira e Dany da Mota, protagonistas do golo que derrotou os croatas. No entanto, apesar de não ter mexido muito nos nomes que entraram em campo, Rui Jorge promoveu uma alteração tática: Florentino continuava mais recuado no meio campo e Gedson e Vitinha faziam uma dupla de médios à frente do médio português; no entanto, ao invés de jogar a partir de uma das alas, Fábio Vieira jogou à frente dos três médios portugueses, atuando no vértice do losango; já Dany da Mota e Pote eram os dois jogadores mais avançados de Portugal.

Também Boothroyd operou uma mudança tática na seleção inglesa, abandonando o sistema de três centrais e apostando num 4-4-2. Destaque para a presença dos gémeos Sessegnon no corredor esquerdo e para a ausência por lesão de Hudson-Odoi, um dos nomes maiores da seleção inglesa.

O jogo começou com uma grande oportunidade de Dany da Mota que, após cruzamento de Thierry cabeceou; a bola só pararia na baliza não fosse o corte fundamental de Godfrey não em cima da linha. Após um forte início, o jogo acalmou e as duas equipas conseguiram anular-se mutuamente, pese embora um ligeiro ascendente de Portugal que por duas vezes se aproximou com perigo da baliza defendida por Ramsadale.

O intervalo chegou e com ele duas alterações que mudaram o decorrer do jogo. Daniel Bragança e Trincão entraram para os lugares de Florentino e Gedson, permitindo a correção do principal problema de Portugal durante os primeiros 45 minutos: a falta de profundidade e desequilíbrio nos corredores que permitia à defesa inglesa concentrar-se no centro do terreno, o que, naturalmente, facilitava o trabalho da seleção dos três leões.

Com as alterações o desenho tático alterou-se passando Vitinha a fazer parelha com Bragança no centro do campo. Fábio Vieira jogava com liberdade para aparecer como terceiro médio ou segundo avançado e Trincão e Pote passaram a ocupar as alas. O jogo de Portugal aumentou consideravelmente de qualidade e as oportunidades de Fábio Vieira e Vitinha faziam adivinhar o golo de Portugal.

Aos 64 minutos a bola entrou mesmo na baliza. Recuperação de bola, contra-ataque bem conduzido por Pote que arrasta o defesa e temporiza o passe para Dany da Mota que, de primeira, colocou a bola dentro da baliza. Uma lição de como atacar de forma rápida digna de manual e protagonizada pela equipa das quinas.

O segundo golo chegou aos 74 minutos na sequência de uma grande penalidade. Acabado de entrar, Gonçalo Ramos foi pisado por Tanganga e Trincão não desperdiçou a oportunidade de ampliar a vantagem.

Até ao fim Portugal dominou a partida sem grandes dificuldades contra uma Inglaterra apática e inerte, incapaz de se assumir e de criar perigo. Destaque ainda para a estreia de Filipe Soares, que vê reconhecido o bom trabalho ao serviço do Moreirense.

Portugal chegou assim aos seis pontos no Grupo D do Europeu sub-21 e quarta-feira no jogo contra a Suíça bastará um empate para carimbar a passagem à próxima fase (podendo mesmo a derrota ser suficiente para a passagem). Já Inglaterra ainda não conseguiu pontuar e mesmo uma vitória no último jogo poderá não ser suficiente para garantir a passagem.

Fonte da imagem de capa: Twitter @DTransferencias