Derrota com a Sérvia envia Portugal para o play-off de apuramento para o Mundial

A tentar segurar a vitória, Portugal ficou confortável com o empate num jogo que acabou em derrota. Renato Sanches, Tadic e Mitrovic foram os marcadores dos golos da vitória da Sérvia por 2-1.

Ainda os adeptos se estavam a sentar quando Portugal inaugurou o marcador. Logo aos dois minutos, Bernardo Silva roubou a bola a Gudelj à entrada da área da Sérvia e entregou-a a Renato Sanches que na cara de Rajkovic não desperdiçou.

O golo madrugador acentuou a estratégia de Portugal que procurava defender-se, renegando muitas vezes a bola, e acelerar em transição. Deste modo, foi a Sérvia que desde muito cedo assumiu a iniciativa. Com Milinkovic-Savic e Tadic atrás de Vlahovic e com os dois alas colados à linha e projetados no ataque, a Sérvia juntava cinco jogadores perto da linha defensiva portuguesa.

Portugal sofreu assim, ainda que com algumas diferenças, o mesmo problema que já havia sofrido contra a Alemanha no Europeu: a linha defensiva portuguesa encontrava-se em inferioridade numérica face aos jogadores sérvios. Desta feita, tendencialmente os laterais portugueses encostavam aos alas sérvios, deixando muito espaço em terrenos mais centrais onde a Sérvia tinha ou vantagem numérica ou igualdade, dependendo do posicionamento de Danilo.

No entanto, o primeiro lance de perigo da Sérvia resultou de outro dos problemas evidenciados por Portugal no jogo de hoje: a saída de bola. Neste momento Milinkovic-Savic juntava-se a Vlahovic na pressão aos dois centrais, ficando Tadic um pouco mais recuado com atenção ao primeiro médio português e os dois alas sérvios com os laterais lusos. Face a uma pressão tão alta e agressiva, Portugal procurou de forma intensa (e de certo modo exagerada) lateralizar o jogo para um dos corredores, desprezando assim o imenso espaço deixado pela Sérvia nas costas da primeira linha de pressão. Deste modo, só quando Bernardo recuava no terreno e assumia o jogo em terrenos mais centrais é que Portugal conseguia progredir no terreno e passar o meio-campo.

Porém, tais situações eram raras, sendo mais comum Portugal colocar a bola fora ou perdê-la para a Sérvia. Tal aconteceu aos 12 minutos num lance em que Vlahovic aproveitou as costas de Fonte e em que se posicionou de tal modo a que Danilo fosse ultrapassado, e rematou ao poste.

Outro modo da Sérvia ganhar vantagens em campo era através da projeção dos centrais pela esquerda e pela direita, principalmente Milenkovic. Na primeira parte principalmente, a projeção do central pela direita gerou muitas dúvidas a Diogo Jota no posicionamento – cobertura a Nuno Mendes ou pressão ao jogador sérvio – o que explica vários lances em que Nuno Mendes foi superado.

Da forma em que o jogo se encaminhou não foi surpresa o golo de empate sérvio, beneficiando das debilidades portuguesas no corredor central. Kostic cruzou para a área e a linha defensiva portuguesa afundou, acompanhando o movimento de Vlahovic. No entanto, o facto de José Fonte, Danilo e Rúben Dias terem acompanhado o ponta-de-lança, abriu espaço para Milinkovic-Savic e Tadic à entrada da área. O jogador do Ajax rematou, a bola desviou em Danilo e traiu Patrício que também não fica isento de culpas no lance.

Após o golo aos 33 minutos o jogo acalmou ligeiramente, com os principais destaques a serem um lance de perigo português após falha de Rajkovic, um golo sérvio anulado por claro fora de jogo e a parceria de Bernardo e Renato que iam alterando a ocupação de espaços.

O intervalo trouxe mudanças nas duas equipas. Na equipa sérvia o destaque foi para a entrada ousada de Mitrovic para o lugar de Gudelj que obrigou à redistribuição das peças: Milinkovic-Savic recuou para a dupla no meio-campo, Vlahovic ocupou o lugar do médio da Lazio e Mitrovic assumiu a posição de homem mais adiantado no terreno. Já Portugal alterou ligeiramente o desenho tático. Renato Sanches passou a ocupar o corredor direito e Bernardo Silva passou definitivamente a jogar no meio como um 10 à frente de Moutinho e de Danilo.

Aos 52 minutos Renato Sanches dispôs de uma grande oportunidade para marcar. Beneficiando da projeção de Pavlovic e do facto de partir da direita, o português transportou a bola durante vários metros sem oposição, mas não foi capaz de concretizar a bola da melhor maneira.

Não obstante a oportunidade e a alteração do desenho, Portugal continuou sem grande capacidade de ter a bola nem de se aproximar da baliza sérvia, priorizando a segurança defensiva a um novo golo.

Aos 64 minutos as saídas de Moutinho e de Bernardo Silva – que estava de longe a ser o melhor em campo – trouxeram também um novo desenho de Portugal em campo, que assumiu uma formação com três centrais. Danilo recuou para o meio dos centrais e Renato juntou-se a Palhinha no meio-campo. Bruno Fernandes passou a jogar à frente dos médios e Ronaldo e Jota começaram a partilhar terrenos mais centrais. No momento defensivo Bruno Fernandes adiantava-se, Jota descaía para a direita e Ronaldo para a esquerda.

Espelhando de certa forma a Sérvia em campo Portugal começou a ter mais bola e a controlar de forma mais eficaz o adversário. No entanto, em nenhum momento esteve por cima da partida, conseguiu defender com bola ou mostrou argumentos para chegar ao último terço com perigo.

Aos 83 Mitrovic ameaçou marcar de cabeça, cenário que, para desespero dos adeptos portugueses que encheram Estádio da Luz, se viria mesmo a confirmar. Já nos descontos Tadic cruzou e, ao segundo poste e completamente livre de marcação – importa realçar que, para além de Mitrovic também outro jogador sérvio se encontrava sozinho nas costas do ponta-de-lança do Fulham – cabeceou para a reviravolta no marcador.

Fernando Santos ainda lançou André Silva no desespero por um golo do empate que não apareceu. Portugal terminou assim o grupo A no segundo lugar e a presença no Mundial estará dependente da prestação no play-off. Desta feita entrar no jogo com o empate na mente acabou mesmo por levar à derrota.

 

Onze inicial de Portugal: Rui Patrício; Nuno Mendes, Rúben Dias, José Fonte, Cancelo; Moutinho, Danilo, Renato Sanches; Diogo Jota, Ronaldo, Bernardo Silva.

Onze inicial da Sérvia: Rajkovic; Pavlovic, Velijkovic, Milenkovic; Kostic, Gudelj, Lukic, Zivkovic; Milinkovic-Savic, Tadic; Vlahovic

 

Fonte da imagem: sharemytactics.com

Fonte da imagem de capa: Twitter @FSSrbije