FC Porto goleia Feirense e apura-se para os oitavos de final da Taça de Portugal

O FC Porto recebeu e venceu o Feirense, este sábado, por 5-1, com muita tranquilidade num jogo que se desenrolou com sentido único.

O Feirense apresentou-se no Dragão de forma muito cautelosa. À habitual linha de cinco seguia-se uma linha de quatro médios uma vez que André Rodrigues que costuma pisar terrenos mais avançados fechava à esquerda, deixando Kerwin Vargas sozinho na frente. O reforço do meio campo pretendia facilitar a pressão aos laterais do Porto e evitar que os azuis e brancos acelerassem pelos corredores. Com um bloco bem baixo e com as linhas juntas, o clube de Santa Maria da Feira apresentou-se desde o início na expetativa, procurando defender-se nos últimos metros e aproveitar uma eventual transição para criar perigo.

Estava dado o mote para o ataque do Porto à área contrária. Desde bem cedo a equipa de Sérgio Conceição mostrou argumentos para perturbar o Feirense e, principalmente, aproveitar as falhas da equipa visitante com bola. Pouco confortável com o esférico, os jogadores do Feirense acumularam vários erros na construção. Aos três minutos Taremi recuperou a bola e deixou-a em Francisco Conceição que foi travado pela boa saída de Arthur Augusto. Aos sete, Sidney Lima perdeu a bola para Otávio que tocou para Evanilson que com a baliza pela frente, rematou por cima.

O Porto controlou desde cedo a partida e foi capaz de criar perigo em ataque posicional. Inicialmente, Uribe colocava-se entre os centrais e Taremi recuava no terreno para oferecer linhas de passe, ficando Evanilson a fixar a linha defensiva do Feirense. Os extremos do Porto tinham também comportamentos diferentes. Francisco Conceição à direita encostava à linha de forma a dar largura, enquanto à esquerda era Zaidu, o lateral esquerdo, que oferecia largura, permitindo a Otávio procurar terrenos interiores.

Apesar do perigo criado desta forma, o primeiro golo surgiu num lance de bola parada, outro momento do jogo em que o Porto foi capaz de capitalizar os vários erros do Feirense. À passagem do quarto de hora Vitinha cruzou para a área e Uribe apareceu solto de marcação para cabecear como manda o manual para o fundo das redes. Importa destacar neste lance a movimentação de Evanilson que retira Onyemaechi da jogada, bem como as falhas na definição de quem marca quem por parte do Feirense.

Após o golo, o Porto alterou ligeiramente o posicionamento de alguns jogadores, o que permitiu ganhar ainda mais superioridade no centro do terreno. Uribe deixou de se colocar entre os centrais, passando a jogar lado a lado com Vitinha. Os dois formavam dois dos vértices de um quadrado que era completado por Otávio e Taremi mais à frente. Fruto da proteção dos corredores laterais, o Feirense tinha apenas dois ou três jogadores nesta zona, apresentando-se em constante inferioridade numérica, o que se traduzia na incapacidade em travar o futebol associativo e muitas vezes ao primeiro toque apresentado pelo Porto.

Aos 27 minutos novamente na sequência de um lance de bola parada onde as marcações do Feirense foram superadas e onde Arthur Augusto sai mal de entre os postes, Evanilson voltou a desperdiçar apenas com a baliza à frente.

Só depois da meia hora é que o Feirense conseguiu esboçar uma (tímida) reação. Numa transição rápida mal defendida por parte do Porto (que se encontrava em vantagem numérica), João Paulo apareceu sozinho frente a Marchesin, mas rematou a bola para a bancada. Após desperdiçar a oportunidade de empate, o Feirense voltou a sofrer. Boa combinação entre Francisco Conceição e Manafá na direita, com o lateral direito do Porto a assistir Otávio que recebeu a bola e a colocou de forma potente e bem colocada no fundo das redes.

De facto, embora algo discreto Manafá constituía-se como um dos trunfos do Porto. Com Francisco Conceição a ocupar o corredor, Manafá foi variando o posicionamento, colocando-se quer como lateral baixo na saída de bola ou como um elemento a mais no corredor central. As permutas posicionais entre os dois eram também frequentes o que permitia as diagonais de Francisco Conceição da direita para o meio, ou a participação do criativo português em terrenos mais interiores.

