Euro 2020 – Dia 10: O pragmatismo italiano e o brilhantismo de Shaqiri

Itália vs País de Gales (1-0)

À entrada para a última jornada da fase de grupos, a Itália de Roberto Mancini já tinha assegurado a passagem à fase eliminar do Europeu depois de vencer a Turquia e a Suíça, ambos por 3-0. Este domingo, os transalpinos derrotaram o País de Gales e garantiram o primeiro lugar do Grupo A, aumentando para 11 o número de vitórias consecutivas sem sofrer golos.

A “squadra azzurra” dominou a congénere galesa desde o primeiro minuto, num jogo que surpreendeu pelo resultado magro de 1-0. A jogar em casa, os italianos apresentaram-se com oito alterações no onze inicial mas nem assim perderam a qualidade que demonstraram nas duas partidas anteriores, especialmente face a um adversário limitado em termos criativos e que procurou sobretudo a solidez defensiva.

Aos 39 minutos, após já ter causado alguns calafrios junto da baliza de Ward, Pessina marcou o único golo do encontro. Livre lateral convertido por Verratti e o médio que atua na Atalanta a desviar ao primeiro poste, sem hipóteses para o guarda-redes galês. Sem necessidade para grandes brilhantismos, os italianos mantiveram a sua boa organização caraterística e ditaram o ritmo do jogo de acordo com a sua filosofia futebolística, explorando em algumas ocasiões o talento dos seus homens mais adiantados no terreno.

Por sua vez, Bale e companhia, apesar de terem elementos interessantes em campo, tiveram dificuldades em chegar à área italiana durante os 90 minutos e só de bola parada conseguiram incomodar Donnarumma e os defesas da “Gli Azzurri”. A expulsão por vermelho direto de Ampadu aos 55 minutos apenas serviu para confirmar a superioridade italiana e os visitantes daí para a frente limitaram-se a evitar uma derrota pudesse comprometer a qualificação para os oitavos-de-final.

Numa tarde em que a Itália solidificou a sua candidatura ao título de campeão europeu, Gales acabou por beneficiar do resultado entre Suíça e Turquia e segue para a próxima fase da competição, terminando na segunda colocação do grupo.

Suíça vs Turquia (3-1)

Ao mesmo tempo que no Estádio Olímpico de Roma a Itália superava com relativa facilidade o desafio do conjunto do Reino Unido, em Baku defrontavam-se duas equipas que tinham nesta partida a sua última hipótese para se colocarem na posição de terceiros melhores classificados. De um lado, uma Suíça que foi pouco eficaz ofensivamente no empate contra o País de Gales e que foi completamente esmagada pelo favoritismo italiano. Do outro, uma seleção turca que espantou pela negativa com as derrotas contra as duas equipas referidas anteriormente.

A entrada mais audaz e intensa dos turcos desmoronou-se graças a um golo de autoria benfiquista. Ao sexto minuto de jogo, Haris Seferovic recebeu o esférico à entrada da área e rematou cruzado com o pé esquerdo, impossível de defender para o guardião turco. A partir daí, começou o show Shaqiri, Numa verdadeira obra de arte, a estrela da companhia ampliou a vantagem aos 26 minutos com um belo remate de fora da área, a execução perfeita de um remate em arco. Irfan Kahveci reduziu a vantagem aos 62 minutos com um excelente lance individual, mas Shaqiri colocaria um ponto final na recuperação turca com um golo aos 68 minutos.

Um triunfo absolutamente justo dos suíços, que foram mais autoritários e esclarecidos nas suas ações.  Ainda que não tenha conseguido o milagre de tirar o segundo lugar ao País de Gales, a equipa orientada pelo selecionador Vladimir Petkovic tem agora boas possibilidades de garantir a presença na fase eliminar. A Turquia, por sua vez, diz adeus ao Campeonato de Europa sem qualquer ponto conseguido, oito golos sofridos e apenas um marcado, um registo humilhante e muito abaixo das expectativas.

Fonte da imagem: Itália Twitter/@azzurri