EURO 2021 – Dia 17: morte do grupo da morte e vitória tardia da Ucrânia

Décimo sétimo dia do campeonato da Europa, com um “duelo de titãs” entre Inglaterra e Alemanha e a equipa sueca a defrontar uma Ucrânia com ambições sérias de chegar longe na prova. Duas partidas que ditaram, precisamente, os adversários para um dos jogos dos quartos de final.

Inglaterra 2-0 Alemanha

Foi o quarto jogo de Inglaterra em Wembley, desta vez para receber uma Alemanha longe do poderio de outros tempos, mas ainda com muitos bons argumentos.

Assistiu-se, provavelmente, à primeira parte mais equilibrada de todo o europeu, até ao momento, com uma diferença residual na posse de bola e exatamente o mesmo número de remates, quer total quer na direção da baliza, com particular destaque para um de Sterling, respondido à altura por Manuel Neuer, e para um corte de Hummels, a evitar o que parecia um golo certo dos ingleses, após um contra-ataque perigoso.

A segunda parte trouxe mais Alemanha, e abriu logo com uma enorme intervenção de Pickford, a negar o golo a Kai Havertz. Os anfitriões, por sua vez, apostavam no contragolpe, o que acabou mesmo por trazer frutos, já que foi a formação de Southgate a desfazer o nulo, a quinze minutos do fim, pelo pé de Sterling. Seguiu-se o aperto germânico e Müller podia mesmo ter reequilibrado logo a partida, não fosse falhar o alvo por escassos centímetros, no “cara a cara” com o guardião inglês.

Quem não marca sofre e, nem cinco minutos depois (aos 85), foi Harry Kane quem sentenciou a partida com o 2-0 final, o seu primeiro neste europeu, e novamente de contra-ataque. Com isto, Inglaterra elimina a Alemanha, invertendo a tendência negativa que se vinha a registar diante da Mannschaft, após 20 anos sem conseguir vencer os germânicos em provas oficiais. Está oficialmente eliminado o último sobrevivente do designado “grupo da morte”.

Suécia 1-2 Ucrânia

Suecos e ucranianos defrontavam-se pela primeira vez desde 2012, altura em que o agora treinador Shevchenko assinalou os dois golos da vitória da sua equipa, frente ao tento solitário de (quem mais) Zlatan Ibrahimović.

A jogar em Glasgow, cedo se exaltaram os ânimos, com oportunidades de parte a parte, mas foi Zinchenko o primeiro a chegar ao golo, aos 25 minutos, numa primeira parte que, de resto, foi praticamente dominada pelos suecos, que desfrutaram das melhores oportunidades, ainda que pouco se tenha rematado a ambas as balizas. No fim, o esforço nórdico compensou, com Forsberg a fazer o gosto ao pé, reestabelecendo a igualdade no marcador.

A segunda parte trouxe, de imediato, a entrada de Malinovsky, mas nem por isso os suecos deixaram de estar por cima. Yarmolenko ainda enviou uma bola ao poste direito da baliza de Olsen, mas foi respondida, logo de seguida, com outro remate ao ferro, desta vez num contra-ataque quase finalizado por Forsberg, que acabaria por repetir o feito mais adiante, desta vez à barra. Eventualmente, apesar das insistências, o nulo não se desfez com o tempo regulamentar.

O jogo do prolongamento revelou-se a completa antítese dos 90 minutos anteriores, passando a Ucrânia a assumir por completo as rédeas da partida, muito graças à expulsão de Danielson, que reduziu uma fatigada equipa sueca a 10 unidades. Seguiu-se, então, o “massacre” ucraniano, mas foi preciso esperar pelo primeiro minuto da compensação final para o herói improvável Dovbyk, quando já todos pensavam no desempate por grandes penalidades, cabecear para o fundo das redes e sentenciar o encontro de forma apoteótica.

A Ucrânia segue em frente para os quartos, onde irá defrontar, precisamente, a Inglaterra, que se desloca, pela primeira vez, para longe do seu reduto, neste Euro 2020. Como reza o ditado, “todos os caminhos vão dar a Roma”!

 

Imagem: England football team (Facebook)

Duarte Rosa

"Alfacinha" de gema, sportinguista de coração. Desde o clube à seleção nacional, o amor pela bola está presente desde cedo. A licenciar-se em Ciências da Comunicação, na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, esta paixão pela escrita e pelo futebol forma uma dupla interessante, que espera vir a agradar aos seus leitores.