Históricos: Espanha vs Holanda Mundial 2014 – com a humilhação prossegue a maldição

No mundo do futebol, uma das lendas mais temidas é a maldição dos campeões do mundo.

França em 2002, Itália em 2010 e Alemanha em 2018 foram os casos mais famosos de seleções que nas últimas duas décadas nem chegaram a passar da fase de grupos 4 anos após conquistarem o troféu mais cobiçado à fase da terra.

Mas se havia seleção que poderia contrariar esta norma, era a poderosa seleção espanhola que conquistou dois Campeonatos de Europa em sequência (2008 e 2012) e o Mundial de 2010.

Jogadores como Iniesta, Xavi, David Villa, Iker Casillas e Xabi Alonso, apesar de se aproximarem do fim do seu auge, apresentavam um nível exibicional bastante elevado. Para complementar estes talentosos veteranos, juntam-se jovens irreverentes como Koke, Álvaro Morata e David de Gea e nomes de alto gabarito assim como Busquets, Sergio Ramos e David Silva.

Favoritíssimos a ganhar o seu segundo Campeonato do Mundo consecutivo, aquela que é vista por muitos como a melhor seleção de todos os tempos iria encontrar no primeiro jogo da fase de grupos uma equipa que até hoje procura alcançar o primeiro lugar do pódio.

A seleção holandesa é, historicamente, das mais competitivas que alguma vez marcaram presença nas fases finais de competições internacionais, muito graças ao contributo de Cruyff, Marco van Basten, Ruud Gullit e Frank Rijkaard.

No entanto, a “laranja mecânica” também é conhecido pela sua instabilidade. Aliás, depois de perder a final de 2010 para a Espanha, os holandeses teriam das suas piores prestações em Campeonatos de Europa, quando em 2012 foram eliminados na fase de grupos.

Portanto, este era um jogo de duas narrativas completamente distintas. De um lado, a Espanha campeã da Europa e do Mundo em título, que procura reforçar o seu domínio e fechar com chave de ouro a carreira internacional de algumas das suas maiores lendas.

Do outro, o rival da final perdida de 2010 que procura vingança e recuperar a sua forma e prestígio mundial.

O que de facto se verificou foi o fim da era dourada espanhola, naquele que foi um completo recital de puro futebol.

A Espanha até começou em vantagem com a grande penalidade convertida por Xabi Alonso aos 24 minutos, mas aos 44 minutos Robin Van Persie marcou o seu icónico golo de cabeça que acabaria por levar o jogo empatado para o intervalo.

Na segunda parte, a “laranja mecânica” fez jus ao seu nome e esmagou sem dó nem piedade um adversário que via o famoso tiki taka ruir perante o olhar desesperado dos seus adeptos.

Robben (53 e 80 minutos), de Vrij (64 minutos) e van Persie outra vez (72 minutos) selaram uma das mais belas manifestações de futebol total. Esta seria uma vingança que iria impulsionar os holandeses até à meia-final da competição.

Já a Espanha viu o seu pior pesadelo tornar-se realidade. Atrás da Holanda e do surpreendente Chile, os espanhóis terminaram a fase de grupos na terceira posição e confirmou a maldição que assombra todos aqueles que já levantaram o troféu de ouro.

Resta agora saber se em 2022 a França de Mbappé e companhia terá o mesmo destino cruel.

Fonte da imagem: https://www.terra.com.br/esportes/espanha/holanda-faz-5-e-humilha-campea-espanha-em-revanche-na-ba,5f71ce991f696410VgnVCM3000009af154d0RCRD.html