Manchester City vence Dortmund destemido com controvérsia à mistura (VÍDEO)

O Manchester City venceu o Borussia Dortmund por 2-1 no Etihad Stadium. A partida ficou marcada pelo excelente jogo de Kevin De Bruyne e pela decisão controversa do árbitro romeno Hategan, ao anular um golo à equipa visitante.

O Manchester City continuou a sua campanha na Liga dos Campeões ao encontrar o Borussia Dortmund nos Quartos-de-Final. Tal como na última ronda, a diferença entre hospedeiro e visitante não podia ser maior no Etihad Stadium.

O Manchester City preparou-se para a partida com o típico 4-3-3 que tem apresentado nas últimas semanas – Ederson na baliza, Cancelo e Walker nas alas com Stones e Rúben Dias no meio. A ligar defesa e meio campo encontrava-se Rodri, enquanto que Kevin de Bruyne e o ex-Borussia Ilkay Gündogan procuravam continuar a sua boa forma. Por fim, Mahrez e Foden nas alas, com o português Bernardo Silva a jogar a falso nove – uma tática semelhante à aplicada por Guardiola no Barcelona, onde regularmente jogava com Messi como falso 9.

Por sua vez, o Borussia Dortmund apresentou-se no mesmo 4-3-3 que venceu o Sevilha na fase anterior. Marwin Hitz – o substituído promovido a titular – na baliza. O jovem Espanhol ex-La Masia Mateu Morey na ala direita, com o internacional português Raphaël Guerreiro a lateral esquerdo. Hummels e Akanji seguraram o centro da defesa, com ajuda de Emre Can como médio defensivo. O prodígio inglês Jude Bellingham e Mahmoud Dahoud ficaram encarregues de ligar defesa e ataque, enquanto Marco Reus, Erling Haaland e Ansgar Knauff compunham o ataque do Borussia. Knauff, um jovem da academia que se estreou na liga ao assistir Haaland no 2-2 contra o Colônia tinha assim a sua estreia a titular, num jogo de extrema importância, mas uma titularidade merecida – com a lesão de Jadon Sancho e a baixa de rendimento de jogadores como Giovanni Reyna, Thorgan Hazard e Julian Brandt, fazia total sentido lançar o jovem para tentar baralhar um pouco as coisas.

 

No entanto, apesar do claro favoritismo da equipa de Manchester, o jogo começou bem para o conjunto preto e amarelo – com um remate de Jude Bellingham a ameaçar Ederson aos 8 minutos.

Ambas as equipas não pressionaram tanto como de costume, mais focadas em manter a formação defensiva e circular posse nos primeiros minutos de jogo, também como forma de ver como o jogo se desenvolvia.

Aos 18 minutos Emre Can, sem pressão, tentou uma bola longa para Guerreiro na ala esquerda. A bola foi facilmente interceptada e depois de uma boa corrida de Kevin de Bruyne, o criativo Belga apareceu dentro da área para finalizar o cruzamento de Riyad Mahrez. Manchester City 1 – 0 Borussia Dortmund (De Bruyne 18’)

Pouco tempo depois do golo, uma série de boas interseções do Dortmund e um excelente passe por alto de Raphaël Guerreiro deixaram Marco Reus no um para um com Ederson. Infelizmente para o Borussia, o capitão foi mais lento que Éderson, que chegou primeiro à bola e conseguiu ganhar a falta.

Aos 29 minutos o Manchester City lançou um livre em tenso para a área e Emre Can esticou a perna, tentando cortar a bola. O médio alemão acabou por acertar na cabeça de Rodri, com um penalty a ser atribuído aos Citizens.No entanto, a repetição do VAR mostrou um claro mergulho de Rodri, com o penalty a ser anulado – embora o amarelo a Can não tivesse sido.

O Manchester City continuou a ameaçar de bolas paradas, com os cruzamentos tensos e rasteiros a mostrarem-se um perigo para o Borussia – desta vez, um desvio de Bernardo Silva obrigou a uma defesa de reflexo de Marwin Hitz, guardião da baliza alemã.

Por volta dos 37 minutos, deu-se o lance mais controverso da partida. Depois de uma boa corrida de Raphaël Guerreiro, o lateral português efetuou um excelente passe por alto para as costas da defesa dos Citizens. Éderson saiu da linha e tentou limpar a bola, mas o domínio não foi o melhor e Bellingham conseguiu cortar a bola na sua direção, com a baliza aberta.

