Empate a zeros na estreia do Benfica na Champions

O golo anulado, a bola na trave, foi um Benfica que se esqueceu que é preciso marcar golos para ganhar o jogo. A partida que juntou os pupilos de Jorge Jesus e o Dínamo de Kiev deram resultado a um empate sem golos. A falta de qualidade e de dinâmica ofensiva foram o fio condutor de um jogo que, se não fosse salvo por Vlachodimos, que assumiu mais uma vez o papel de salvador, teria acabado numa derrota para os encarnados.
O único  golo da partida foi apontado aos 90+3′, por Shaparenko do Kiev, mas foi anulado por fora de jogo depois da análise de Anthony Taylor que recorreu ao VAR.

Esta partida que juntou as duas equipas que sonham em passar à próxima fase, fica assim aquém das expectativas, sobretudo num grupo onde se juntam dois grandes europeus, Bayern Munique e FC Barcelona, os favoritos a conquistar as duas primeiras posições. O Benfica desperdiça assim a oportunidade de tomar as posições cimeiras do Grupo E, dominado pelos bávaros que triunfaram por 3-0 frente aos catalães.

A suspensão de Veríssimo fez com que JJ apostasse em Otamendi, Vertonghen e Morato. Com um domínio na primeira parte, cedido pelo adversário, os encarnados só se viram ameaçados pelos erros que cometiam. Com a bola em sua posse o Benfica tentava encontrar espaços para progredir mas eram raras as excepções que o permitiam. Foi apenas nos últimos minutos da primeira parte que vimos algum Benfica, primeiro através de um livre ensaiado entre João Mário e Rafa e de seguida pelo ucraniano Yaremchuk, que reencontrou a sua equipa de formação.
Jorge Jesus fez mexidas ao intervalo que pouco resultaram, Darwin, Radonjic e Lázaro foram lançados na liga milionária sem produzir qualquer efeito na equipa adversária.

O Benfica ficava-se e o Kiev subia, tanto que encostou a equipa do treinador português às cordas nos minutos finais, onde quase perderam o encontro no regresso à Liga dos Campeões.

Fonte da imagem de capa: Twitter @SLBenfica

Emanuel Brasil

Nasci na cidade mais alta de Portugal e foi aqui que comecei a dar os primeiros toques no mundo da bola e a acompanhar os mesmos com a escrita que dá brilho ao jogo fora das quatro linhas. Com a bola de um lado e a caneta do outro, acabei por me licenciar em Ciências da Comunicação na UBI e onde tiro agora, o mestrado em jornalismo.