Erro fatal de Paulo Víctor atraiçoa Marítimo e entrega vitória ao Sporting

No pontapé de saída da sétima jornada da Liga Bwin, o Sporting recebeu e venceu o Marítimo no Estádio de Alvalade. Os leões tiveram muito que suar para roubar os três pontos aos madeirenses, com Pedro Porro a desfazer o nulo através da marca dos 11 metros na compensação dos 90´, depois de uma saída fora de tempo de Paulo Víctor, que acabou expulso.

Rúben Amorim fez apenas uma alteração em relação à vitória da jornada anterior frente ao Estoril, trocando Matheus Reis por Feddal no seu trio defensivo. Tendo vencido as últimas oito receções ao Marítimo, o campeão nacional partiu como favorito absoluto frente aos insulares, que atravessavam uma série de quatro jogos sem vencer no campeonato e procuravam tentar encurtar distâncias para o líder Benfica.

O jogo começou muito disputado no meio campo, com os jogadores a perderem várias bolas de lado a lado, mas aos oito minutos, o Sporting quase criou a primeira ocasião de golo. Porro lançou Matheus Nunes pelo corredor direito e o brasileiro lançou um cruzamento sensacional em arco que só não foi uma assistência perfeita para Paulinho encostar porque Jorge Sáenz fez um corte providencial. O Sporting era dono e senhor da bola e até nem mostrava grandes dificuldades em perfurar o meio campo maritimista, o mais difícil era arranjar espaço no meio da linha de cinco centrais. O Marítimo não se importou de fechar atrás e fazer de Adán um mero espetador na partida, privilegiando a quebra de ritmo de jogo e a segurança defensiva ao “jogo bonito” e avanço de linhas. Apesar dessa atitude, Bruno Xadas armou o primeiro remate da sua equipa, aos 22 minutos e o Sporting, logo de seguida, teve direito à sua primeira oportunidade flagrante de golo. Nuno Santos recebe um passe antecipado pela direita e chuta para defesa de Paulo Víctor.

O extremo português estava com fome de mais e, três minutos depois, foi servido na profundidade por Sarabia e tentou levantar o esférico sobre o guarda-redes brasileiro, acertando em cheio na barra. Aos 36´, Nuno Santos voltou a aterrorizar a defesa madeirense, recebendo um passe longo dentro da grande área e, após ganhar na disputa a Paulo Víctor, tentou um golo de letra, mas Léo Andrade recuperou a posição a tempo e cortou o perigo. Os leões dominavam, causavam perigo e só faltava mesmo o toque final para materializarem a sua superioridade no marcador, perante um Marítimo que estava muito longe de conseguir construir jogo (a equipa acabou o primeiro tempo com 26% de posse de bola e Ivan Rossi cumpriu a meia hora de jogo sem conseguir efetuar um único passe). Aos 40´, Pablo Sarabia armou um autêntico foguete à entrada da área, depois de um canto e só não se estreou a marcar na Liga porque Paulo Víctor fez uma defesa fantástica, negando o golo ao espanhol naquela que foi a última ocasião de perigo na primeira parte.

Fonte da imagem: Twitter @FR_SportingCP

Nuno Santos voltou a fazer das suas logo à entrada para a segunda parte, voltando a testar os reflexos de Paulo Víctor com um remate a partir da esquerda, com resposta à altura do ex-Grêmio. Coates, nas alturas, também tentou a sua sorte num canto cobrado aos 47´, mas a bola saiu demasiado por cima, sendo seguido por Palhinha, aos 53´, que também não conseguiu desfazer o nulo. As oportunidades iam-se acumulando mas a baliza visitante permanecia intacta, sendo notória a crescente frustração dos jogadores leoninos tanto por causa da ineficácia ofensiva como pelo estilo de jogo do adversário, exclusivamente dedicado a cortar as jogadas através do recurso à falta (para além das já conhecidas perdas de tempo a serem cada vez mais constantes à medida que o relógio avançava…).  Aos 57´, Tiago Tomás foi lançado para o lugar de Vinagre, em busca de aumentar o ritmo ofensivo que, verdade seja dita, perdeu muita qualidade a partir desse momento (sem querer atirar culpas a TT, que não foi o principal culpado, mas sim a estratégia coletiva da equipa).

Com a equipa orientada por Júlio Velásquez a fechar todos os caminhos no corredor central, os leões começaram a usar e abusar de cruzamentos para a área (Sarabia e Nuno Santos caíram muito de produção nesta fase de jogo), sem muito efeito prático, sendo exceção uma variação de flanco de Jovane (entrou aos 71´juntamente com Daniel Bragança) que encontrou Pedro Porro, com o espanhol a rematar e a acertar em cheio no poste. Ainda antes da compensação, houve tempo para um pressing coletivo onde Tiago Tomás quase vestiu a capa de herói, mas Paulo Víctor voltou a ser vilão para os adeptos de Alvalade. Quando tudo parecia perdido para Amorim e companhia, eis que o guarda-redes brasileiro manchou a sua exibição, até aí imaculada, com uma saída fora de tempo que abalroou Jovane Cabral e levou ao assinalamento da grande penalidade e consequente expulsão. Edgar Costa foi quem vestiu as luvas (uma vez que o Marítimo já tinha esgotado as mudanças), mas nem adivinhando o lado conseguiu impedir a cobrança de Pedro Porro, que marcou de penálti pelo segundo jogo consecutivo e salvou assim os três pontos para Alvalade, onde a estrelinha parece ainda estar bem assente em pleno 2021/22.

O Sporting soma desta forma a segunda vitória consecutiva para o campeonato, antes da deslocação a Dortmund para a Liga dos Campeões, e passa a contar com 17 pontos na classificação, menos um que o Benfica e mais três que o FC Porto (ambos ainda vão jogar esta jornada).

Fonte da imagem de capa: Twitter @playmaker_PT

Alexandre Dionisio

Desde pequeno fui levado ao mundo do futebol, inicialmente enquanto júnior no Ginásio Clube de Alcobaça, clube da minha cidade, e agora mais velho enquanto espetador assíduo do mágico desporto que tanto nos emociona. Com uma licenciatura em Ciências da Comunicação na bagagem e um mestrado em Jornalismo em curso, acompanho cada jogo com a máxima emoção. Que isso nunca mude.