Antes do intervalo, e se dúvidas houvesse perante tamanha superioridade, o Porto matou a partida com o terceiro golo. Otávio na sequência de (mais um) lance de bola parada mal defendido pelo Feirense apareceu sozinho ao primeiro poste para responder ao cruzamento milimétrico de Vitinha. Se o primeiro remate ainda encontrou defesa, na recarga o jogador do Porto viria mesmo a festejar.

Em desvantagem no marcador e dentro de campo, Rui Ferreira promoveu as entradas de Petkov e de Jardel ao intervalo para os lugares de João Paulo e de Manuel Silva. Embora o desenho se mantivesse o mesmo, a equipa do Feirense viu reforçada a capacidade física do meio-campo (em detrimento da possibilidade de ter bola, embora tal não passasse de uma possibilidade algo hipotética), deu maior velocidade nas alas e colocou também um jogador mais capaz de ganhar duelos pelo alto e de receber de costas para a baliza na frente. Jardel, André Rodrigues, Latyr e Vargas (da esquerda para a direita) no meio campo e Petkov sozinho na frente passaram a ser os elementos mais adiantados da equipa de Santa Maria da Feira.

Porém, nenhuma alteração tática era capaz de corrigir os erros individuais cometidos de forma repetida pelos homens do Feirense. Aos 56 minutos na tentativa de colocar a bola em Sidney Lima, Onyemaechi entregou a bola de bandeja a Evanilson que desta vez não desperdiçou e marcou o 4-0, com um belo gesto técnico.

À passagem da hora de jogo chegou a pior notícia que o jogo ofereceu ao Porto. Otávio teve de sair após se lesionar sozinho, ficando em dúvida para a partida de Liverpool. O jogador foi substituído por Fábio Vieira que passou a ocupar o espaço na meia direita, deixando a Wendell (que substituiu Zaidu) o corredor esquerdo totalmente livre.

Após novo lance desperdiçado por Evanilson (após erro de Sidney), o Feirense, aos 67 minutos, marcou o golo de honra. Vitinha, que se apresentou novamente a grande nível exibicional em toda a partida, perdeu a bola de forma algo displicente para Petkov. Marchesin ainda conseguiu impedir o remate do búlgaro, mas nada podia fazer para evitar o golo de Vargas que, contra a corrente de jogo, aproveitou uma recarga para inserir o nome na lista de marcadores.

Porém, quatro minutos passados o Feirense voltou a sofrer. Transição rápida do Porto, Evanilson soltou a bola para Taremi que foi abalroado dentro de área por João Pinto. A grande penalidade foi convertida por Francisco Conceição que se estreou a marcar e forma oficial com a camisola do Porto e que celebrou com um abraço ao pai e treinador, numa fotografia que marcou o jogo.

Fonte da imagem: Twitter @FCPorto

Antes do golo o Feirense havia já esgotado as substituições e, não obstante alguma desorganização natural com o resultado pesado, passou a apresentar-se num 4-3-3, onde o meio-campo era composto pelos três recém-entrados Washington, Samuel Teles e Fábio Espinho. Ainda assim, os dois laterais – Onyemaechi e Diga – tinham funções diferentes, continuando a saída de bola a ser feita a três com o nigeriano a ficar na linha dos centrais, dando liberdade de projeção a Diga. Também o Porto, após o quinto golo, fez entrar Luis Diaz e Toni Martinez, passando a colocar dois extremos desequilibradores nos corredores e Fábio Vieira no apoio ao ponta de lança.

Os dois jogadores ainda tiveram nos pés a possibilidade de um sexto golo, mas o jogo viria mesmo a terminar 5-1. Demonstração clara de superioridade do Porto antes da importante partida em Anfield para a Liga dos Campeões. Já o Feirense, segundo classificado da Segunda Liga, apresentou uma imagem pouco competitiva no Dragão. Na próxima jornada, curiosamente, enfrenta o Porto B.

 

Onze inicial do Porto: Marchesin; Zaidu, Fábio Cardoso, Mbemba, Manafá; Otávio, Vitinha, Uribe, Francisco Conceição; Evanilson, Taremi.

Onze inicial do Feirense: Arthur Augusto; Zé Ricardo, Onyemaechi, Sidney Lima, João Pinto, Diga; André Rodrigues, João Paulo, Manuel Silva, Latyr; Kerwin Vargas.

Fonte da imagem: sharemytactics.com

Fonte da imagem de capa: Twitter @FCPorto