No entanto, o árbitro romeno Ovidiu Hațegan assinalou falta do jovem inglês no guarda-redes brasileiro, sem deixar a jogada seguir até ao final. A decisão não só quebrou o protocolo dos árbitros pôs-VAR (que dita que a jogada não deve ser terminada até ao golo, para depois poder ser revisto no VAR), mas, para acrescentar sal na ferida, repetições do lance mostraram um lance limpo – Bellingham não toca em Éderson, chega à bola primeiro, sem qualquer risco para o guarda-redes do Manchester City – que depois acaba por pontapear o médio internacional pela Inglaterra.

Foi nesta nota desapontante que a partida seguiu para intervalo. Uma primeira parte onde o City foi a melhor equipa e merecia estar na liderança, mas com uma decisão questionável a manchar o que tinha sido, até ao momento, uma excelente partida de futebol.

No início da segunda parte o Borussia Dortmund, talvez motivado pela má decisão antes do intervalo, chegou com mais força, pressionando mais e a atacar de forma mais direta. Aos 48 minutos o número 8 Mahmoud Dahoud fintou dois jogadores com uma excelente finta de corpo e lançou uma excelente bola na profundidade para Haaland. O norueguês consegue bater Rúben Dias corpo-a-corpo, mas uma boa saída de Ederson impediu o empate do Dortmund.

Aos 62 minutos o Dortmund teve um livre perigoso depois de uma falta sobre Erling Haaland, mas Rúben Dias salta a tempo de impedir que a bola vá na direção da baliza. Na recarga, Marco Reus rematou, de primeira, ao lado.

Aos 64 minutos um bom ataque pela ala direita dos Citizens acabou com um cruzamento rasteiro de Kevin de Bruyne. Gabriel Jesus deixou a bola passar e Foden rematou de primeira, com Marwin Hitz a fazer uma excelente defesa com o pé direito para manter o jogo vivo.

Perto da meia hora da segunda parte, Kevin de Bruyne teve mais uma excelente jogada – esquivou-se de faltas de Bellingham e Reus, antes de lançar um remate potente, rasteiro e com veneno – mas que saiu a tirar tinta ao poste direito de Hitz. Pouco tempo depois, o Man City, a aumentar a intensidade da partida, teve mais uma boa chance – mas Foden voltou a rematar na direção de Hitz.

Contra a corrente do jogo, no entanto, Emre Can recuperou uma bola perdida no meio campo, e jogou na esquerda em Jude Bellingham. Depois de uma finta de corpo, o médio inglês passou no meio para Haaland. O norueguês jogou de primeira para Reus, que passou despercebido na jogada toda e, frente a frente com Ederson, não deu hipótese ao guarda-redes brasileiro. Manchester City 1 – 1 Borussia Dortmund (Reus 84’)

O Manchester City encontrava-se assim à procura de reverter o resultado de novo e conseguiu, quando um passe teleguiado de Kevin De Bruyne encontrou Gundogan livre no segundo poste. O internacional alemão dominou a bola com o peito na direção de Foden, que, depois de várias oportunidades, conseguiu finalizar para o 2-1. Manchester City 2 – 1 Borussia Dortmund (Foden 90’)

A partida continua assim em aberto. Uma boa partida de futebol, entre duas equipas que tiveram respeito – mas não medo – uma da outra e que demonstraram o potencial que ambas conseguem atingir no seu melhor. Pena que tenha ficado marcada por um erro crucial que devia ser completamente evitável em tempos de VAR. De qualquer das maneiras, que este jogo sirva como um bom trailer para o filme de ação que será a segunda mão – a ser disputada no dia 14 de Abril, às 20h, no Westfalenstadion em Dortmund.

Fonte da Imagem: imago images/PA Images.

Nuno Tavares

No dia 15 de Março de 2012 tive o prazer de ver o Sporting a eliminar o Manchester City e pensei "isto do futebol é giro, gosto". A partir daí nunca mais consegui parar. Sportinguista (e Borusse) de nascença. Fã de Futebol Alemão e Espanhol. Licenciatura em Ciências da Comunicação no ISMAI.