Euro 2020 – Dia 19: O recital de futebol em Baku e o atropelo inglês

Rep. Checa vs Dinamarca (1-2)

Em Baku, no Azerbaijão, República Checa e Dinamarca decidiam mais uma vaga nas meias-finais do Euro 2020, no qual o vencedor teria encontro marcado com Ucrânia ou Inglaterra. O histórico entre estas duas seleções à entrada para esta partida era equilibrado, com 3 vitórias para os checos e duas para os dinamarqueses, com seis empates pelo meio.

O jogo começou logo a abrir com o golo do conjunto dinamarquês. Canto da direita, os centrais da Dinamarca arrastaram a defesa checa para o primeiro poste e Delaney, vindo de trás, marcou à vontade de cabeça. Quatro minutos e já a Dinamarca se encontrava em vantagem num encontro que até aí se tinha revelado intenso e muito físico.

A República Checa viu-se obrigada a subir as suas linhas e a jogar de forma mais ofensiva, dando assim a possibilidade ao adversário de tirar o máximo proveito dos contra-ataques. Primeiro Damsgaard, a passe de Hojberg, desviou a bola de Vaclik, com Coufal a evitar o pior. Pouco depois, Delaney surgiu novamente sem marcação, mas desta vez rematou com a canela ao lado da baliza do guardião checo. As dificuldades do ponto de vista criativo condicionavam os checos, tanto muito que a melhor ocasião que conseguiram criar em toda a primeira-parte foi por Holes que, em excelente posição para marcar, permitiu a mancha de Schmeichel.

Contra a muralha dinamarquesa, a República Checa expunha-se cada vez mais às transições rápidas dos avançados rivais. Damsgaard permitiu numa primeira instância a defesa de Vaclik, mas a Dinamarca acabaria mesmo por aumentar a vantagem em cima do intervalo, numa grande jogada coletiva. Transição rápida pela esquerda com Maehle a cruzar de trivela. Braithwaite arrastou os centrais e Dolderg a marcar pela terceira vez neste Europeu.

Na segunda-parte, a República Checa entrou mais forte e aos 49 minutos reduziu a desvantagem para apenas um golo. Cruzamento de Coufal da direita e desvio de primeira de Schick que igualou Cristiano Ronaldo no topo da lista dos melhores marcadores.  A mudança tática do selecionador checo para um 4x4x2 abalou temporariamente a defesa adversária, no entanto as substituições feitas do lado dinamarquês quebraram o elevado ritmo imposto pelo opositor.

Até ao final dos 90 minutos, os Checos pressionaram mas foi a Dinamarca que esteve mais perto de colocar um ponto final no encontro, não fosse o desperdício de Poulsen e de Maehle. 29 anos depois a Dinamarca regressa às meias-finais de um Campeonato da Europa e alimenta o sonho de repetir a conquista de 1992. Já a República Checa cai orgulhosamente de pé após um grande Europeu.

Ucrânia vs Inglaterra (0-4)

No último jogo dos quartos de final do Europeu, a Inglaterra viajou até ao Olímpico de Roma e realizou uma das exibições mais bem conseguidas da prova, dizimando por completo uma Ucrânia claramente desgastada pelo jogo anterior contra a Suécia. Os ingleses venceram tranquilamente os comandados de Shevchenko e mantiveram-se como a única em prova que ainda não sofreu golos durante toda a competição.

O início da partida não podia ter sido melhor para os homens de Gareth Southgate, visto que aos 4 minutos Harry Kane aproveitou da melhor maneira o passe de Sterling e colocou a bola no fundo das redes. O restante do primeiro tempo ficou marcado pelo controlo sereno da equipa inglesa e a escassez de oportunidades claras para alterar o marcador. O reatar da partida não só viria a ser mais interessante como demonstraria que esta Inglaterra é atualmente uma das melhores seleções da Europa e do Mundo.

Entre os 46 e os 50 minutos, Luke Shaw mostrou uma grande visão de jogo, assistindo para os golos de Maguire e, novamente, de Harry Kane. O lateral do Manchester United e o avançado do Tottenham foram as grandes figuras do encontro, muito devido à sua irreverência nos movimentos ofensivos. Com o jogo completamente controlado, a equipa dos “três leões”  definiu o resultado final através do recém-entrado Henderson, jogador do Liverpool que marcou o seu primeiro golo ao serviço da seleção inglesa.

Foram 25 longos anos mas a Inglaterra está finalmente de regresso às “meias” de um Campeonato de Europa e, tal como em 1996, o Estádio de Wembley estará repleto de adeptos fervorosos a cantar “it´s coming home”, desta vez frente à surpreendente Dinamarca.

Fonte da imagem: Inglaterra Twitter/@England